Alimentos e Bebidas

FISA 2018 – Ingredientes somam benefícios sem estourar os orçamentos

Maroni J. Silva
26 de setembro de 2018
    -(reset)+

    Pão de queijo com colágeno, hambúrguer com proteína de soja e açúcar mascavo líquido figuraram entre os atrativos alimentares apresentados na 22ª edição do FiSA (Food ingredients South America), ocorrida entre 21 e 23 de agosto, em São Paulo. Em tempos de crise, muitos expositores preocupados em disponibilizar ao mercado ingredientes e refeições funcionais prontas tiveram que inovar ainda mais para conciliar seus lucros com a emergência de hábitos de consumo inspirados em sanidade, praticidade e bom gosto. Buscou-se nesse caso ajustar os custos da diversificação de portfólio com a liquidez do capital de giro dos clientes e o bolso dos consumidores finais.

    “A gente é capaz de trabalhar tanto em nichos de mercado que demandam o leite de amêndoa – um produto vegano, com custo e valor agregado maiores – quanto em soluções bem equilibradas em custo-benefício”, afirmou Thelma Bayoud, líder de marketing da ADM Nutrition. A estratégia de comunicação da empresa na feira orientou-se, segundo ela, em três das principais megatendências: “conveniência, indulgência inteligente e soluções sustentáveis. Entendemos que isso resume aquilo que o mercado requer, tanto hoje quanto para o futuro”, justificou. Com base nesses fundamentos, a companhia construiu em seu estande o que ela denominou de “três estações de experiências para os clientes”, visando à degustação de produtos como o já referido leite de amêndoa, iogurte com 30% menos de açúcar e barras salgadas, com proteína à base de fibras, entre outros.

    A lista contemplou alguns dos produtos que utilizam como insumo parte de seus mais de 75 ingredientes naturais, muitos produzidos em sua recém-inaugurada fábrica de proteínas de soja, localizada em Campo Grande-MS, fornecidos a clientes de segmentos como carnes processadas, laticínios, panificação e bebidas. A sinergia entre crise, inovação e novas oportunidades motivou a alemã Brenntag, com 30 anos de experiência na distribuição de produtos químicos no Brasil, a estrear no segmento de foods, em 2016, por meio do suprimento de matérias-primas para alimentos industrializados. Alguns dos itens de seu portfólio, como gordura vegetal, fosfatos e pó de cacau, foram testados em seu estande, onde a companhia disponibilizou bolos e cookies para degustação, com a marca de parceiros com produção local, como a Cargill, por exemplo.

    A decisão de migrar parcialmente para ingredientes alimentares resultou da prospecção de novos negócios e do próprio know-how de relacionamento e operação em cadeia desenvolvidos pela companhia, em termos globais, como informou o diretor comercial Christiano Marcel da Costa. “Esse mercado teve queda, mas também cresceu, pois ninguém pode deixar de comer. Talvez algumas marcas mais conhecidas tenham sido substituídas por outras, como as de bolachas, por exemplo, mas os produtos alternativos também atendem as necessidades básicas dos consumidores. A empresa vem se concentrando no atendimento de fabricantes de médio e pequeno portes, responsáveis pela estratificação do segmento de panificação”, afirmou Costa.

    Os gargalos de mercado acirram a disputa entre concorrentes, segundo alguns expositores, mas ao mesmo tempo são saudáveis para as operações, pois propiciam o desenvolvimento de abordagens inovadoras. Ao concordar com esse raciocínio, Gustavo Assis, diretor de operações da MasterSense, declarou que “a pizza reduziu de tamanho, mas todo mundo quer garantir seu pedaço”, inclusive sua empresa. Por exemplo, o clima no estande foi marcado pelo compartilhamento com parceiros das comemorações de seus 13 anos de mercado, reforçando sua marca e colhendo informações para novos projetos. “Estamos aproveitando o histórico da feira para mostrar que temos inovação em nosso DNA. Um dos nossos objetivos é provar aos clientes que é possível incluir em seus produtos ingredientes funcionais ou nutricionais e entregar uma experiência sensorial incrível para o consumidor final”, afirmou Assis.

    Ancorada nessa narrativa, a empresa se apresentou, trazendo mais de 20 conceitos de ingredientes e aromas. Os produtos seguem tendências globais como eficiência e sustentabilidade e são voltados para aplicações em alimentos contendo proteínas lácteas e vegetais, além de adoçantes naturais com moduladores de sabor. Entre esses Gustavo destacou, por exemplo, uma versão diferenciada de adoçante stévia, baseada em uma variedade de folhas, com sabor mais arrojado. Citou também o pão de queijo com colágeno que, graças ao seu aporte proteico, traz benefícios estéticos e reforça sua funcionalidade como alimento de grande apreço entre os consumidores em geral.

    A preocupação com o corpo se destacou, igualmente, em ingredientes da MCassab, através de um iogurte com vitaminas antioxidantes e colágeno. Ao se referir ao mix desenvolvido, produzido e distribuído pela companhia, o gerente de negócios Marco Resende disse que o produto simboliza também o esforço contínuo de renovação da unidade de nutrição, que está completando 30 anos. A empresa é voltada para melhorias nutricionais adicionadas a alimentos e bebidas com teores reduzidos de açúcar e sódio. Há muito desafio e espaço para inovação ainda nesse campo. As exigências de consumo estão evoluindo qualitativamente, à medida que cresce a expectativa de vida dos consumidores, segundo ele. Porém, a diversificação da oferta de produtos alimentícios mais saudáveis nem sempre acompanha esse ritmo, até por restrições legais. Esse gap só poderá ser reduzido com aceleração da pesquisa e desenvolvimento sobre o potencial de sanidade de substâncias químicas já aprovadas e que podem ser inseridas em ingredientes alimentares, avalia.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *