Logística, Transporte e Embalagens

Flexografia – Conferência destaca cura por feixe de elétrons

Rose de Moraes
14 de outubro de 2009
    -(reset)+

    Química e Derivados, Oliver Venezia, Vice presidente da Intermarketing Brasil, Flexografia

    Oliver Venezia: cura por EB é mais barata do que secagem normal

    Até o final deste ano, segundo ele prevê, a ESI deverá apresentar ao mercado uma nova versão de equipamento de cura por EB com menor velocidade de cura, de 250 metros por minuto, e com custo mais acessível, para atender convertedores e indústrias que operam com menores produções.

    Vários exemplos de vernizes curáveis por EB, incluindo substratos flexíveis, cartuchos, bags e sacks, também foram destacados na conferência do doutor Albert Lin, diretor técnico de tecnologias UV/EB da Henkel Technologies. As diferentes aplicações, os mecanismos de cura, os processos com cura in-line e as várias configurações de máquinas para EB foram abordados pelo conferencista, bem como as vantagens oferecidas pelos vernizes de cura EB, enfatizando que esse será um dos investimentos obrigatórios para tornar as empresas mais competitivas.

    O principal destaque da Henkel no evento, porém, ficou por conta da apresentação do verniz Miracure curável por EB, tecnologia que vem sendo aplicada em vários países. Apenas nos EUA, por exemplo, foram vendidas 600 toneladas do verniz em 2008. “É uma revolução no mercado de embalagens principalmente para a indústria alimentícia, pois o Miracure EB substitui a tradicional estrutura laminada das embalagens flexíveis por uma única camada protegida pelo verniz, oferecendo alta qualidade de isolamento, grande definição gráfica e total reciclabilidade”, comentou Gustavo Lombardi, gerente de marketing da área de embalagens flexíveis da Henkel.

    Como exemplo, pode-se partir de uma estrutura laminada convencional, formada por polietileno (PE) transparente, tinta, adesivo e PE branco, pesando de 150 a 170 gramas por m², para uma estrutura monocamada formada com o verniz Miracure EB, tinta e PE branco, com peso entre 110 até 120 g/m², com níveis de redução até 40% no consumo dos materiais. Em outro exemplo, Lombardi citou uma estrutura laminada composta por BOPP/tinta/ adesivo/BOPP/cold seal, usada para embalar confeitos, com peso entre 40 e 44 g/m², que pode ser substituída por outra com o verniz Miracure/tinta/ BOPP/verniz de selagem, cujo peso é calculado entre 30 e32 gramas, resultando, portanto, numa economia de 20% em materiais.

    Aplicado diretamente na linha de impressão de embalagens, sob temperatura ambiente, sem solventes, Miracure EB é ativado por feixe de elétrons e tem cura imediata. “Isso permite que o controle de qualidade das embalagens seja feito em tempo real, evitando perdas nos ajustes de máquina, reduzindo estoques e simplificando todo o processo produtivo, com a aplicação do verniz na própria impressora e com o corte feito em linha”, acrescentou Lombardi.

    Com oferta consolidada em flexografia nas áreas de adesivos, lacas, primers e vernizes, o Miracure EB, segundo Lombardi, motiva várias substituições de laminados, também porque a empresa fabrica grades para contato direto com alimentos, que podem compor embalagens variadas para biscoitos, cereais, doces, entre outras, com aprovação da FDA (Food and Drug Administration) dos EUA.

    Além de vernizes, a empresa também destacou outra inovação na área de hot melts: adesivos termofundíveis para embalagens. Trata-se da linha Technomelt Cool, para aplicações sob temperaturas entre 120ºC e 130ºC, bem mais baixas que as exigidas pelos hot melts convencionais, entre 150ºC até 180ºC, proporcionando maior estabilidade térmica, menor degradação dos adesivos e redução no consumo de energia elétrica. O novo hot melt também diminui a emissão de VOC e de odores, apresentando maior segurança de uso aos operadores.

    Qualidade superior – A impressão flexográfica também pode ser equiparada em qualidade com a impressão offset, segundo a conferência apresentada pela empresa belga Esko Artwork, que desenvolveu a solução denominada HD Flexo que combina retículas de alta resolução a uma nova óptica de gravação para o sistema Cyrel Digital Imager (CDI), da DuPont, resultando em 4 mil dpi (pontos por polegada) de resolução. “HD Flexo é uma solução que une software e hardware, tornando possível ampliar a qualidade e a definição de pontos nas chapas flexográficas”, informou Erik Feruglio, gerente de vendas da Esko Artwork Brasil.

    Com a aplicação de novas lentes no sistema Cyrel Digital Image, consegue-se, segundo ele, não só ampliar a velocidade de gravação, como também ampliar a resolução de gravação para 4 mil dpi, obtendo imagens mais nítidas, podendo trabalhar com pontos menores para alcançar maior qualidade em alta luz.

    “Com o auxílio de um novo tipo de screenings, conseguimos criar pontos de base, onde os pontos maiores protegem os menores contra a possibilidade de serem danificados pelo cilindro anilox. Assim, conseguimos oferecer ao mercado um salto qualitativo em comparação com os demais sistemas de impressão”, salientou. Os resultados positivos do novo sistema já foram comprovados em testes realizados em escola do Senai,em São Paulo, que, segundo Feruglio, vem motivando a instalação do novo sistema em várias empresas no Brasil.

    Também presente ao evento, a DuPont Packaging Graphics apresentou os benefícios da tecnologia de fabricação de chapas térmicas de fotopolímeros (Cyrel Fast) na obtenção de maior qualidade em flexografia e redução do impacto ambiental pela eliminação no uso de solventes. Lucas Woodyatt, líder técnico do sistema Cyrel Fast da DuPont Packaging Graphics na América Latina, proferiu palestra sobre tecnologias e novas tendências para clichês de impressão flexográfica, apresentando não só os equipamentos atuais, bem como a nova tendência de mercado que sinaliza para a utilização do novo sistema Cyrel Fast Round.

    Esse sistema emprega uma tecnologia de gravação térmica a seco, que elimina completamente o uso de solventes, com vantagem ambiental e também maior rapidez e economia na gravação de clichês para flexografia. O novo sistema Cyrel Fast Round será divulgado no Brasil nos próximos meses.

    Versões digitais de chapas de fotopolímeros de alta dureza também foram apresentadas na exposição pela MacDermid. Entre as principais características dessas novas chapas estão as opções de processamento térmico ou com solventes, a flexibilidade, a alta resiliência para altas velocidades de impressão, a ausência de pegajosidade e a mais rápida confecção dos clichês.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *