Petróleo & Energia (gás, refino e gasolina)

Gases Industriais: Fusão aponta reorganização do mercado

Maroni J. Silva
11 de abril de 2019
    -(reset)+

    Com base nesse raciocínio, parece mais sensato trabalhar no fortalecimento e fidelização dos clientes via interação e atendimento, além de enfatizar a venda do que ele chama de produtos bem controlados, ou seja, em conformidade com as normas e certificações de qualidade e segurança vigentes.

    Quanto à interação com os clientes, explicou que a empresa pratica um tipo de atendimento individualizado. “Por exemplo, muitas vezes eu mesmo vou visitá-los a fim de analisar de perto suas necessidades. Com isso, nossas respostas são processadas rapidamente e alinhadas aos seus objetivos. Dessa forma, contribuímos para agilizar suas decisões”, explicou.

    Já os diferenciais da Air Liquide residem na confiabilidade, inovação e disponibilidade conforme sintetizou o diretor geral. “Ao comprar nossos produtos, os clientes podem ter a certeza de que serão bem atendidos, contando também com qualidade e uma cadeia de supply chain para suprir integralmente suas necessidades. E mesmo que optem por produtos em temperatura criogênica, alta pressão, inflamáveis ou oxidantes, os clientes serão atendidos também de forma segura”, afirmou Bassaneze.

    Para o diretor geral da companhia, o impacto mais aguardado pelos fabricantes de gases industriais, em suas operações, é o da estabilidade e do crescimento econômico. Espera-se principalmente, segundo ele, novos investimentos em setores como petroquímica, química, siderurgia, óleo e gás, papel e celulose e outros, na forma de projetos inovadores, capazes de permitir a instalação de novas usinas, ampliando a capacidade produtiva.

    Química e Derivados, Bassaneze: novas tecnologias de aplicação atraem clientes

    Bassaneze: novas tecnologias de aplicação atraem clientes

    Oliveira, diretor-presidente da IBG, concorda com isso, ao afirmar que, nos últimos anos, alguns segmentos da indústria brasileira, incluindo gases industriais, investiram em expansão de capacidades, mas ainda não obtiveram a devida contrapartida em termos de resultados econômicos. Com isso, o valor de mercado das empresas sofreu retração, inclusive motivada pela expectativa de baixa realização de Ebitda. O cenário tornou-se favorável, portanto, aos que têm dinheiro para comprar empresas e desfavorável aos que pretendem produzir e vender, segundo ele.



    Recomendamos também:








    2 Comentários


    1. Claudio Lima

      Oliveira nunca poderia comprar ativos, pois o Cade impediu as empresas de gases atuantes no Brasil, acusadas de Cartel, de comprar ativos da Linde ou da Praxair (WM). Conversa fiada dizer que fez proposta, etc. Reportagem ruim, realizada por alguém despreparado e sem conhecimento do mercado de gases.


    2. Manoel de Souza

      Prezados, boa tarde!!!

      Sou Químico e trabalhei em Indústrias, tais como:
      – Nalco Produtos Químico Ltda;
      – Companhia Nitroquímica Brasileira;
      – GM General Motors do Brasil.
      Tenho vasto conhecimento e experiências nas áreas de Produção, Operação e Laboratório.
      Admiro muito as postagens dessa conceituada Empresa, vocês aceitariam um Curriculum meu???

      Atte, Manoel Contato: (11) 98774-2395



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *