Fispal Tecnologia – Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas

As boas perspectivas para o setor de alimentos em 2007 foram confirmadas pela ampla participação de expositores nacionais e internacionais na 23ª Fispal Tecnologia. A Feira Internacional para o Desenvolvimento das Indústrias de Alimentos e Bebidas, realizada de 12 a 15 de junho, em São Paulo, no pavilhão de exposições do Anhembi, pela Agência Internacional Privada de Desenvolvimento do Mercado de Alimentos, contou neste ano com o patrocínio da CPN Resinas Plásticas, Bericap, Suzano Papel e Celulose e Suzano Petroquímica.

O diretor da Fispal, Marco Antonio Mastrandonakis, é o primeiro a reconhecer as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias e processos aos participantes do evento: “Os visitantes da 23ª Fispal Tecnologia têm a oportunidade de participar dessa grande central de soluções integradas, que oferece contribuição decisiva para o desenvolvimento do setor, e que reúne equipamentos, processos, serviços, embalagens, simpósios, rodadas de negócios e inúmeras outras opções para o contato com clientes, fornecedores e compradores de cerca de 50 países, numa mostra neste ano 10% maior do que a realizada em 2006.”

Reator para escalas-piloto – O lançamento de reator intensivo multipropósito, voltado a promover reações químicas em escalas-piloto, foi uma das grandes novidades tecnológicas apresentadas na 23ª Fispal. Desenvolvido pela Semco, o projeto do novo reator polifásico (DVT) promove reações ácidas e básicas, visando à obtenção de matérias-primas para uso nos mais diversos setores industriais.

Seu uso permite que os materiais para processamento possam ter as mais variadas composições, passando das fases líquida para pastosa, líquida para granulada e líquida para pó. O equipamento também oferece opção para operar tanto sob pressão quanto por vácuo, apresentando efetiva capacidade para realizar trocas térmicas de aquecimento ou resfriamento.

No rol das aplicações típicas, voltadas às indústrias alimentícias, farmacêuticas e químicas, o fabricante relaciona a alcalinização de nibs de cacau, celulose e derivados, maltodextrina, caboxi metil (CMC), bulk molding compound (BMC) e sheet molding compound (SMC).

A grande versatilidade do equipamento é confirmada por um dos responsáveis pela sua fabricação: “Com esse reator é possível obter cadeias de polímeros, matérias-primas para as indústrias de plásticos, princípios ativos, realizar extrações de resinas, aromas e fragrâncias, e também inocular um princípio ativo para transformálo em medicamento”, exemplificou o engenheiro de vendas Ilio Pellegrino, responsável técnico por essa área na Semco.

De acordo com ele, outra característica interessante é a existência de ambiente esterelizador inerte, submetido a altíssimas pressões, até 25 bar, e temperaturas, entre 125°C e 150°C, no caso de operar com vapores, podendo alcançar até 350°C, ao se empregar óleo térmico.

As operações previstas, segundo frisou, estão em sintonia com o princípio de leito fluidizado mecanicamente, dentro do qual os materiais para as reações são mantidos em estado de fluidização mecânica, o que permite que o meio reagente, gás-sólido ou líquido-sólido, mantenha0 contato permanente entre si e com a superfície de troca térmica.

Seus componentes, totalmente nacionais, abrangem câmara de mistura horizontal, dentro da qual está instalado um eixo com o elemento de mistura e de troca térmica, havendo também opção para se instalar um segundo elemento de mistura, como um intensificador, visando a promover a interação da fase líquida com a fase sólida.

As motorizações com motorredutores também foram concebidas especificamente para áreas classificadas (sujeitas a explosões e incêndios), havendo ainda válvulas especiais para os trabalhos em condições de pressão de 25 bar. O equipamento conta com filtros específicos para operar com produtos que liberam gases ou finos e com selos mecânicos para vedação em todos os eixos.

Até ser concretizado, o reator demandou cerca de oito meses de dedicação dos profissionais da Semco. Três equipamentos foram encomendados pelas indústrias durante a 23ª Fispal Tecnologia, o que mobiliza boas expectativas de vendas: “Reunimos, hoje, condições para executar projetos desse tipo ao mercado em vinte dias e fabricar o equipamento completo no prazo de 120 até 150 dias”, calculou Pellegrino.

Química e Derivados, Fispal Tecnologia - Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas
Reator multipropósito sob pressão ou vácuo

Além da grande conveniência de realizar reações em escala laboratorial, as indústrias do setor de alimentos, segundo o engenheiro, também convivem no seu dia-a-dia com necessidades voltadas à secagem e à granulação de produtos alimentícios, buscando alterar a forma de ingredientes, em geral apresentados em pó, para alcançar resultados de melhor fluidez e maior facilidade de manuseio.

A granulação no setor, segundo observou Pellegrino, envolve o pó a granular, pequenas quantidades de ativos e um agente aglomerante, normalmente líquido, que manterá os componentes aglomerados, evitando sua segregação. “O tamanho e a uniformidade dos grãos dependem da ação de mistura, tamanho das partículas dos componentes, tipo de aglomerante utilizado e grau de dispersão a ser atingido durante o processo de mistura e granulação.”

“Normalmente, a indústria alimentícia utiliza equipamentos distintos para promover a mistura e a dispersão dos pós para posterior granulação, mas diversos problemas surgem em virtude desse tipo de procedimento, pois cada etapa irá requerer tanques separados, processos de limpeza e assepsia, além de validação regulatória dos agentes de inspeção. A granulação em vários estágios não é eficiente, pois, em geral, o processo ocorre sem que haja repetibilidade consistente, tendo que se peneirar o produto final para se remover grãos não uniformes, e enfrentar baixo rendimento.” Repetibilidade do processo e alto rendimento, segundo acentuou, somente são alcançados com a operação de equipamentos de granulação específicos.

Nos processos mais modernos, conta- se com dois tipos de equipamento: um horizontal e outro vertical. “A Semco dispõe de granuladores verticais, com capacidade desde 30 litros até 1.200 litros, e horizontais, desde 50 litros até 20 mil litros, ambos equipados com ferramentas de mistura e complementados por ferramentas de alto cisalhamento, como intensificadores, que dispersam rapidamente pequenas quantidades de líquidos ou de componentes em pequenas porções, todas elas instaladas num único tanque, com eixos selados por meio de caixas de gaxetas com purga de ar ou de gás inerte, para impedir o ingresso de produtos nos eixos e, assim, prevenir contaminações cruzadas.”

O processo de granulação costuma envolver determinadas etapas. Os produtos em pó são adicionados ao equipamento, mantido desligado. A mistura se inicia, dando lugar à dispersão dos componentes. Só depois, deve ser adicionado o agente granulante, na forma de spray, na região de alta intensificação, iniciando-se a granulação desejada. O grau de aglomeração será determinado pela quantidade de aglomerante utilizado, tempo de mistura e potência do equipamento. O tamanho dos grãos irá decorrer dessas variáveis. “Os grãos aumentam de tamanho quanto maior for o tempo de mistura ou a quantidade de agente granulante, e a ação das ferramentas de mistura, incluindo a principal e o intensificador, irá determinar o tamanho dos grãos em função da potência consumida”, concluiu.

Química e Derivados, Ilio Pellegrino, Engenheiro de vendas, Fispal Tecnologia - Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas
Pellegrino: reator é 100% nacional

Rotuladora versátil – As soluções tecnológicas para fabricantes e engarrafadores de bebidas, levadas à 23ª Fispal Tecnologia, também estão mais completas e versáteis, conforme observado na nova rotuladora modular Solomodul.

Concebida com sistema de transmissão totalmente comandado por servomotores, essa máquina, desenvolvida pela Krones, rotula até 72 mil frascos por hora e oferece grandes benefícios às indústrias, pois permite combinar num único equipamento diferentes tipos de rotulagem em papel e BOPP. O novo sistema também oferece opção para rotulagens com cola fria, cola quente ou com rótulos autoadesivos, e permite a colocação de lacres invioláveis e selos nas embalagens para bebidas.

Com mais de 200 equipamentos já instalados em várias partes do mundo, o modelo exibido na feira é um sucessor da primeira rotuladora deste tipo, lançada em 2001, integrando a segunda geração de máquinas apresentada ao mercado mundial pela primeira vez em 2005, durante a Drinktec.

Segundo o diretor-comercial da Krones do Brasil, Silvio Rotta, máquinas da segunda geração agregaram várias inovações em relação ao projeto original, incluindo novo sistema de troca automática de rótulos e reconhecimento de garrafas e frascos por câmera.

Além de apresentar a nova Solomodul, o executivo da companhia comemorava durante a 23ª Fispal Tecnologia recente contrato de fornecimento de linhas de envase para refrigerantes, firmado com a Schincariol, prevendo a instalação ainda no segundo semestre deste ano de quatro linhas de envase de PET para refrigerantes.

“As linhas que serão instaladas na Schincariol representam as primeiras no Brasil, comercializadas com tecnologia de bloco, e com sistemas de sopro e enchimento acoplados, o que permite simplificar totalmente as linhas de envase e reduzir os custos de operação”, considerou Rotta.

Os usuários de máquinas para empacotamento de líquidos, pastosos, granéis sólidos e pós, fabricadas pela Masipack, de São Bernardo do Campo- SP, já podem contar com novas soluções em balanças e encartuchadoras, recentemente incorporadas às linhas tradicionais desse fabricante, graças à aquisição da Multiline, ocorrida em junho deste ano.

Química e Derivados, Fispal Tecnologia - Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas
Rotuladora modular Solomodul: 72 mil frascos/h

“Com a aquisição das tecnologias da Multiline, podemos oferecer soluções completas, englobando balanças e encartuchadoras”, afirmou Simone Lopes, analista de marketing da Masipack.

Como um dos primeiros resultados da iniciativa, o visitante da feira pôde conferir a encartuchadora automática Voller-Cat, em funcionamento na feira. A exposição desse fabricante se estendeu à apresentação dos modelos Ultra VS-250 e VS-350 de máquinas para envase vertical, na ocasião embalando balas, e do modelo Stylos, para envase horizontal, embalando pacotes de biscoitos.

Entre os lançamentos ainda se destacou a embaladora automática horizontal Sup 160, que também dosa sólidos ou líquidos por balança ou dosador de rosca. Um dos diferenciais dessa embaladora, segundo Simone, está na sua capacidade de dosar e embalar com precisão batatas palhas, por exemplo, produto muito fragmentado e difícil de dosar, porque o equipamento conta com software especial para garantir precisão no peso dos produtos. O equipamento também forma embalagens do tipo stand-up-pouch e com sistema de fácil abertura (easy-open), à velocidade de produção de 45 pacotes de140 gramaspor minuto.

Além dessas soluções para empacotamento, a Masipack oferece ao mercado vários modelos de máquinas horizontais para embalagens contínuas (flow pack), e verticais para embalagens do tipo “almofada” (pillow pack), além de equipamentos para a produção de embalagens “sanfonadas”(hurdy pack), entre outros.

Novas motorizações são termômetro– As indústrias de alimentos e bebidas, bem como boa parte de seus fornecedores de máquinas e equipamentos, também investem cada vez mais em sistemas mais modernos de acionamento e controles de alta precisão, levando em conta a forte demanda por servomotores e motorredutores observada nos últimos anos no mercado brasileiro. Só na venda de servomotores, os percentuais de crescimento anual se aproximam dos 30%. Boa parte das aplicações são voltadas para máquinas e equipamentos para o setor de alimentos, como dosadores de ingredientes, empacotadoras e embaladoras.

Química e Derivados, Fispal Tecnologia - Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas
Motorredutor de pequeno porte: acima de 12 Nm

“As indústrias estão substituindo cada vez mais motores convencionais assíncronos, elétricos e trifásicos, por servomotores e, em muitos casos, as máquinas chegam a comportar até dez servomotores, visando a alcançar altíssimas velocidades de produção”, exemplificou o consultor Maurício Gama, da Sew-Eurodrive Brasil, fabricante de motorredutores, conversores de freqüência, sistemas descentralizados, servoacionamentos e redutores industriais.

Entre os destaques apresentados pelo tradicional fabricante de motorredutores, conversores de freqüência, sistemas descentralizados, servoacionamentos e redutores industriais, o público conferiu modelos de motorredutores de pequeno porte, com torques acima de 12 Nm (Newton por metro), em várias configurações de eixos, maciços ou ocos, flanges e formas construtivas, adaptáveis às mais diversas aplicações existentes no setor de alimentos, como esteiras para o transporte de embalagens e caixas.

Na linha de redutores industriais, as opções em oito tamanhos, com eixos paralelos ou octogonais, oferecem cobertura à ampla variedade de aplicações, podendo atender às necessidades de grandes misturadores e máquinas de grande porte.

Um esterilizador de embalagens metálicas por indução magnética foi outra novidade apresentada na 23ª Fispal. Desenvolvido pela Montex, de Araras- SP, empresa especializada em montagens industriais e sistemas para limpeza de embalagens, o equipamento utiliza fonte de energia limpa e chega a alcançar 130oC, promovendo a esterilização completa, tanto da superfície quanto do fundo e da tampa das embalagens.

Segundo recomenda o fabricante, a esterilização deve ser feita antes do envase, garantindo o acondicionamento dos produtos em recipientes esterilizados, processo que garante maior segurança e higiene às linhas de embalagem do setor de alimentos.

Cartonados food asseptic em molho de tomate – A Sig Combibloc, divisão do grupo Sig, dedicada ao setor de embalagens assépticas cartonadas, sistemas de envase e fechamento para alimentos e bebidas, divulgou na 23ª Fispal as tecnologias “food asseptic” e “food retortable”, e também oficializou protocolo assinado com o governo do Paraná, com o objetivo de instalar sua primeira fábrica no município de Campo Largo e projetar maior expansão por toda a América do Sul.

O processo “food asseptic”, um dos pilares tecnológicos da divisão, começa a se tornar conhecido do consumidor brasileiro com os molhos de tomate aos pedaços da marca Saúde. Fabricados pela Siol Alimentos, tradicional no segmento de óleos, maioneses e gorduras, as embalagens cartonadas assépticas de200 gramasaté500 gramas, produzidas com essa tecnologia, servirão para envasar uma linha completa de derivados de tomate.

“A Siol Alimentos é a primeira empresa brasileira a adquirir a tecnologia de envase asséptico em cartonados food asseptic, direcionada ao envase de alimentos com alta viscosidade, com fibras e aos pedaços”, informou Luciana de Paula Galvão, gerente de marketing para a América do Sul da Sig Combibloc do Brasil.

Nos sistemas assépticos oferecidos pela divisão, o processo de esterilização dos alimentos nas embalagens cartonadas ocorre à temperatura de138°C, durante período de quatro segundos, dando seqüência ao resfriamento sob temperaturas abaixo de20°C. “Com o sistema food asseptic, exclusivo da Sig Combibloc, conseguimos esterilizar e preservar todas as características e os nutrientes originais dos alimentos, tanto em vitaminas, como em sabor e textura, enquanto que, por meio do processo de esterilização em autoclave, seja em lata, vidro ou cartonado, há perda das propriedades porque, após a exposição ao pico de temperatura de138°C, o alimento ainda é submetido durante 30 até 40 minutos a temperaturas acima de 40oC”, comparou Luciana.

Outra tecnologia divulgada pela Sig Combibloc foi a “food retortable”, opção de envase em cartonados para legumes, frutas e massas prontas para consumo. Também conhecida como Combisafe, é recomendada para alimentos aos pedaços, só que maiores do que15 mme cujas quantidades envasadas em relação às totais superam os 50%.

Novas laminações – As mais recentes tecnologias para laminação de embalagens flexíveis também foram destaque na 23ª Fispal Tecnologia. O grupo italiano Chimica Organica Industriale Milanese, por intermédio da unidade brasileira Coim Brasil, apresentou várias novidades nesse setor, como adesivos alto sólidos, selantes da linha Cold Seal/Release, adesivos em base água, o verniz Universal e o adesivo Retortable.

Prontos para uso, os adesivos alto sólidos permitem aos convertedores reduzir em até 50% o uso de acetato. O selante Cold Seal/Release permite fechar as embalagens por pressão, e dispensa temperatura, propiciando altas velocidades de empacotamento. Os adesivos para laminação em base água permitem obter reduções drásticas no tempo de cura, de 24 horas para resultados imediatos. O verniz Universal proporciona selagens mais uniformes, podendo ser aplicado em copos plásticos para água e embalagens para iogurte. O adesivo para embalagens Retortable traz ao Brasil tendência mundial, ao permitir o uso desse tipo de embalagem dentro da qual o alimento pode ser preparado, suportando temperaturas acima de 130°C.

Química e Derivados, Fispal Tecnologia - Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas
Embalagens cartonadas assépticas para molhos

Um sistema diferenciado para embalar, composto de fita esticável (Scotch) e unitizadora (ST 1000), também foi apresentado pela 3M do Brasil. A fita atua como substituta dos tradicionais filmes stretch, utilizados na paletização de cargas, e apresenta alta capacidade de alongamento, sem danificar a estrutura da embalagem.

O sistema, recomendado principalmente para embalar cargas frigoríficas, laticínios e produtos agrícolas, oferece ainda a vantagem de formar paletes unitizados que poderão ser submetidos à esterilização ou fumigação, processos utilizados em cargas para exportação.

A empresa também destacou o 3M Temperature Logger TL 20, equipamento que monitora continuamente as variações de temperatura sofridas por produtos e cargas durante os períodos de estocagem e transporte, o que auxilia as indústrias a exercer maior controle sobre a qualidade de seus produtos em toda a cadeia logística.

O equipamento disponibiliza as informações em planilhas eletrônicas e pode ser configurado de acordo com critérios e necessidades dos clientes, emitindo alerta visual, caso as oscilações de temperatura ocorram em níveis inaceitáveis.

Solucionado o transporte de cargas – O setor de movimentação e armazenagem de materiais também participou neste ano da 23ª. Fispal Tecnologia, apresentando soluções em empilhadeiras, paletes, entre outros.

A Linx Logística levou ao público novas soluções verticais para movimentar cargas pertencentes à linha Spiral Veyor/AmbaFlex, composta por diferentes famílias de produtos: Spiral Veyor SV, SVX-DL e SVM. A SV é integrada por transportadores para elevação de cargas em sentido espiral, associados a elevadores, e com capacidade para movimentar até 150 produtos por minuto. A SVX-DL oferece nova geração de empacotadores de alta velocidade e com pista dupla, podendo elevar cargas à velocidade superior a 300 packs por minuto. A SVM traz transportadores helicoidais, considerados ideais para garrafas e latas, equipados com esteira em larguras desde 100 mm até 500 mm, podendo chegar até 800 mm.

Especializada na fabricação de portas industriais, a Inovadoor, de Curitiba-PR, lançou na feira modelo flexível para ambientes refrigerados, como frigoríficos, centros de armazenagem, processamento e distribuição. Trata-se da linha Isofrio, produzida em telas de PVC com esticadores horizontais e sistema de isolamento térmico confeccionado com espuma elastomérica, colocada entre duas camadas de PVC. Resistente a choques, atua como eficiente barreira a vapores, e é oferecida em duas versões. A Isofrio 707 é indicada para ambientes refrigerados positivos, até zero grau C, e sem risco de formar gelo na estrutura da porta. A Isofrio 708 é aconselhável para ambientes negativos, até –25°C, e vem com isolamento térmico em espuma em toda a coluna. Outro fator importante é a velocidade de abertura e fechamento da nova linha, até 1 m/s, o que confere capacidade para realizar 240 aberturas/fechamentos por hora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.