QUÍMICA.com.br – O Portal da revista Química e Derivados


Equipamentos e Máquinas Industriais

Filtração – Eaton investe em separadores de petróleo e membranas

Gerson Trajano
15 de março de 2012
    -(reset)+

    Anticorrosão – A divisão Hidráulica também vai lançar no Brasil o plasma anticorrosão Eatonite, desenvolvido para prolongar a vida de hastes de pistão utilizadas no tensionamento dos risers de petróleo e gás para plataformas offshore. Dados da empresa afirmam que o Eatonite aumenta o desempenho mecânico das tradicionais barras SAE 4130 e que sua resistência à oxidação se iguala à da liga de níquel Inconel 625, que possui alta resistência para a oxidação em temperaturas até 1050°C.

    Salas elétricas – A Eaton passou a montar no Brasil os eletrocenters, unidades pré-fabricadas que concentram em um único espaço modular a distribuição e o controle de energia elétrica. “Além de fazer o gerenciamento completo de todo o sistema de energia elétrica de uma usina de álcool, uma refinaria de petróleo, uma mineradora ou uma estação de tratamento de esgoto e até um prédio comercial, o eletrocenter se torna mais econômico porque evita gastos de projetos, obras, seguros, empregados e pagamento de impostos”, diz Vladimir Queiroz, diretor de marketing da Eaton Electrical Power Distribution.

    O conceito de eletrocenters nasceu no final dos anos 50. Eram destinados a projetos de exploração de petróleo. No final dos anos 70, começaram a ser usados na indústria da mineração, graças à sua praticidade e transportabilidade. Já na década de 80, com a demanda na área de telecomunicações, os eletrocenters passaram a ser uma solução para as estações repetidoras das operadoras de telefonia fixa e móvel.

    “Fornecemos recentemente seis estações para a Petrobras instalar em suas unidades de refino e de distribuição no estado de São Paulo. As mineradoras brasileiras também nos procuram interessadas na nossa estação de controle de energia,” afirma Queiroz.

    Um eletrocenter é equipado com painéis de média e baixa tensão e distribuição, centro de controle de motores, carregadores e bancos de baterias, sistema de ar-condicionado e de detecção e proteção contra incêndios.

    Crescimento – O grupo Eaton cresceu 18% de janeiro a setembro de 2011 – ano do centenário da companhia – em comparação aos doze meses anteriores. É o melhor índice dos últimos anos, conforme uma contabilidade prévia feita no quarto trimestre de 2011.

    Em 2010 a multinacional faturou 13,7 bilhões de dólares. O escritório central da empresa nos Estados Unidos não revela números para a América Latina, mas avisa que a região é responsável por boa parte desse volume e que vai investir nela.

    “Estamos felizes, atingimos um fluxo de caixa muito forte no período, o que demonstra que o nosso negócio continua a ter um bom desempenho apesar das incertezas que afetam a economia mundial”, diz Alexander Cutler, presidente da organização.

    No Brasil, a Eaton passou de uma empresa que vendia apenas transmissões e válvulas para o setor automotivo para oferecer soluções de gerenciamento de energia, na área de hidráulica, e sistemas de filtração industrial. “Hoje nos tornamos um fabricante diversificado, que continua atendendo o setor automotivo, mas com um novo portfólio, pronto para atender as áreas de óleo, gás, química industrial e energia alternativa”, diz Francis Kusznir, gerente de comunicação da corporação na América do Sul.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *