Meio Ambiente (água, ar e solo)

Fiema mostra soluções locais para passivos – Bento Gonçalves

Fernando C. de Castro
5 de novembro de 2004
    -(reset)+

    Química e Derivados: - Fiema - Equipamentos italiano TPA tritura pneus e recupera arames. ©QD Foto - Fernando de Castro

    Equipamentos italiano TPA tritura pneus e recupera arames.

    Neste aspecto, Vânia lamentou a ausência do deputado federal Emerson Kapaz, responsável pela elaboração da Política Nacional de Resíduos Sólidos no Congresso e de um representante do Ministério das Cidades, a pasta do governo federal responsável pela centralização do debate de uma nova legislação global de saneamento básico, a qual deverá unificar a legislação para água, resíduos industriais, líquidos, sólidos e esgotos. Outro eixo de debate prejudicado foi o de resíduos hospitalares. Isso porque atualmente existe um conflito de interesses entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama).

    Sobre o tema da incineração, Vânia Schneider explicou que aos poucos a comunidade científica está conseguindo difundir a maneira correta para realização do processo. “Um incinerador pressupõe a existência de um queimador dos resíduos, outro de gases e um precipitador eletrostático para retirar os metais pesados, e posteriormente um lavador de gases usado na remoção das substâncias sulfurosas e nitrogenosas”, ensinou. De qualquer forma ela aponta a necessidade de controle preciso do processo porque a dioxina é destruída a 1.200 °C, mas pode se formar novamente entre 200 °C e 60 °C se o resfriamento não ocorrer rapidamente.

    Química e Derivados: - Fiema - Reciclagem de pneus foi tema recorrente na exposição. ©QD Foto - Fernando de Castro

    Reciclagem de pneus foi tema recorrente na exposição.

    Um recurso muito utilizado em incineradores modernos são sensores eletrônicos nas chaminés para detectar a presença de dioxinas e nitrosaminas na saída do queimador. O principal entrave para o desenvolvimento da incineração no Brasil ainda é o custo. Na Europa, os incineradores são construídos de tal forma a processar 2 mil toneladas por dia. Aqui, a opção ainda é por incineradores até 20 toneladas/dia, cuja operação se torna cara e pouco lucrativa.

    No entendimento da engenheira química da consultoria Green Lab, Graciema Formolo Pellini, a Fiema revelou a disposição das instituições de ensino e da iniciativa privada em promover as soluções mais adequadas para diminuir o passivo ambiental gerado na indústria de transformação. “A empresa precisa planejar, gerenciar e definir o potencial econômico ao reaproveitamento de seus resíduos, determinando qual a parcela inevitavelmente descartável”, opinou. Conforme Pellini, os técnicos da Green Lab atuam no mercado justamente no atendimento da demanda ambiental da indústria. Eles têm percebido o crescimento do nível de conscientização dos empresários sobre a importância de proteger o ambiente externo ao processo industrial.

    Isso gera reflexos inclusive na melhoria da qualidade das matérias-primas a partir da preocupação permanente em substituir substâncias deletérias como metais pesados e solventes aromáticos. “Estão pensando nas conseqüências de longo prazo e isso é um fato positivo”, assinalou Graciema.

    No Green Lab são realizadas 13 mil análises por mês. De acordo com Pellini, existem processos cuja análise de saída dos rejeitos é permanente como os que envolvem processos líquidos por batelada. Quando o lixo é sólido as análises são mais espaçadas, semanais, quinzenais ou até mesmo somente na ocorrência de mudança de processo. “A legislação ambiental moderna sempre irá responsabilizar a fonte geradora do rejeito”, finalizou. Alertou ainda que os laboratórios e consultorias também devem se atualizar, acompanhando a tecnologia, além de se credenciar junto ao Inmetro, proceder a calibração auditada dos aparelhos e adquirir a certificação ISO 17025, a qual define os parâmetros de qualidade dos laboratórios e de seus equipamentos.

    Química e Derivados: - Fiema - Piva ( esq) e Capoani - feira tem tudo para se consolidar. ©QD Foto - Fernando de Castro

    Piva ( esq) e Capoani – feira tem tudo para se consolidar.

    O vice-presidente do Simplavi (Sindicato da Indústria de Material Plástico da Região dos Vinhedos), Airton Capoani, é outro entusiasta da Fiema. Ele garantiu que o evento veio para ficar, pois nasceu da necessidade de um projeto voltado à defesa do ambiente natural e dentro do conceito de desenvolvimento sustentável direcionado principalmente à melhoria dos processos industriais. Somente na base do Simplavi 15 transformadores manufaturam objetos a partir de resinas recicladas. Produzem embalagens, fitas de arqueação, pisos industriais, sacarias e lonas de tal forma a atender a demanda. Na outra ponta há uma recicladora na região de Bento Gonçalves para a recuperação de polietilenos, polipropilenos, PET e poliestirenos fornecidos aos transformadores.

    Cases – Concebida com o intuito de difundir também as iniciativas provenientes das indústrias, a Fiema abriu espaço à apresentação de cases provenientes de expositores. A Plastisul apresentou sua tecnologia em geomembrana marca comercial Trigeo em polietileno de alta densidade fabricada pelo processo de Blow Film (filme soprado), utilizando resinas produzidas sob os mais rigorosos controles de qualidade, normas internacionais e garantia de propriedades como excelente resistência mecânica e compatibilidade química.

    As principais vantagens do Trigeo são a instalação fácil, resistência a inúmeros agentes químicos, estabilidade térmica aos raios solares, impermeabilidade, resistência a impacto, rasgo, excelente flexibilidade, fácil transporte, adesão às soldas e risco zero em relação a microporos. A aplicação do Trigeo ocorre em reservatórios da água, tanques de piscicultura, canais de irrigação, esterqueiras, lagoas de contenção, revestimento de silos, impermeabilização de estruturas de concreto, cobertura protetora de tanques, proteção estrutural de taludes, aterros sanitários, lixiviação de minérios e revestimento de adutoras.

    A área de exposição da Fiema 2004 reservou algumas novidades para o mercado brasileiro como o triturador de pneus para o aproveitamento integral dos arames de aço na metalurgia e da borracha na confecção de pisos e asfalto, equipamento desenvolvido pelo grupo italiano TPA e fabricado na filial da empresa em São Paulo.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *