Como obter o rendimento máximo dos filtros de manga

Filtros de manga: Especialista explica como fazer a seleção e o dimensionamento correto, e demonstra por meio de casos reais o custo dos erros.

A cada dia que passa mais empresas se encontram na condição de controlar a emissão de particulados para a atmosfera, seja pelas exigências governamentais, seja pelo reaproveitamento da matéria-prima, ou mesmo, pela política de respeito ao meio ambiente.

Nesse contexto, o mercado de sistemas de controle ambiental tem crescido cerca de 20% ao ano, encorajando o surgimento de novos fabricantes de filtros e o aprofundamento sobre o tema por parte das equipes de manutenção de cada indústria.

A otimização do rendimento do equipamento inicia com o conhecimento de suas limitações, o seu correto dimensionamento (área filtrante), a mais econômica e eficiente especificação das mangas e a correta operação do filtro.

Limitações dos equipamentos – De modo geral, a separação de partículas sólidas (como pigmentos metálicos, adubos, fuligem, minerais, fumos metálicos, pós de cimento, cereais, etc.) do ar ou de um gás é realizada por um sistema composto por coifa, filtro, ventilador, chaminé conectados por tubulações.

Supondo que um filtro receba 100 g/m3 de pó e deixe passar 0,050 g/m3 para a chaminé, consideramos que sua eficiência é de 99,95%, ou seja, é a diferença percentual entre as concentrações de pó na entrada e na saída do filtro.

Química e Derivados: Filtro: filtro01.

Tipicamente, os órgãos ambientais públicos determinam que um filtro não deve emitir mais que 0,05 g/m3 ou 50 mg/m3 independentemente da concentração inicial de pó.

Salvo filtros localizados em regiões pouco habitadas (150 mg/m3) ou filtros para pós tóxicos (10 mg/m3 ou menos).

Em se tratando de filtração em condições secas, os principais tipos de filtros são: ciclone, filtro de mangas e precipitador eletrostático. Na Tab.1, são apresentadas algumas de suas limitações.

Observa-se que, quando a concentração de pó antes do filtro é superior a 1 kg/m3 e é necessária uma emissão reduzida (digamos, menor que 150 mg/m3), é usado um ciclone antes do filtro eletrostático ou do filtro de mangas.

Química e Derivados: Filtro: filtro02.Dimensionamento do filtro – A versatilidade dos filtros de mangas tem proporcionado um uso cada vez mais disseminado desse tipo de coletor de pó.

As mangas filtrantes possuem esse nome, pois possuem, em geral, um formato cilíndrico sendo dispostas em paralelo.

Supondo que o filtro receba 60.000 m3/h de gás sujo e possua 1.000 m2 de área filtrante total, então a sua taxa de filtração é de 1 m3/(m2.min), ou seja, é a razão da vazão pela área filtrante total das mangas.

Este é o parâmetro que define o dimensionamento dos filtros de mangas. Ele também é chamado de relação ar-pano ou velocidade de filtração.

Basicamente, existem três tipos de filtros de mangas definidos conforme o seu sistema de autolimpeza (vide Tab.2). Esta limpeza deve ser periódica para evitar que o elemento filtrante entupa totalmente.

O filtro com limpeza de jato pulsante é o equipamento que demanda a menor área filtrante, sendo portanto, o mais compacto.

Sendo menor, consome menos material e, por isso, é o coletor de pó mais econômico em comparação com os demais sistemas para um mesmo volume filtrado.

Contudo, o valor ideal da relação ar-pano não é definido apenas em função do montante de investimento, mas também em função dos parâmetros de filtração, como por exemplo: filtro (emissão requerida, velocidade ascendente, perda de carga); gás (temperatura, composição química e vazão); pó (concentração, densidade aparente, distribuição granulométrica, velocidade terminal, abrasividade, aglomerabilidade) e, como foi visto acima, pelo tipo de sistema de limpeza do filtro.

Por isso, na prática, o valor praticado de relação ar-pano normalmente é menor do que o citado na tabela acima.

Especificação das mangas – Basicamente, o filtro pode ser utilizado para despoeiramento geral (transporte de material, ensacadeiras, alívio de silos, secadores, etc.) ou como parte integrante do processo (moinhos, reatores, fornos, spray-dryer, etc.), onde a sua parada implica a interrupção do processo fabril.

Considerando um filtro corretamente selecionado, dimensionado e operado, a sua otimização pode ser feita pela correta especificação das mangas filtrantes, ou seja, maximização de sua vida útil.

Contudo, para a avaliação correta do tempo de troca de uma manga é necessário conhecer e diferenciar os conceitos de Vida útil e Durabilidade do elemento filtrante (vide Fig.1).

Química e Derivados: Filtro: filtro03.

VIDA ÚTIL é o tempo de uso econômico da manga, durante o qual são atendidas as exigências técnicas de emissão e eficiência de limpeza.”

Corresponde ao tempo econômico, uma vez que, após este tempo, a baixa captação (resultante da alta perda de carga devido ao entupimento da manga) e a alta emissão (ou desperdício de matéria-prima por emissão na chaminé no caso dos filtros de processo) resultam em um custo mais elevado que o custo da troca das mangas.

DURABILIDADE é o tempo de uso total de uma manga até a ocorrência de algum rasgo, furo ou entupimento completo”, independente, portanto, de sua conformidade com as exigências técnicas. Usualmente a durabilidade de uma manga é maior que a sua vida útil.

Na fig.1, como a manga de baixa qualidade apresenta alta emissão já aos 8 meses e a manga corretamente especificada, aos 24 meses, a vida útil da manga errada é cerca de 3 vezes menor. Após a sua vida útil, esta manga inicia um processo de entupimento, acompanhado pela crescente emissão, até a ocorrência de algum rasgo em torno dos 3 anos de uso.

Não obstante a durabilidade seja de 3 anos para a manga errada e de 5 anos para a manga correta, o tempo de troca deve ser estabelecido conforme a VIDA ÚTIL para que o custo das mangas seja minimizado.

Dessa forma, uma manga filtrante falha quando se verifica uma excessiva emissão ou entupimento. A emissão deve ser verificada semanalmente através de um opacímetro ou detector de particulado, enquanto o entupimento deve ser verificado diariamente pela medição de Perda de Carga do filtro, com manômetro diferencial tipo coluna d’água ou digital.

A propósito, Perda de Carga é a diferença de pressão entre as câmaras suja e limpa do filtro de mangas.

Em geral, a faixa de perda de carga do filtro em operação normal está em torno de ±10% da perda de carga de projeto. Para exemplificar, se a perda de carga de projeto for 150 mmCA (milímetros de coluna d’água) o filtro deve ser regulado para operar entre 135 à 165 mmCA. Já a emissão máxima do filtro normalmente é definida pelo órgão local de controle do meio-ambiente, sendo de 50 mg/m3 em geral.

Parâmetros de qualidade – Serão comentados os doze quesitos técnicos de mangas feitas com feltro agulhado, que é o material seguramente mais utilizado, pois tolera as maiores taxas de filtração ou relações ar-pano. Será escolhido o filtro de jato pulsante como exemplo de aplicação, pois é o equipamento mais utilizado (mais de 70% dos equipamentos existentes em nosso país).

1. Fibra – Recobre a tela de sustentação por cima e por baixo. Como o material mais econômico é o poliéster, ele é o mais utilizado para a maioria dos processos filtrantes.

A diferença de preço entre os diversos materiais atualmente disponíveis (vide Fig.2) é função das diferenças de temperatura máxima de trabalho, resistência química, resistência à abrasão de cada material, sem falar na disponibilidade ou não de fabricante nacional.

Química e Derivados: Filtro: filtro04.

Como se observa na Tab.3, a seleção do material é basicamente função da temperatura e da composição química dos gases a serem filtrados; não obstante, as propriedades físico-químicas do pó também devam ser consideradas.

Os materiais apresentados sobre fundo branco mantêm a chama quando temporariamente expostos a ela, enquanto que, os materiais relacionados sobre fundo vermelho claro auto-extinguem a chama após a exposição. Dada a especificidade do tema, resta ao usuário adquirir as mangas de um fabricante reconhecidamente confiável que alie ao preparo técnico a experiência em filtração.

Química e Derivados: Filtro: filtro05.

Esse é um dos pontos mais polêmicos. Responsável por até 60% do custo do feltro, confere ao meio filtrante a resistência mecânica ao jato pulsante e a capacidade de retenção de pó. Telas constituídas com fios fiados podem ser consideradas materiais de “segunda classe”, como pode ser comprovado pelos testes de resistência mecânica das amostras avaliadas (vide Tab.5). Situações onde existam elevado esforço mecânico juntamente com pós muitos finos exigem uma tela com alta eficiência.

Química e Derivados: Filtro: .

Qualidade do fio da Tela – Multifilamento é considerado o fio de maior resistência mecânica do mercado, tanto que é o fio utilizado pela indústria de pneumáticos como “alma” dos pneus radiais; sua resistência mecânica e baixo alongamento de ruptura fazem com que a manga tenha uma estabilidade dimensional excelente, tanto no momento da limpeza, como no momento do trabalho de filtragem.

Gramatura da Tela – Considerar a qualidade que compõe o fio da tela é muito importante, no entanto, o peso em g/m2 da tela é umitem diretamente ligado ao custo do material. Telas leves resultam conseqüentemente em materiais mais baratos e em resistências mecânicas mais baixas. Uma gramatura de tela equivalente a 30% da gramatura do feltro pode ser considerada adequada.

Química e Derivados: Filtro: ..

Material da Tela – Em geral, é recomendável que seja o mesmo da fibra; contudo, podem existir aplicações muito específicas onde a mesclagem de materiais diferentes resulta numa manga com maior vida útil que a de cada material isoladamente.

Exemplo: mesclagem de poliéster e acrílico em filtração de finos de carvão ou coque reúne a resistência à abrasão do poliéster com a resistência à hidrólise do acrílico.

3. Gramatura do feltro – O uso de baixas gramaturas resulta em menor vida útil da manga, pois a resistência à abrasão é menor e a permeabilidade ao ar é maior. Problema dos mais graves é a alta emissão de particulados que os feltros de baixo peso (g/m2) apresentam.

Por isso, é recomendável que as mangas utilizadas para jato pulsante, por exemplo, tenham 550 g/m2 para oferecer uma boa resistência à abrasão e retenção de particulado.

4. Permeabilidade ao ar – Elevada permeabilidade ao ar na manga não é recomendável, pois há uma tendência de penetração excessiva de pó, resultando em maior emissão e em entupimento precoce, verificado pela elevação da perda de carga para valores acima de 180 mmCA.

Além disso, uma permeabilidade muito alta, resulta em menor perda de carga no sistema, aumentando assim, a velocidade das partículas e o atrito entre o pó e a manga. Com isso, a vida útil do elemento filtrante será consideravelmente menor.

Na grande maioria dos casos, a permeabilidade máxima é de 150 L/(min.dm2) a 20mmCA, para filtro com limpeza por jato pulsante.

5. Acessórios – São acessórios a cordoalha de cobre (ou aço) para descarregamento da eletricidade estática e os sistemas de fixação das mangas, como: anel de feltro, anel de vedação, anel arame ou anel aço-mola.

Contudo, o mais crítico é o anel aço-mola, cujo projeto depende intrinsecamente do diâmetro do furo do espelho, onde a manga é encaixada, e de sua variação.

Recomenda-se que esse furo tenha uma variação máxima de ± 0,3 mm. Para uma manga com anel aço-mola garantir excelente vedação, o colarinho da manga não deve girar facilmente quando instalado em seu furo do espelho correspondente.

Química e Derivados: Filtro: filtro06.6. Espessura – Se a espessura do feltro for reduzida demais, a manga pode sofrer rasgos precoces devido a abrasão do pó. Isso é conseqüência direta do menor peso (g/m2) do feltro.

7. Encolhimento na temperatura de trabalho – Se a manga não for termofixada para sua temperatura de trabalho, ela irá encolher mais que 1% (valor máximo tolerável).

Ao encolher durante o trabalho de filtração, a manga ficará justa demais à gaiola, comprometendo sua limpeza pelo não destacamento do pó pela ação do jato de ar comprimido.

A perda de carga aumentará progressivamente, independentemente dos ajustes na pressão ou na freqüência de limpeza. Desta forma, ocorrerá a saturação do elemento filtrante de forma rápida e irreversível.

Química e Derivados: Filtro: filtro07.8. Tração de ruptura – O componente responsável pela resistência à tração da manga, assim como pelo alongamento, é a tela de sustentação do feltro que compõe a manga.

A tração de ruptura diminui no decorrer do uso da manga devido à fadiga mecânica proporcionada pelo jato de ar comprimido.

Portanto, quanto maior for o seu valor inicial, maior será o tempo de uso da manga antes dela atingir a resistência mínima. Verifica-se que telas de sustentação constituídas com fios multifilamento possuem uma taxa de fadiga menor que as constituídas com fios de fibra cortada.

9. Alongamento de ruptura – Um excessivo alongamento de ruptura resulta em esgarçamento da manga no decorrer dos meses de uso.

Dessa forma, assim como no caso do encolhimento, a alteração dimensional da manga comprometerá sua limpeza, podendo inclusive, gerar rasgos pela fricção excessiva da manga folgada com a sua gaiola. Um valor de alongamento até 35% é satisfatório para operação normal no filtro de mangas.

Química e Derivados: Filtro: filtro08.10. Dimensões – Como já foi visto, o correto dimensionamento da manga é fundamental para sua eficiência de filtração e de limpeza.

Contudo, dado o grande número de padrões dimensionais dos fabricantes de equipamentos, a confusão entre as medidas nominais x reais, o sistema de unidades métrico x inglês, reserva a possibilidade de acerto somente aos fabricantes de mangas com grande tempo de atuação no mercado.

11. Tratamentos – São opções para a especificação básica da manga. Os tratamentos químicos são responsáveis pelo aumento da durabilidade da manga frente à abrasão (antiabrasivo) e/ou facilidade de limpeza em condições úmidas (tratamento antiaderente).

Este último pode proporcionar uma diminuição da intensidade de limpeza (freqüência de pulsos). Além desses, também existem os tratamentos retardantes de chama e de hidrólise (ataque químico pela água). Todos objetivam a redução do Custo de Operação do Filtro.

Química e Derivados: Filtro: filtro09.Os tratamentos físicos correspondem aos tratamentos antiestáticos, seja por mesclagem de fibras de polímero condutor (Epitropic) ou de fibras de aço-inox (AES) às fibras da manga.

Eles são usados nos casos onde a cordoalha de cobre (ou aço) não é eficaz para descarregar para o filtro as cargas elétricas transportadas pelo pó.

Se estas cargas não forem descarregadas, podem ocorrer faíscas entre as mangas que resultam em furos ou em incêndio/explosão do filtro, sem falar na dificuldade de limpeza resultante da atração eletrostática entre o pó e a manga.

12. Acabamentos – É o acabamento que o feltro recebe para tornar a superfície da manga mais lisa. Proporciona ao filtro baixa perda de carga, máxima vazão de gás e, portanto, máxima captação/recuperação de particulado.

É fundamental que ele esteja localizado, pelo menos, na face que receberá o pó; caso contrário, a manga pode entupir em menos de 3 meses. Dado o grande desconhecimento deste item, ele será um pouco mais detalhado.

Acabamento chamuscado + calandrado: os pêlos característicos do feltro agulhado são parcialmente queimados para impedir aglomeração de pó sobre eles e reduzir o desgaste por abrasão. A superfície é alisada através da calandragem à temperatura e pressão moderadas (Fig.3).

Acabamento plastificado: a superfície da manga é tornada mais lisa ainda através da fusão das fibras superficiais sob altas temperatura e pressão em uma calandra (Fig.4).

Essa superfície auxilia na formação de uma pré-capa de pó suficiente para garantir alto poder de filtração sem penetração excessiva no interior do feltro, além de boa recuperação da permeabilidade da manga após o jato de limpeza.

Acabamento membrana: a superfície da manga é tornada lisa através da deposição de uma fina camada microporosa de Politetrafluoretileno (PTFE) expandido.

As mangas com membranas foram projetadas para garantir emissões na ordem de 5mg/Nm3; contudo, o teflon (TF) é um polímero tipicamente frágil à abrasão, sendo cerca de 2,5 vezes menos resistente à abrasão que o Poliéster (PE), como é possível verificar na Fig.7.

Por esta razão, as mangas com membranas são indicadas para relações ar-pano inferiores a 1,0 m3/(m2.min) (vide Tab.4).

Contudo, em geral, os filtros são projetados com relações ar-pano superiores a 1,5 m3/(m2.min) para minimizar a área filtrante (tamanho) e conseqüentemente o custo do filtro.

Se uma manga com membrana for instalada num filtro com elevada relação ar-pano, é verificada uma considerável elevação da perda de carga média durante os primeiros 3 meses, após o qual, ela se estabiliza (Fig.8).

Isso acontece, porque, nesses primeiros meses de operação, a membrana ainda existe, sendo posteriormente arrancada do feltro pela elevada velocidade do pó abrasivo (Fig.6).

Em muitos casos, este fluxo de pó chega até a desbastar o próprio feltro chamuscado, de modo que uma membrana com cerca de 25m de espessura (0,025 mm) e ainda feita de um material frágil dura muito pouco.

Atualmente, a manga com tecnologia MPS, ou “Micro Poro Size”, é uma alternativa técnica e econômica às mangas com membrana nas aplicações onde é possível utilizá-la, ou seja, para emissão menor que 5 mg/Nm3 e relação ar-pano menor que 0,8 m3/(m2.min).

Conhecidos os parâmetros mínimos de qualidade de uma manga filtrante, será possível interpretar os resultados da investigação sobre a especificação realmente praticada por fabricantes de mangas utilizadas em filtros para cimenteiras do Nordeste.

Este exemplo pode ser estendido a qualquer filtro de processo: pigmentos, cereais, óxido de zinco, recuperação de chumbo, catalisadores, etc.

Investigação Laboratorial – Mangas típicas de um filtro para cimento

É sabido que mangas de diferentes fabricantes apresentam características diferentes. Contudo, até que ponto estas diferenças acarretam problemas futuros ao desempenho da filtração ?

Foi verificado que a baixa durabilidade de mangas para filtros jato pulsante em algumas cimenteiras se deve a importantes diferenças nos materiais fornecidos.

Para tanto, foram comparadas três mangas fornecidas para um cliente quanto aos parâmetros de qualidade, os quais são apresentados na Tab.5.

Considera-se a especificação do fabricante “A” como referência de boa especificação de manga para este processo de filtração.

Conclusões:

1. Emissão num filtro de mangas de cimenteira (filtro de processo) é desperdício de matéria-prima.
A baixa resistência à tração, assim como o elevado alongamento da manga do fabricante “C”, se deve ao uso de tela de sustentação com fios de fibra cortada e com baixa gramatura de tela. A baixa resistência à tração da manga do Fabricante “B” se deve ao uso de tela com baixa população de fios e reduzido Título (gramatura linear do fio, g/km). Em ambos os casos, a manga será mais barata, porém a emissão de particulado será muito grande e a possibilidade de rasgos precoces é alta.

2. Um filtro de mangas falha quando qualquer uma de suas mangas falha.
A gramatura abaixo de 550g /m2, verificada nas amostras “B” e “C”, resulta num elevado custo de manutenção devido às paradas do filtro para troca de mangas rasgadas ou com furos devido à abrasão.

Isso também é prejudicial, pois o pó que passou pelas mangas fuadas é distribuído para todas as outras mangas boas da câmara via sistema de limpeza, resultando em entupimento das mangas por contaminação com pó na face interna. Mais uma vez, o barato sai caro.

3. O alto investimento feito no equipamento filtrante bem dimensionado é desperdiçado se as mangas são mal especificadas.
Como conseqüência da baixa gramatura do feltro e da inadequada tela de sustentação, a permeabilidade de ambas as amostras “B” e “C” resultou acima do limite de permeabilidade especificado no projeto do filtro, ou seja, maior que 150 L/(min.dm2, a 20 mmCA).

Desta forma, a velocidade de filtração acima do estabelecido resultará em entupimento precoce destas mangas por penetração excessiva de pó no feltro. Outra vez, isso significa menor vida útil.

Quando a falha de filtração é constatada (entupimento ou passagem de pó), é então realizada a troca do jogo de mangas. Isso acarreta um custo, cujo montante pode ser agrupado em três categorias: custo das mangas trocadas e das horas-homem envolvidas; custo do desperdício de matéria-prima emitida (no caso de filtros de processo de vernizes, cimento, alimentos, etc.), e custo da parada do processo até resolver o “problema” com o filtro de mangas.

Com base na análise da Tab.5, foi montado um exemplo de cálculo para minimização do custo das mangas por meio da correta especificação técnica. Esse cálculo pode ser considerado como exemplo para outros sistemas filtrantes.

Exemplo de cálculo 1: Redução do custo das mangas

Foram comparados os custos anuais de mangas de poliéster, com 450 g/m2 e com 550 g/m2, visto que, as mangas dos Fabricantes “B” e “C” tinham aproximadamente 450g/m2, não obstante, tenham sido compradas pelo cliente como se tivessem 550g/m2!

A escolha de um filtro típico de 200 mangas foi arbitrada para exemplificar o cálculo; contudo, a metodologia apresentada pode ser facilmente usada para um filtro de qualquer porte ou quaisquer dados iniciais.

Custo do cimento
Custo do saco de cimento (50Kg): R$ 6,00

Dados do filtro tipo “Pulse Jet”
Número de mangas: 200
Área filtrante: 200 m2
Relação ar-pano: 1,5 m3/(m2.min)

Dados da manutenção
Custo homem/dia: R$ 16,00
Tempo de troca das mangas: 2 dias
Número de operários: 4
Dias úteis por ano: 308 dias

O custo é composto pelo custo da emissão de cimento e pelo custo das trocas de mangas, como segue:

Custo da emissão de cimento
A vazão total de ar que entra no filtro é o produto da área filtrante pela relação ar-pano:

Vazão total do Filtro: 18.000 Nm3/h
A emissão mínima de uma manga com 450 g/m2 é 70 mg/Nm3, ao passo que, a emissão máxima de uma manga com 550 g/m2 é 30 mg/Nm3. Considerando 308 dias úteis, calcula-se a emissão anual a partir da emissão horária:

Emissão horária = 18000 x 70.10-6 = 1,26 kg/h

Emissão anual= 1,26 x 24 x 308 = 9314 kg/ano

Considerando que cada saco de 50 kg pode ser vendido por 6 reais, o custo anual desta emissão é:

9314 kg x R$ 6,00/50 kg = R$ 1.117,68

Química e Derivados: Filtro: filtro10.Custo das trocas de mangas
Para instalar as 200 mangas são utilizados 4 operários em 2 dias a um custo de 16 reais o homem/dia; portanto, R$ 128,00.

O custo unitário da manga com 450 g/m2 é R$ 6,00, enquanto que, o custo unitário da manga com 550 g/m2 é R$ 8,00. Logo o custo de uma troca do jogo é 200 vezes estes valores respectivamente.

A vida útil da manga com 450 g/m2 situa-se entre 6 e 8 meses, ao passo que a da manga com 550g/m2 situa-se entre 18 e 24 meses. Considerando que as mangas alcancem suas vidas úteis máximas, o número de trocas da manga com gramatura menor em 2 anos será 3, ou equivalente a 1,5 trocas/ano. O mesmo pode ser considerado para manga com gramatura maior: 0,5 trocas/ano.

Dessa forma, o custo das trocas para manga com 450 g/m2 será:

Custo das trocas (450 g/m2)=
(6 x 200 + 128) x 1,5 = R$ 1.992,00

A Fig.1 no início deste artigo, representa bem a performance de mangas de 450 g/m2 (mal especificada) e 550g/m2 (bem especificada) citadas neste exemplo (Tab.6).

Conclusões:

O desconhecimento dos parâmetros de qualidade das manga por parte da maioria dos clientes tem possibilitado a compra e instalação de mangas de qualidade inferior em filtros para cimenteiras.

Como verificado, por exemplo, nas análises laboratoriais onde foram constatadas mangas com 450 g/m2.

O custo anual deste erro de especificação, ou tolerância ao recebimento de mangas não conforme, tem sido cerca de 30% maior que o custo das mangas mais recomendáveis.

Para um filtro com 200 m2 de área filtrante foi possível reduzir o custo anual das mangas de R$ 3.190,00 para R$ 2.207,00 através da correta especificação do elemento filtrante.

O custo anual das mangas será maior que 30% do custo ótimo, se o tempo de troca das mangas for baseado na durabilidade, ao invés de na vida útil das mangas.

Sendo o custo das mangas tipicamente menor que 10% do custo do equipamento, a escolha inadequada da manga resultará na ineficiência do equipamento, pois basta que uma manga falhe para o filtro inteiro falhar pouco tempo depois.

Ou seja, o investimento no equipamento será desperdiçado.

No exemplo a seguir é apresentada uma típica avaliação de custo-benefício no momento da escolha e compra do elemento filtrante, onde as condições químicas do sistema pó+gás diminuem significativamente a vida útil da opção de manga mais barata.

Química e Derivados: Filtro: filtro11.Seja um filtro com 100 mangas, para o qual podem ser adquiridas mangas em Poliéster a R$ 30,00 /unidade ou em Ryton a R$ 180,00/unidade.

Suponhamos que uma parada do processo produtivo para troca de mangas implique prejuízo de R$ 30.000,00 de produção cessante no período.

Novamente, quando o custo do filtro de mangas é avaliado “na ponta do lápis”, foi constatado que a manga com maior qualidade (e mais cara) acaba por resultar numa considerável economia.

Química e Derivados: Filtro: .O autor

O Eng.Químico Tito de Almeida Pacheco, graduado na UFRGS, especializou-se em filtração industrial seca. Integrou a equipe técnica de controle da poluição atmosférica da Secretaria do Meio Ambiente de Porto Alegre e atua como Eng. de Aplicação e Assistência Técnica da Renner Têxtil Ltda. desde 1997.

Tem ministrado diversos cursos sobre filtros de mangas e desenvolveu o primeiro simulador nacional de gases industriais para avaliação de projeto de filtros de mangas. Contatos: [email protected]

Leia Mais:

4 Comentários

  1. Este material é muito bom e reflete a realidade, fizemos a troca de mangas de poliéster por fibra de vidro e já estamos no 5º ano sem troca de mangas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.