Fispal 2002: Alimentos geram negócios gordos

Divisão em dois pavilhões apurou o foco de estandes e visitantes, de modo a facilitar negociações

Química e Derivados: Fispal: Envasadeira TBA-21 chega a 8 mil unidades-hora em vários tamanhos.
Envasadeira TBA-21 chega a 8 mil unidades-hora em vários tamanhos.

A 18ª Fispal Tecnologia, realizada de 18 a 21 de junho, no pavilhão de exposições do Anhembi, sob a promoção do Grupo Brasil Rio, comprovou mais uma vez ser ponto de convergência de vários mercados. Recebeu 54,7 mil visitantes e reuniu 1.656 expositores dos setores alimentício, farmacêutico, químico, cosmético, laboratorial, unidos pela vertente de apresentar soluções diferenciadas, visando convertê-las em vantagens competitivas para seus usuários.

O montante de negócios gerado por ocasião da feira foi estimado em R$ 3 bilhões pelo diretor da Fispal Tecnologia Luiz Fernando Pereira. “Muitas empresas fecharam acordos cujos valores representam de três a seis meses do seu faturamento anual, outras realizaram importantes contatos que, a médio e longo prazos, convertem-se em negócios”, considerou o diretor.

Química e Derivados: Fispal: Pereira - feira gerou R$ 3 bilhões em negócios.
Pereira – feira gerou R$ 3 bilhões em negócios.

Setorizada em áreas que concentram soluções em embalagens e processos industriais, além de contar com pavilhão internacional e com a quarta edição da Techno Plus – Feira Internacional de Tecnologia para as Indústrias Farmacêutica, Química e Cosmética, a Fispal Tecnologia teve sua área de exposição ampliada, com a transferência da Fispal Alimentos para o Center Norte. Visando aprimorar a qualidade do evento de acordo com as necessidades mercadológicas dos expositores, a próxima edição, programada para 2003, deverá concentrar novos setores e contar com novas associações representativas de apoio.

Segundo os organizadores do evento, o setor químico é um dos que mais crescem em participação na Fispal Tecnologia. Das 200 empresas presentes na feira de 2001, passamos a contar com mais de 400 expositoras do setor químico em 2002”, informou Pereira.

Química e Derivados: Fispal: Alves - evaporador a placas ganha mercado.
Alves – evaporador a placas ganha mercado.

Parcerias tecnológicas – Parcerias surgindo em profusão, entrelaçando empresas e novas estratégias de posicionamento de produtos, foi o que mais se observou na 18ª Fispal. Sob licença da Axero, a APV, empresa do grupo inglês Invensys, trouxe ao mercado brasileiro os evaporadores free-flow, direcionados em grande parte às aplicações nas indústrias químicas e também requisitados pelas fábricas de papel e celulose.

Constituídos de placas soldadas a laser, e considerados bem mais avançados em relação aos evaporadores tubulares, esses equipamentos possuem capacidade de evaporação acima de 100 toneladas de água por/hora, e são capazes de oferecer maior estabilidade às operações, sem contar um de seus aspectos mais importantes que é segregar os condensados, captando e tratando os gases, de modo a evitar a formação de odores nas indústrias.

Química e Derivados: Fispal: TBA-22 enche 12 mil embalagens de 1 L por hora.
TBA-22 enche 12 mil embalagens de 1 L por hora.

Suas placas, confeccionadas em aço inox 316, titânio ou cupro-níquel, foram recentemente remodeladas, recebendo novo design, para favorecer a menor perda de pressão e possibilitar maior eficiência na transferência de calor.

Segundo o diretor comercial da APV Antonio Alves da Silva Neto, a empresa empenha-se na maior difusão da nova tecnologia e, para isso, está construindo planta-piloto para, dentro de seis meses, colocar em teste aplicações direcionadas às indústrias de açúcar e álcool e ao tratamento de efluentes, estendendo-se, ainda, para o seu emprego nas plantas de soda cáustica e de sulfato de cobre, onde os bons resultados já estão mundialmente comprovados.

Destacando-se, pela apresentação de novo sistema de envase asséptico para líquidos, a Tetra Pak, uma das principais fornecedoras mundiais de equipamentos para o processamento de alimentos – centrífugas, homogeneizadores e trocadores de calor, sistemas de envase e distribuição, envolvendo embalagens cartonadas – comemorou 45 anos de Brasil. Em demonstração, a máquina TBA/22 é capaz de envasar 12 mil embalagens de um litro por hora, produtividade atingida graças ao aumento de velocidade da máquina e à colocação de novo sistema de mandíbulas e dobrador final.

Química e Derivados: Fispal: Empacotadora vertical aceita acessórios.
Empacotadora vertical aceita acessórios.

Outro desenvolvimento que chamou a atenção pela versatilidade foi a máquina TBA/21, caracterizada por ser um sistema flexível que permite a mudança de formatos e volumes das embalagens, envolvendo 200 ml, 250 ml e 1000 ml, projetado para envasar até 8 mil unidades por hora.

A Fabrima, do grupo IWKA, e com parque industrial em Guarulhos–SP, apresentou novo acessório para a linha de empacotadoras Flexibag que promete impulsionar vendas de novas unidades, bem como promover adaptações em equipamentos já instalados.

Lançada há seis anos, a Flexibag ganha, agora, um aplicador de válvula adesiva que promove a liberação dos gases, como CO2 das embalagens de café, gerados após o empacotamento, representando alternativa de mais baixo custo em relação às embaladoras a vácuo ou a injeção de gás, tecnologias de acondicionamento também empregadas.

O aplicador da válvula, denominada Celomat, foi desenvolvido em parceria com a empresa argentina de mesmo nome, liberando gás carbônico gerado pela torrefação dos grãos de café, mas impedindo a entrada de oxigênio na embalagem, fazendo com que o café possa perder o aroma, oxide, ou fique sujeito a contaminações. Para Nilson Cruz Júnior, responsável pelo departamento comercial da Fabrima, o aplicador de válvula permitirá eliminar a prática generalizada de se fazer furos nas embalagens laminadas, visando a saída de gases, de modo a manter a estabilidade dos produtos no empilhamento.

Química e Derivados: Fispal: Válvula adesiva deixa sair o CO2 da embalagem.
Válvula adesiva deixa sair o CO2 da embalagem.

“Esses furos, além de comprometer a integridade das embalagens, sujeitam o produto a riscos de contaminação, que devem ser observados pelos consumidores e pelas autoridades sanitárias”, informou. Além de apropriar-se às embalagens para café, a nova tecnologia também pode contribuir para reduzir os volumes em excesso ocupados por esse tipo de embalagem laminada (almofada) também destinada a acondicionar leite em pó, pet food, entre outros produtos.

Para os usuários de encartuchadeiras, a Fabrima lançou outra novidade. Trata-se de novo modelo automático e intermitente, que visa atender menores produções em relação aos equipamentos contínuos, prevendo até 200 cartuchos por minuto. Com memória para 20 programas, a nova encartuchadeira (Cartopac–MI) pode atender aplicações na área farmacêutica, em se tratando de blisters, bisnagas e frascos, e também serve, para encartuchar gelatinas, cereais matinais, achocolatados etc., produzindo até 100 cartuchos por minuto, em dimensões entre 30 mm a 220 mm.

Química e Derivados: Fispal: Cruz - equipamentos têm controle avançado.
Cruz – equipamentos têm controle avançado.

A primeira embaladora vertical para produções seriadas, lançada na Fispal pela Masipack, também mobilizou a atenção do público. O equipamento, denominado Discovery, embala granulados alimentícios e não-alimentícios, produtos contáveis em geral, podendo também embalar pós, a partir da simples troca do sistema de alimentação.

Ou seja, ao invés de balança, usa-se um dosador. Sua capacidade chega a 180 pacotes por minuto, podendo envolver filmes em PEBD, PPC, BOPP+PE, PET+PE MET, papel Poli, COEX+COEX, ALUPOLI etc., em larguras que vão desde 60 mm até 250 mm e comprimentos desde 120 mm até 420 mm.

No pacote das inovações tecnológicas desenvolvidas pela Masipack também se destacou a embaladora horizontal para pacotes flow pack, do tipo almofada, denominada Speed Candy. “Trata-se da primeira máquina nacional no segmento, direcionada aos mercados de alimentos e medicamentos, e que tem automação completa e velocidade para produzir 1.800 pacotes por minuto”, informou a

Química e Derivados: Fispal: Discovery - produção seriada tem embaladora vertical.
Discovery – produção seriada tem embaladora vertical.

diretora de marketing Patrícia Foligati. Além da qualidade, outro aspecto atrativo para os usuários é o baixo custo, de R$ 180 mil, representando 50% do valor de mercado dos equipamentos importados.

Instalada no Brasil desde 1998, a Campak ampliou os serviços disponibilizados ao mercado, oferecendo suporte técnico, estoque local de peças e maior estrutura de vendas, e teve participação de destaque na feira, pela exposição de blisteiras e encartuchadoras. Destacando-se no segmento de máquinas horizontais para embalagens flow pack, providas de sistema inteligente para controle do tempo de solda e que promovem a soldagem de todos os tipos de polímeros, a Ulma expôs a termoformadora a vácuo, com sitema de injeção de gás e selagem em câmaras herméticas, para laminados em PET, EVOH e PE, incluindo PVC, de largo emprego nas áreas de produtos químicos e cirúrgicos.

Com mais de 60 linhas de máquinas para envase asséptico comercializadas no mundo para os segmentos de leite, sucos de frutas, isotônicos etc., a Serac voltou neste ano a fabricar equipamentos no Brasil,

Química e Derivados: Fispal: Patrícia - embalagem tipo almofada com baixo custo.
Patrícia – embalagem tipo almofada com baixo custo.

depois de ter suspendido a produção local em 1998 para um amplo processo de padronização internacional, desencadeado na França. Para exposição, a empresa trouxe a máquina envasadora/fechadora, modelo F.C.S + (Plus), com sistema de controle eletrônico de dosagem por peso líquido e controle remoto de torque na estação de fechamento, acionado por TCS (Torque Control System), capaz de produzir até 600 embalagens por minuto, operando em plataforma Windows.

De acordo com o gerente comercial, Fernando Violante, esse tipo de tecnologia, utilizando sistema de dosagem de peso líquido, ao invés da dosagem por peso bruto, permite o controle estatístico dos processos, além de maior integração homem versus máquina, devendo ser bastante empregado nos próximos anos no mercado brasileiro.

Química e Derivados: Fispal: Envasadora-fechadora F.C.S.+ vai a 600 peças-min.
Envasadora-fechadora F.C.S.+ vai a 600 peças-min.

A exposição da linha de envase farmacêutica da Promáquina, integrada por alimentador/posicionador de frascos, enchedora e tampadora, também mobilizou o interesse do público. Podendo envasar embalagens em vidro, plástico ou metal, o equipamento representa uma das soluções integradas

desenvolvidas pela própria empresa. Um dos mais importantes diferenciais, no entanto, foi encontrado na linha de enchedoras lineares volumétricas, equipamentos projetados para envasar líquidos, em embalagens desde 0,5 mil até 1 litro, e que atendem aos mercados farmacêutico, cosmético, químico e alimentício, contando, com novo sistema de dosagem eletrônica. “Com o curso dos pistões podendo ser ajustado por meio de comando eletrônico na interface, o envase se dá nos volumes desejados, dispensando ajustes mecânicos”, informou o gerente comercial da Promáquina Marcelo Martin.

Química e Derivados: Fispal: Violante - dosar pelo peso líquido traz vantagens para controle estatístico.
Violante – dosar pelo peso líquido traz vantagens para controle estatístico.

Soluções polivalentes – Depois da feira de Hannover, realizada em abril deste ano na Alemanha, os visitantes da Fispal 2002 foram os primeiros a conhecer as mais recentes inovações desenvolvidas pela Festo. A líder mundial na produção e comercialização de equipamentos pneumáticos para automação industrial, com sede em Esslingen, na Alemanha, e há 34 anos presente no Brasil, onde mantém em operação a segunda maior unidade fabril do mundo e detém 42% de participação no mercado, apresentou o novo terminal de válvulas solenóides configuráveis CDVI (Clean Design Valvs Inteligente). Com 14 mm de espessura, 100 mm de comprimento, potência de acionamento de 2,5 watts e baixo consumo de energia, as válvulas, além de novo design sem pontos de fixação ou acúmulo de resíduos, foram encapsuladas em poliacetal, para maior proteção e vedação, podendo suportar jatos de água direcionados, inclusive contendo agentes químicos, sem sofrer interrupção de trabalho, mesmo durante as operações de limpeza das máquinas de envase de bebidas, fármacos ou alimentos.

Química e Derivados: Fispal: Linha de embalagem para produtos farmacêuticos, da Promáquina.
Linha de embalagem para produtos farmacêuticos, da Promáquina.

“O terminal de válvulas CDVI pode ser empregado em qualquer processo de fabricação que utilize válvulas direcionais para o controle de atuadores industriais, dispensando a necessidade de painéis e oferecendo grau de proteção IP67, segundo as normas americanas”, informou João Luiz de Souza, engenheiro da Festo.

No rol das soluções polivalentes da empresa se destacaram ainda as conexões, os tubos e os cilindros para transporte de ar comprimido. Para competir com outros materiais concebidos em aço inox, as novas conexões QS-F foram confeccionadas em liga de latão, depois niqueladas e cromeadas, recebendo vedações em Viton, bem como graxa aprovada pelo Food and Drug Administration, dos EUA.

Além do clean design , adotado na concepção de todos os produtos da nova geração Festo, essas conexões levam a vantagem de poder resistir à umidade e às altas temperaturas, podendo chegar a 150°C, apresentando ainda alta resistência a ataques químicos e corrosão.

As novidades em tubos não ficaram para trás. Confeccionados em PFA (perfluoralcóxi), os tubos da linha P-FAN resistem a produtos químicos, luz solar, raios UV, e são indicados para ambientes que operam em altas temperaturas, como os encontrados nas indústrias alimentícias e de embalagens.

Química e Derivados: Fispal: Martin - envase com controle eletrônico.
Martin – envase com controle eletrônico.

Confeccionada em polietileno de alta densidade, outra linha de tubos, a PLN, foi concebida para ambientes de trabalho submetidos com freqüência à ação de produtos químicos de limpeza, como os detergentes e desinfetantes, permitindo lavagens sem ocasionar a degradação das mangueiras. Já a linha de tubos PUN-H, desenvolvida com novo grade de poliuretano, que agrega a vantagem de resistir à hidrólise, poderá substituir os tubos convencionais em PU, que tendem a absorver umidade.

Para facilitar a limpeza e evitar o acúmulo de resíduos na superfície, novas soluções envolvendo cilindros (CDN) atuadores foram projetadas. Sem rugosidade externa, e confeccionada em liga especial de alumínio, para resistir à água, detergentes e soda cáustica, o padrão de qualidade dessa linha é ISO 6341/VDMA. A inovação da Nordson que mais atraiu a curiosidade do público foi o sistema Microcoat, para aplicação de óleo lubrificante por pulverização. A tecnologia, desenvolvida pela E.F.D., empresa comprada pela Nordson há dois anos, é direcionada às aplicações em prensas contínuas para conformação de metais.

Química e Derivados: Fispal: Souza - CDVI oferece proteção elevada.
Souza – CDVI oferece proteção elevada.

Com funcionamento intertravado ao acionamento da prensa, o Microcoat é um sistema pulverizador que opera com baixos volumes e a baixa pressão, sendo integrado por um tanque de fluidos em acrílico, com capacidade para acondicionar de 1 a 5 galões (3,6 litros a 18 litros), um sistema para controle de dosagem e por até quatro válvulas de aplicação, acionadas por sistema eletro-pneumático.

Referência no segmento equipamentos para selagem de caixas, e principalmente empregados no setor farmacêutico, a série 3000 de máquinas de colagem Nordson também integrou a exposição. Com painel digital, tanque em PTFE, e em seis modelos com diferentes capacidades de armazenagem, o principal diferencial desse equipamento é a precisão no controle da temperatura dos hot-melts via sensores em níquel (Ni 120), podendo operar com todos os tipos de adesivos, exceto os reativos, em ranges de temperatura que vão desde 38° C até 230°C

As tecnologias e procedimentos estão totalmente padronizados. Seguem os padrões Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, FDA – Food and Drug Administration, e GMP – Good Manufacturing Process, envolvendo as boas práticas de fabricação. Mas o que fez a diferença na Fispal 2002 em se

Química e Derivados: Fispal: Microcoat lubrifica por pulverização.
Microcoat lubrifica por pulverização.

tratando de esterilizadores dizia respeito à programação, aos softwares de comando e ao novo design, visando elevar a performance dos equipamentos. Nesse caso enquadraram-se as novas versões de autoclaves fabricadas pela Sercon. Em modelos abrangendo desde 21 litros até 50 mil litros, esses equipamentos foram dotados de controle

digital, para responder com maior precisão e sensibilidade aos trabalhos de validação, e receberam novo design, com a finalidade de ocupar menor espaço físico nos ambientes, que resultou no sistema de fechamento de portas com movimentos deslizantes, nos sentidos vertical e horizontal, em vez das dobradiças colocadas nos modelos anteriores.

Mas o equipamento mais destacado da Sercon foi a termodesinfetadora em aço inoxidável 316, modelo TDS 200, elétrica ou a vapor, que lava pela água aditivada com detergentes, seca e desinfeta por ar filtrado e aquecido, com temperatura programável de acordo com o tipo de material.

Química e Derivados: Fispal: Termodesinfetadora para diversos mercados.
Termodesinfetadora para diversos mercados.

Para Paulo Sérgio Giovacchini, gerente de produtos especiais da Sercon, essa linha de termodesinfetadoras deverá encontrar grande aplicação nos mercados hospitalar (instrumentos, mangueiras, máscaras etc.), farmacêutico (vidrarias, tubos de ensaio, béqueres) e alimentício, destinando-se ainda à desinfecção de copos e pratos de uso em restaurantes.

Gestão modelar para fluídos – O modelo operacional adotado pela DuPont para compatibilizar a oferta dos fluidos refrigerantes da linha Suva à demanda de pelo menos 200 empresas brasileiras que utilizam esses insumos foi um dos destaques da participação da empresa na Fispal, bem como de sua parceira Bandeirantes Refrigeração, que os utiliza para fabricar túneis de congelamento, câmaras frigoríficas, recolhedora de fluidos refrigerantes e recicladora desses compostos.

Química e Derivados: Fispal: Robô japonês da Fanuc se destaca por ser compacto e robusto.
Robô japonês da Fanuc se destaca por ser compacto e robusto.

Utilizados na fabricação de equipamentos de ar condicionado, refrigeração, chillers, bombas de calor, compressores, bebedouros, vending machines, entre outros, os fluidos refrigerantes são produzidos nos Estados Unidos em substituição aos CFCs e aos HCFC–22, tendo performance similar e, em muitos casos, superior à dos CFCs. A linha Suva, integrada por treze tipos de fluidos refrigerantes, é distribuída no Brasil pela unidade de fluorquímicos da DuPont, de Barra Mansa–RJ. Mas o que mais chama a atenção são os cuidados tomados desde a chegada dos lotes à planta, envolvendo minucioso gerenciamento, baseado em projeções de vendas antecipadas em até 30 meses. Essas projeções são estimadas e sustentadas por dados que consideram os volumes consumidos pelos clientes ao longo dos últimos períodos, levando em conta a manutenção de níveis de estoque para permitir produções ininterruptas.

“A companhia desenvolveu em Barra Mansa um modelo operacional que interligou as áreas comercial, de importação, qualidade e processamento de dados – processo certificado com a ISO 9001/2000 –, passando a monitorar, para muitos clientes, a programação de abastecimento dos fluidos refrigerantes Suva, comunicando-os com antecedência o dia e a hora de entrega dos produtos, além de fornecer outras informações fiscais, tributárias e comerciais”, afirmou Ricardo Luiz G.Santos, gerente de suprimentos da DuPont Fluorquímicos e responsável pela unidade de Barra Mansa.

Química e Derivados: Fispal: Gomes oferece linha com 19 modelos de robôs.
Gomes oferece linha com 19 modelos de robôs

Dessa forma, a precisão do processo é total e a chance de desabastecimento torna-se nula, realizando-se análises de qualidade com o auxílio de equipamento de última geração, capaz de identificar uma parte por milhão de eventuais impurezas presentes numa simples amostra de produto. “Procedimento idêntico também pode ser feito na base de operação do cliente, se houver registro de alterações decorrentes de processos, entre outros fatores, utilizando-se um microlaboratório portátil, montado exclusivamente para essa finalidade, e que talvez seja o único no gênero no País”, considerou Santos.

De acordo com Santos, o laboratório de Barra Mansa executa em média 300 análises por mês, envolvendo todos os tipos de fluidos refrigerantes produzidos e comercializados pela DuPont, estando também apto para produzir estudos de reciclagem. “Três anos atrás, o grau de sofisticação de nosso laboratório só era encontrado nos Estados Unidos, reunindo condições para desenvolver estudos de formulação de novos produtos aerossóis, segundo condições apresentadas pelos

fabricantes, e proporcionando a interação entre o produto do cliente e o agente expansor indicado”, afirmou ele. Para dar base à produção de aerossóis, a unidade de Barra Mansa desenvolveu a linha de propelentes da família Dymel, cuja descoberta é associada aos esforços locais da empresa no sentido de encontrar solução para substituir o CFC.

Química e Derivados: Fispal: Rotuladora Autocol opera em alta velocidade.
Rotuladora Autocol opera em alta velocidade.

Até dezembro, segundo a expectativa da empresa que completou neste ano dois séculos de existência, a unidade brasileira de Barra Mansa deverá contar com a certificação ISO 14001. “Empreendemos um up-grade na norma ISO 9002 para a ISO 9001/2000, para interligá-la à ISO 14001, integrando uma norma de qualidade a uma norma ambiental, o que certamente deverá encurtar o caminho da certificação”, considerou o diretor Ricardo Santos.

Paletização via robôs – Entre os vários sistemas para paletização de caixas apresentados na Fispal, um robô produzido no Japão pela Fanuc, líder mundial em robótica, mobilizou a atenção do público por aliar duas qualidades: robustez e compactação. Com raio de atuação correspondendo a 1,9 m, o pequeno robô, conforme demonstrado na feira, paletiza até 40 quilos de carga na flange, promovendo 50 pegadas por minuto.

Segundo André Luiz Gomes, engenheiro de aplicações da Fanuc, a linha da empresa se complementa com dezenove modelos de robôs, apresentando capacidade para paletizar cargas de 3 kg a 600 kg.

Envolvendo a exposição de várias máquinas automáticas para fechamento de caixas, a participação da 3M na feira se destacou pelas inovações promovidas nos sistemas de identificação e rotulagem, aprimorados com o desenvolvimento de novas fitas adesivas em BOPP, que possibilitam a impressão dos códigos de barras dos produtos acondicionados em caixas, permitindo leituras confiáveis pelos scanners.

Uma solução completa, monitorada por software, de fechamento e identificação de rótulos, envolvendo fechador de caixas, aplicador de rótulo, impressora por termo-transferência, além de sistemas de fechamento de abas e de colocação de fitas adesivas, também chamou a atenção do público pelo grau de automação, apresentando a possibilidade de alterar as informações a serem impressas no rótulo, sem interromper a operação da máquina, ou seja, possibilitando o fechamento e identificação de caixas contendo diferentes produtos.

A Krones também teve participação destacada na Fispal, ao apresentar os últimos avanços empreendidos em rotuladoras, embaladoras e sopradoras. Exposta na feira, a máquina rotuladora auto-adesiva Autocol, desenvolvida para todos os formatos, com várias opções de velocidade e alta precisão para a aplicação de rótulos. “ O sistema foi desenvolvido para aplicações em vários mercados, como químico, farmacêutico, de bebidas, cosmético e alimentício”, afirmou o diretor comercial Rogério Baldauf.

Techno Plus premia fornecedores

Química e Derivados: Química e Derivados:
Garzi – painel externo ajusta operação.

Os organizadores da Techno Plus – Feira Internacional de Tecnologia para as Indústrias Farmacêutica, Química e Cosmética, em sua 4ª edição, realizada simultaneamene à Fispal Tecnologia, em parceria com o Sindusfarma – Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo, premiaram durante os eventos vários fabricantes por terem atingido patamar de excelência no fornecimento e desenvolvimento de máquinas e equipamentos direcionados às indústrias farmacêuticas.

Entre os parâmetros utilizados nas avaliações dos especialistas destacaram-se, além da capacitação no atendimento às especificações dos projetos industriais, o cumprimento dos prazos, o grau de confiança nos fornecedores e o alcance das expectativas relacionadas com o desempenho dos equipamentos.

Química e Derivados: Fispal: Encartuchadeira Cartopac aceita programas para embalagens diversas.
Encartuchadeira Cartopac aceita programas para embalagens diversas.

Uma das premiadas foi a enchedora de frascos FD120, fabricada pela Comas. A empresa italiana, há trinta anos produzindo máquinas automáticas de enchimento e tampamento de produtos líquidos para os setores farmacêutico e cosmético, expôs pela primeira vez no País o equipamento, certificado com

IS0 9001, GMP, FDA, classe 100, e que tem capacidade para envasar frascos plásticos ou de vidro, em volumes desde 5 ml até um litro, ao ritmo de produção de 6 mil frascos/hora. O diretor da Comas, Amedeo Garzi, atribui vários méritos à escolha da enchedora: “O preço é competitivo, o operador posiciona-se na parte externa, a programação é feita para rejeitar e descartar frascos com defeitos, e a dosagem é controlada eletronicamente em painel externo, podendo sofrer alterações sem que seja preciso interromper o funcionamento da máquina”, enumerou.

Química e Derivados: Fispal: Enchedora italiana para frascos farmacêuticos.
Enchedora italiana para frascos farmacêuticos.

Na categoria enchedora de cremes, pastas e pomadas, o equipamento que se consagrou na Fispal foi a enchedora TFS 30. Com capacidade de enchimento de 200 tubos ou bisnagas por minuto, o equipamento também leva o selo de fabricação Fabrima, a empresa que mais premiações conquistou neste ano, com outros dois equipamentos: a emblistadora modelo UPS 300 L e a encartuchadeira automática horizontal Cartopac.

O setor farmacêutico também se posicionou em relação ao melhor secador de leito fluidizado. Fabricado pela Vector Corporation, desde 1995 representada pela AMI, o equipamento se destacou na secagem de grânulos, envolvendo desde medicamentos até sabões em pó, mas com grande utilização também na granulação de comprimidos.

Química e Derivados: Fispal: Rudloff - secador com melhor pós-venda.
Rudloff – secador com melhor pós-venda.

Para Dieter Rudloff, diretor da AMI, além da qualidade do equipamento, a confiança dos usuários em relação à assistência técnica, a assessoria para instalação, os serviços pós-venda e a participação de especialistas no desenvolvimento de novos processos foram outros pontos favoráveis à premiação.

A AMI apresentou também um micronizador Fine Grud, lançado pela Quadro na última feira Interphex, em Nova Iorque, EUA, em abril, podendo produzir partículas em dimensões de até 150 micra. Esse equipamento, de acordo com especificações técnicas, promove baixa geração de finos e tem baixo consumo de energia, podendo substituir moinhos do tipo martelo, pulverizadores e moinhos de facas.

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.