Alimentos e Bebidas

Fispal 2002: Alimentos geram negócios gordos

Rose de Moraes
11 de junho de 2002
    -(reset)+

    Química e Derivados: Fispal: Válvula adesiva deixa sair o CO2 da embalagem.

    Válvula adesiva deixa sair o CO2 da embalagem.

    “Esses furos, além de comprometer a integridade das embalagens, sujeitam o produto a riscos de contaminação, que devem ser observados pelos consumidores e pelas autoridades sanitárias”, informou. Além de apropriar-se às embalagens para café, a nova tecnologia também pode contribuir para reduzir os volumes em excesso ocupados por esse tipo de embalagem laminada (almofada) também destinada a acondicionar leite em pó, pet food, entre outros produtos.

    Para os usuários de encartuchadeiras, a Fabrima lançou outra novidade. Trata-se de novo modelo automático e intermitente, que visa atender menores produções em relação aos equipamentos contínuos, prevendo até 200 cartuchos por minuto. Com memória para 20 programas, a nova encartuchadeira (Cartopac–MI) pode atender aplicações na área farmacêutica, em se tratando de blisters, bisnagas e frascos, e também serve, para encartuchar gelatinas, cereais matinais, achocolatados etc., produzindo até 100 cartuchos por minuto, em dimensões entre 30 mm a 220 mm.

    Química e Derivados: Fispal: Cruz - equipamentos têm controle avançado.

    Cruz – equipamentos têm controle avançado.

    A primeira embaladora vertical para produções seriadas, lançada na Fispal pela Masipack, também mobilizou a atenção do público. O equipamento, denominado Discovery, embala granulados alimentícios e não-alimentícios, produtos contáveis em geral, podendo também embalar pós, a partir da simples troca do sistema de alimentação.

    Ou seja, ao invés de balança, usa-se um dosador. Sua capacidade chega a 180 pacotes por minuto, podendo envolver filmes em PEBD, PPC, BOPP+PE, PET+PE MET, papel Poli, COEX+COEX, ALUPOLI etc., em larguras que vão desde 60 mm até 250 mm e comprimentos desde 120 mm até 420 mm.

    No pacote das inovações tecnológicas desenvolvidas pela Masipack também se destacou a embaladora horizontal para pacotes flow pack, do tipo almofada, denominada Speed Candy. “Trata-se da primeira máquina nacional no segmento, direcionada aos mercados de alimentos e medicamentos, e que tem automação completa e velocidade para produzir 1.800 pacotes por minuto”, informou a

    Química e Derivados: Fispal: Discovery - produção seriada tem embaladora vertical.

    Discovery – produção seriada tem embaladora vertical.

    diretora de marketing Patrícia Foligati. Além da qualidade, outro aspecto atrativo para os usuários é o baixo custo, de R$ 180 mil, representando 50% do valor de mercado dos equipamentos importados.

    Instalada no Brasil desde 1998, a Campak ampliou os serviços disponibilizados ao mercado, oferecendo suporte técnico, estoque local de peças e maior estrutura de vendas, e teve participação de destaque na feira, pela exposição de blisteiras e encartuchadoras. Destacando-se no segmento de máquinas horizontais para embalagens flow pack, providas de sistema inteligente para controle do tempo de solda e que promovem a soldagem de todos os tipos de polímeros, a Ulma expôs a termoformadora a vácuo, com sitema de injeção de gás e selagem em câmaras herméticas, para laminados em PET, EVOH e PE, incluindo PVC, de largo emprego nas áreas de produtos químicos e cirúrgicos.

    Com mais de 60 linhas de máquinas para envase asséptico comercializadas no mundo para os segmentos de leite, sucos de frutas, isotônicos etc., a Serac voltou neste ano a fabricar equipamentos no Brasil,

    Química e Derivados: Fispal: Patrícia - embalagem tipo almofada com baixo custo.

    Patrícia – embalagem tipo almofada com baixo custo.

    depois de ter suspendido a produção local em 1998 para um amplo processo de padronização internacional, desencadeado na França. Para exposição, a empresa trouxe a máquina envasadora/fechadora, modelo F.C.S + (Plus), com sistema de controle eletrônico de dosagem por peso líquido e controle remoto de torque na estação de fechamento, acionado por TCS (Torque Control System), capaz de produzir até 600 embalagens por minuto, operando em plataforma Windows.

    De acordo com o gerente comercial, Fernando Violante, esse tipo de tecnologia, utilizando sistema de dosagem de peso líquido, ao invés da dosagem por peso bruto, permite o controle estatístico dos processos, além de maior integração homem versus máquina, devendo ser bastante empregado nos próximos anos no mercado brasileiro.

    Química e Derivados: Fispal: Envasadora-fechadora F.C.S.+ vai a 600 peças-min.

    Envasadora-fechadora F.C.S.+ vai a 600 peças-min.

    A exposição da linha de envase farmacêutica da Promáquina, integrada por alimentador/posicionador de frascos, enchedora e tampadora, também mobilizou o interesse do público. Podendo envasar embalagens em vidro, plástico ou metal, o equipamento representa uma das soluções integradas

    desenvolvidas pela própria empresa. Um dos mais importantes diferenciais, no entanto, foi encontrado na linha de enchedoras lineares volumétricas, equipamentos projetados para envasar líquidos, em embalagens desde 0,5 mil até 1 litro, e que atendem aos mercados farmacêutico, cosmético, químico e alimentício, contando, com novo sistema de dosagem eletrônica. “Com o curso dos pistões podendo ser ajustado por meio de comando eletrônico na interface, o envase se dá nos volumes desejados, dispensando ajustes mecânicos”, informou o gerente comercial da Promáquina Marcelo Martin.

    Química e Derivados: Fispal: Violante - dosar pelo peso líquido traz vantagens para controle estatístico.

    Violante – dosar pelo peso líquido traz vantagens para controle estatístico.

    Soluções polivalentes – Depois da feira de Hannover, realizada em abril deste ano na Alemanha, os visitantes da Fispal 2002 foram os primeiros a conhecer as mais recentes inovações desenvolvidas pela Festo. A líder mundial na produção e comercialização de equipamentos pneumáticos para automação industrial, com sede em Esslingen, na Alemanha, e há 34 anos presente no Brasil, onde mantém em operação a segunda maior unidade fabril do mundo e detém 42% de participação no mercado, apresentou o novo terminal de válvulas solenóides configuráveis CDVI (Clean Design Valvs Inteligente). Com 14 mm de espessura, 100 mm de comprimento, potência de acionamento de 2,5 watts e baixo consumo de energia, as válvulas, além de novo design sem pontos de fixação ou acúmulo de resíduos, foram encapsuladas em poliacetal, para maior proteção e vedação, podendo suportar jatos de água direcionados, inclusive contendo agentes químicos, sem sofrer interrupção de trabalho, mesmo durante as operações de limpeza das máquinas de envase de bebidas, fármacos ou alimentos.



    Recomendamos também:








    Um Comentário



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *