Meio Ambiente (água, ar e solo)

Fenasan 2019: Tratamento de esgoto pode gerar eletricidade

Marcelo Furtado
28 de outubro de 2019
    -(reset)+

    Química e Derivados - Vela: concessões privadas de ETA e ETE são bons clientes

    Vela: concessões privadas de ETA e ETE são bons clientes

    Fornecimentos – Algumas empresas deram preferência a destacar contratos e fornecimentos para companhias de saneamento, de preferência para as grandes e, em especpífico para a Sabesp, umbilicalmente conectada com a Fenasan, já que o evento é organizado pela associação dos engenheiros da Sabesp (Aesabesp).

    Um exemplo foi a Aquarum, que chamava a atenção para seus contratos de operação de duas ETAs assumidas pela Sabesp em Guarulhos-SP, município onde a companhia assinou contrato de programa e que, desde janeiro, assumiu a repsonsabilidade pelo abstecimento de água e, a partir de setembro, pelo tratamento de esgoto.

    Pelo menos até o fim do ano, a Aquarum vai continuar a operar as ETAs Cabuçu e Tanque Grande para a Sabesp, dando continuidade à terceirização que fazia para o SAAE de Guarulhos desde 2016. Como o SAAE deve ser extinto até dezembro, uma outra licitação deve ser aberta ou então a operação será assumida pela Sabesp. Desde o começo do ano, as duas ETAs foram ampliadas, passando de 285 litros por segundo para os atuais 360 l/s, atendendo 200 mil pessoas.

    Especializada na implantação e operação de sistemas para concessionárias públicas e privadas, e para o setor comercial, industrial e de serviços, a Aquarum também prestava informações sobre obras na ETE Franco Rocha-SP e Maceió-AL, e na ETA de Araçatuba-SP. Segundo o diretor da Aquarum, Francisco Vela, as concessões privadas tendem a ser bons clientes. Exemplo é o contrato para a Iguá Saneamento, por exemplo, que envolve projetos de rede de coleta e afastamento de esgoto em cinco municípios de Mato Grosso, e o projeto executivo para a ETA Araçatuba (556 l/s), da GS Inima.

    Química e Derivados - Oliveira: grade de correntes multirrasteio equipam EEEs

    Oliveira: grade de correntes multirrasteio equipam EEEs

    Outra empresa que mostrava fornecimentos como cartão-de-visitas era a Sigma Tratamento de Águas. No caso, a empresa destacava obras de duas estações elevatórias de esgoto da Sabesp, com sistema de grade de correntes multirrasteio na EEE Grajaú e EEE Dom Pedro. “São equipamentos sem solda, totalmente parafusados e cuja tecnologia é inédita no Brasil”, disse o engenheiro Jonathan Oliveira. Além disso, a Sigma divulgava o revamp de quatro decantadores primários da ETE ABC.

    Em outro segmento, a Biotecs, especializada em sistemas avançados para água e efluentes e também para aproveitamento de biogás de ETEs e aterros, destacou fornecimentos de sistemas completos para tratamento de chorume de aterros. Com maquete em seu estande, a empresa demonstrava estação completa de tratamento de chorume implantado em aterro da Estre Ambiental, em Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba-PR, que usa, entre outras tecnologias, membranas de ultrafiltração. Segundo o técnico da Biotecs, Paulo Sousa, a empresa está negociando outras plantas similares para implantação em demais aterros da Estre no Brasil.



    Recomendamos também:








    2 Comentários


    1. Regina Bollanos

      Principalmente agora, investimentos em infra estrutura de saneamento básico tem que se tornar prioridade.


    2. Otima ideia. Gostaria de ver esses projetos funcionando em larga escala nas nossas cidades.



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *