Feitintas: Cadeia produtiva mostra evolução

Feira aproxima os participantes da produção e vendas de tintas e também apresenta novidades em equipamentos, insumos e até nas tintas prontas

Química e Derivados: Feitintas: .Realizada de 11 a 14 de setembro no International Trade Mart em São Paulo, a terceira edição da Feitintas – Feira da Indústria de Tintas e Vernizes e Produtos Correlatos, atraiu mais de 18 mil visitantes. Promovida a cada dois anos pelo Sitivesp (Sindicato da Indústria de Tintas e Vernizes do Estado de São Paulo), contando com o apoio e patrocínio de várias empresas ligadas ao setor, a feira recebeu produtores e revendedores de tintas, arquitetos, engenheiros, decoradores, profissionais de oficinas de repintura, montadoras e concessionárias, e consumidores finais. Em 9.600 m2, os mais de cem expositores, a maioria fabricante de tintas imobiliárias e automotivas, ladeados por fornecedores de matérias-primas e equipamentos, divulgaram seus produtos e apresentaram lançamentos. Alguns destaques estão descritos a seguir.

Matérias-primas – Vários fornecedores desses insumos tinham estandes na área de patrocinadores da feira, como a Ipiranga Química, de São Paulo. A empresa comercializa todos os componentes de uma tinta, atendendo diversos segmentos do mercado.

Também dispõe de vários tipos de sistemas, como pó, cura por ultravioleta (UV), base d’água, base solvente, e outros. Para o gerente de unidade de negócios Vânio Nunes Oleiro, a Feitintas é muito importante por reunir, além dos lojistas um grande afluxo de pequenos e médios produtores de tintas. “Nossa intenção é estar próximo desta clientela e detectar suas demandas”, esclareceu Oleiro. Promovendo no evento sua linha mais de 300 produtos, a Ipiranga deu destaque à resina Syncryl 212, manufaturada pela italiana Galstaff Multiresine, indicada para fabricação de vernizes foscos de cura UV, usados em madeira. Para Oleiro, a resina permite a utilização de menos sílica para obtenção da aparência fosca. “Aspectos reológicos, transparência do filme e decantação são outras características que podem ser otimizadas com o uso dessa resina”, acrescentou.

Química e Derivados: Feitintas: feitintas_logo.Também foi divulgada a linha Addid fabricada pela Wacker Química do Brasil. Entre os produtos há aditivos à base de silicones, utilizados em tintas e vernizes para melhorar o desempenho, eliminando os defeitos que afetam a qualidade do revestimento. “São modificadores de superfície usados para aumentar o brilho, melhorar o alastramento e a umectação do substrato. Proporcionam alta resistência ao risco e efeitos anticratera, evitando a flotação do pigmento e eliminando os efeitos de casca de laranja e olho de peixe”, enfatizou Oleiro.

Promotores de adesão também fazem parte da linha, isto é, aditivos desenvolvidos para permitir a aderência da tinta em substratos difíceis, tipo vidros, metais e plásticos. Os aditivos Addid podem ser utilizados em sistemas base solvente, altos sólidos e base água. São compatíveis com várias resinas e processos de aplicação. Além dos produtos, a presença da empresa na feira visava também divulgar o laboratório de aplicações técnicas, um diferencial oferecido ao mercado de tintas. Criado há um ano para dar suporte ao desenvolvimento de novos produtos, o laboratório conta com uma equipe de profissionais com a missão de desenvolver soluções para os clientes da Ipiranga e dar suporte e treinamento às equipes de venda.

A Bandeirante Química também patrocinou o evento. Oferecendo um diversificado portfólio de produtos, a empresa é uma das líderes nacionais na distribuição e comercialização de produtos químicos. Com meio século de existência, a antes chamada Produto de Petróleo Combuluz, oferece todos os componentes aos fabricantes de tintas, desde commodities como solventes, até aditivos sofisticados. Acreditando no crescimento do mercado, a Bandeirante continua a investir. Adquiriu terreno de cerca de 55 mil m2, ao lado da planta atual, em Mauá, na Grande São Paulo, onde estão sendo construídos um novo armazém e um laboratório de assistência técnica ao cliente, que se juntarão ao centro de desenvolvimento logístico.

Química e Derivados: Feitintas: Oleiro - laboratório próprio desenvolve aplicações.
Oleiro – laboratório próprio desenvolve aplicações.

Cerca de 30% do faturamento é proveniente de negócios feitos fora de São Paulo, pelas sete filiais instaladas em pontos estratégicos do País: Joinville (SC); São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e Campinas (SP); Rio de Janeiro; João Pessoa (PB); e Novo Hamburgo (RS). Sobre os objetivos da empresa nesta Feitintas, a assessora de imprensa Andrea Simi disse serem algo diferentes das participações anteriores. “Além de divulgar nossos produtos, estamos oferecendo todo suporte aos nossos clientes também expositores, como auxílio na organização e montagem de seus estandes, por exemplo”, relatou.

Também presente ao evento como fornecedora de matérias-primas, a Carbono Química, de São Bernardo do Campo – SP, com 40% de seu mercado voltado para o setor de tintas buscou firmar a imagem de empresa preocupada em preservar a natureza. Para isso, trouxe para a feira sua nova linha ecológica de resinas epóxi, uretânicas e alquídicas, todas base água. Os produtos podem ser utilizados em tintas e pisos industriais, tintas navais e outras aplicações.

A empresa acredita que as resinas base água são uma tendência do mercado, mas o emprego dos produtos tradicionais é uma realidade e não pode ser deixado de lado. Um portfólio diversificado apresenta-se como fundamental para suprir a transição para a fabricação de produtos menos agressivos. A empresa também divulgou a parceria feita com a Huntsman, para distribuir com exclusividade no Brasil a linha de poliaminas especiais conhecidas como Jeffamines-Amines. Polímeros de cadeia longa com a propriedade principal de dar ao produto final maior flexibilidade, as Jeffamines não tem similar no mercado nacional. Sendo incolores, adaptam-se perfeitamente aos revestimentos, provendo boa resistência mecânica e química sem interferir na coloração da tinta.

A Makeni Chemicals, de Diadema-SP, outro patrocinador oficial do evento divulgou completa linha de produtos para o segmento de tintas e vernizes, setor que representa cerca de 30% do seu faturamento. Durante a exposição, os visitantes puderam obter informações sobre os produtos distribuídos, tais como as linhas de dispersões, resinas e solventes. Dentre os itens destacados, estava o Nexcoat 795, produzido pela Next Chemicals. Constituindo-se de uma mistura isomérica de 2,2,4-trimetil-1,3-pentanodiol-monoisobutirato, atuando como agente coalescente em uma variedade de formulações de tintas látex, inclusive as de alto pH. O produto reduz a temperatura mínima de formação de filme, propiciando ótimo desempenho da tinta, mesmo em temperaturas baixas.

Química e Derivados: Feitintas: Carboni - Brasil segue Europa no uso de solvente ecológico.
Carboni – Brasil segue Europa no uso de solvente ecológico.

Também foi divulgada a linha Arcosolv, fabricada pela Lyondell Química, constituída de éteres de glicóis, como éter metílico do propilenoglicol, acetato do éter metílico do propilenoglicol e éter metílico do dipropilenoglicol. Presente ao estande da parceira, o diretor de vendas para América do Sul da Lyondell, Leandro Carboni dava informações sobre os produtos. “Os solventes da linha Arcosolv apresentam baixa toxicidade, considerável aumento da solubilidade de eletrólitos e excelente umectação, se comparados com os éteres do etilenoglicol comumente utilizados”, afirmou. Os produtos são indicados para tintas automotivas e mobiliárias. Segundo Carboni, na Europa cerca de 75% das tintas já utilizam solventes ecologicamente corretos. Nos EUA esse número é de 30% e no Brasil, menos de 10%. “A tendência é imitar cada vez mais o exemplo europeu”, complementou. A Makeni é distribuidora exclusiva da Lyondell, tendo a parceira começado há cinco anos. “Consideramos a Makeni uma extensão da Lyondell, já que nossas áreas comerciais e de assistência técnica trabalham bastante integradas”, disse Carboni.

A Degussa divulgou diversas linhas de resinas, monômeros, pigmentos, aditivos e solventes indicadas para a produção de tintas industriais, automotivas, decorativas, gráficas, adesivos, revestimentos de pisos e demarcações, entre outras. No evento, teve destaque a linha de monômeros metacrílicos para reduzir o teor de solventes nas formulações, aumentando o nível de sólidos sem interferir na qualidade. Possuindo as mesmas vantagens dos demais metacrilatos, os monômeros garantem à tinta qualidades de resistência às agressões das intempéries como chuva ácida, sol e frio, além da proteção contra os raios UV.

Dentre os produtos destacados estavam o Degaroute e o Degadur, bicomponentes de cura a frio, compostos por resinas metacrílicas reativas, também isentas de solventes, indicados para demarcação rodoviária e pisos industriais, respectivamente.

Outro distribuidor de matérias-primas, a Arinos Química, de Osasco-SP, informou o estabelecimento de nova parceria com a Grace Davison, renomado fabricante de produtos à base de silício. Fundada em 1832 nos EUA, a Grace Davison chegou ao Brasil em 1954. Em 1984 inaugurou sua fabrica em Sorocaba-SP. Com sede estabelecida em Columbia, Maryland, a Grace possui centros globais de produção e de pesquisa, estando em permanente busca de novas oportunidades de aplicação e uso para as sílicas. Conforme o gerente de desenvolvimento da Arinos Herbert Santana, a empresa fará a distribuição das linhas Syloid, Sylosiv e Shieldex, para aplicação não só em tintas e vernizes, mas também nos mercados alimentício, domissanitário e farmacêutico. Em tintas os produtos são usados como aditivos fosqueantes, principalmente em vernizes moveleiros. Informou também Santana que a Arinos passou a distribuir a linha de solventes Dowanol, da Dow Química.

Química e Derivados: Feitintas: Simone - abertura maior facilita manuseio de massa e textura.
Simone – abertura maior facilita manuseio de massa e textura.

Embalagens e equipamentos – O setor de embalagens também participou do evento, No estande da Brasilata foi divulgada a linha de latas para tintas, incluindo as redondas com volumes desde 100 mL até 4 litros; as quadradas e retangulares; e os baldes, de 18 a 20 litros. A Metalúrgica Prada lançou a lata de 18 litros para massa corrida e textura com abertura de 210 mm, ou seja maior do que os 170 mm usuais para facilitar o manuseio e operações de transferência.

“O produto só estará disponível para todo o mercado daqui a seis meses, porque temos contrato de exclusividade com a Suvinil durante esse período”, explicou a técnica do departamento de vendas Simone Dalla dos Santos.

Prada é um dos maiores fabricantes de embalagens de aço na América do Sul e está há 65 anos no mercado. Produz mais de 100 tipos de latas para produtos químicos, tintas e vernizes, alimentos e óleos vegetais, transformando anualmente 100 mil toneladas de folha de flandres. A empresa faturou R$ 303 milhões, em 2001, emprega mais de 2 mil pessoas em quatro unidades industriais.

Dentre os equipamentos expostos na feira viam-se vários sistemas tintométricos, como o dosador D-200 da Corob Ltda. Com escritório em São Paulo, a empresa fabrica no Uruguai produtos com tecnologia italiana. Informou a técnica do departamento de Marketing, Renata H. Farina, que a Corob está em permanente contato com os clientes, buscando identificar novas demandas. “Detectamos que nos pequenos pontos de venda as principais queixas com relação os equipamentos tintométricos eram falta de espaço e problemas ergonômicos, além de reivindicações de maior precisão e reprodutibilidade das cores. Para atender essas solicitações, foi desenvolvido o dosador D-200, um produto diferenciado para pequenas lojas”, informou Renata.

Além de permitir a preparação e agitação de pequenas quantidades o equipamento tem flexibilidade de forma; isto é, pode ser configurado como uma torre, ficar sobre o balcão ou sobre um suporte num modelo chamado “floor standy”. O design do D-200 permite fácil limpeza. O equipamento é bastante preciso e as operações de manutenção podem ser executadas rapidamente e com custo baixo. Além disso, há a possibilidade de personalização do painel superior, onde podem ser apresentados o nome e a logomarca da loja, tornando o dosador um elemento valioso na promoção do estabelecimento. “Essa personalização pode também ser alterada facilmente, já que é feita sobre painel de fácil remoção, fixado sobre um outro inferior de inox”, acrescentou Renata.

Química e Derivados: Feitintas: Renata - sistema para pequenos estabelecimentos.
Renata – sistema para pequenos estabelecimentos.

Tintas imobiliárias – Vários dos principais fabricantes de tintas e vernizes divulgaram lançamentos na feira. A Tintas Renner, de São Bernardo do Campo-SP, apresentou nova tinta bi-componente à base de poliuretana, indicada para pintura de piscinas de concreto ou para renovação de piscinas de fibra de vidro, que tenham sofrido desgaste com a ação do tempo.

Informou a promotora de vendas Geisa Souza Bom que as tintas existentes no mercado a base de epóxi, resistem menos ao desbotamento. “Nosso produto apresenta excelente resistência química aos raios solares e aos insumos usados no tratamento de água de piscinas”, afirmou. Essa tinta é vendida sob a forma de kit, contendo catalisador e redutor.

Outro lançamento destacado pela empresa foi a tinta “Frentes & Fachadas” em versão fosca. Segundo Geisa, o produto tem alta elasticidade e durabilidade, ótima resistência à abrasão e às intempéries, sendo indicado para pintura impermeabilizante de paredes externas e internas, tanto de alvenaria como de cimento ou gesso. Com propriedades antimofo, é adequada também para correção de pequenas trincas e fissuras em paredes de alvenaria, eliminando a necessidade de selador. É possível ainda a utilização em telhas de cimento-amianto e barro, nesse caso para evitar a infiltração de umidade por água de chuva. “O investimento compensa, pois a tinta custa apenas cerca de 10% mais do que as acrílicas usuais, mas tem desempenho superior”, salientou Geisa.

Química e Derivados: Feitintas: Geisa - poliuretano bicomponente conquista a pintura de piscinas.
Geisa – poliuretano bicomponente conquista a pintura de piscinas.

Pequenas empresas nacionais também mostraram lançamentos, como a Hydronorth de Londrina-PR. Fundada há 21 anos e com capital 100% brasileiro, possui linha de 40 produtos, tendo capacidade de produção de um milhão de galões por mês. De acordo com o técnico do departamento de marketing Eduardo Dalto, a empresa pretende atingir a produção anual de 18 milhões de galões, com a entrada em operação da terceira fábrica, atualmente em construção.

Informou ainda que a empresa tem uma central de distribuição no Nordeste, comercializando seus produtos em todo o País. “Esperamos confirmar as previsões de um crescimento de 24% em nosso faturamento em 2002”, acrescentou. Dentre os produtos lançados na feira Dalto destacou o novo selador acrílico. Mais conhecidos como “massa corrida”, os seladores são normalmente comercializados na cor branca. “Estamos oferecendo o produto pigmentado”, disse Dalto. ”O objetivo é economizar de uma a duas demãos de tinta, já que a cobertura ideal será conseguida com mais facilidade.” Segundo ele o preço do selante é cerca de um terço do da tinta, por isso, mesmo o tendo um custo algo maior do que os selantes brancos usuais, a vantagem econômica permanece. Confessando-se surpreso com a quantidade de visitantes recebida por seu estande, Dalto disse que a participação na feira estava sendo muito positiva.

Completando 50 anos de atividades em outubro, a Indústrias Químicas Irajá, ou Tintas Irajá como é mais conhecida, decidiu nos últimos anos concentrar seus investimentos no segmento de tintas. O resultado foi um crescimento de 45% obtido em 2001. No estande de 72m2 , a Tintas Irajá mostrou suas novidades, com destaque para o Texturado Irajá, em quatro versões de textura: riscada, rugosa, lisa e irajade. Todas as opções possuem como característica a hidrorrepelência e podem ser utilizadas com diversas técnicas de aplicação. Durante a Feitintas, a empresa convidou os interessados a testar os produtos, aplicando-os em pequenos quadros que podiam ser levados para casa, ou participando de testes de lavabilidade e de cobertura das tintas.

A Sherwin-Williams lançou o Metalatex Antiferrugem 3 em 1, um esmalte sintético com formulação diferenciada, proporcionando três ações simultâneas. A pintura de superfícies metálicas, em geral, envolve lixamento para remoção de ferrugem e produtos oxidados, a aplicação de um primer desoxidante, como zarcão, e a posterior aplicação do acabamento. Esclareceu o coordenador de assistência técnica J. Esteves de Oliveira que o produto lançado permite um lixamento mais suave e elimina a necessidade de aplicação do primer, dando em uma única aplicação o acabamento da cor desejada. O Metalatex Antiferrugem é indicado para aplicação direta sobre superfícies metálicas internas ou externas. “Possui bom alastramento, rendimento e acabamento, com vantagem adicional de provocar baixo odor”, disse Oliveira.

Química e Derivados: Feitintas: Dalto - seladora pigmentada economiza demãos de tinta.
Dalto – seladora pigmentada economiza demãos de tinta.

Outro lançamento da empresa foi o Metalatex Verniz Premium para madeira. “Trata-se de um verniz de alta qualidade que evita trincas e rachaduras, possuindo duplo filtro solar, sendo hidrorrepelente e de baixo odor, proporcionando proteção e durabilidade para madeira”, afirmou. Oferece quatro anos de garantia e é indicado para ambientes externos e internos. Detalhando uma outra qualidade do produto, Oliveira disse que, por ser pigmentado, permite deixar toda a coloração de uma porta igual. “Normalmente por questões de economia os batentes são de madeira mais barata diferente da usada na porta, sendo as cores desiguais. Aplicando-se o verniz as colorações se igualam”, afirmou.

Tintas automotivas e artísticas – Nas tintas automotivas o destaque foi a linha Camaleon desenvolvida pela Briltintas Ltda., de Santana do Parnaíba-SP. A tinta como o próprio nome diz, tem a capacidade de mudar de cor. Produzida com matérias-primas de última geração, a linha Camaleon, compõe-se de quatro tintas à base de poliéster que podem ser aplicadas em qualquer superfície, devendo esta ser preparada com um primer, se for metálica, ou com um promotor de aderência, se for plástica.

Depois, é dado o acabamento com verniz à base de poliuretana, sendo a aparência final semelhante à de uma tinta perolada. Capaz de produzir um fenômeno de interferência, a tinta Camaleon separa a luz que incide sobre ela, refletindo determinadas cores em ângulos

Química e Derivados: Feitintas: Camaleon - cores diferentes a cada ângulo de visão.
Camaleon – cores diferentes a cada ângulo de visão.

diferentes. Segundo o gerente comercial Roberto Fernandes Garcia, a Briltintas desenvolveu o produto com recursos próprios, visando atender consumidores que querem ter um veículo personalizado. “Não há similar no mercado brasileiro, apenas produtos importados”, informou Garcia.

A Colorgin, divisão do Grupo Sherwin Williams de Taboão da Serra-SP, líder há mais de 45 anos no mercado nacional de tintas spray, lançou na feira sua linha artística Glass Magic, composta de tintas translúcida, fosca e glitter. Informou o gerente de vendas Luis Eduardo Lima que a tinta de acabamento fosco, proporciona um visual sofisticado aos objetos de vidro, dando-lhes um aspecto semitransparente, similar ao de vidro jateado. “O produto é ideal para decoração de vasos, garrafas, abajures e potes” complementou. A tinta é oferecida nas cores branco, azul, verde e lilás. Compõe a linha um outro produto desenvolvido para decoração de superfícies de vidro transparente, proporcionando um acabamento translúcido a vasos, janelas, espelhos e garrafas. Também foi lançado o Glitter, verniz com purpurina em spray nas cores ouro, prata, vermelho, azul, verde e multicolorido. Segundo Lima o produto é ideal para trabalhos artesanais, florais, vestuário e presentes.

Encontro brasileiro mostra a importância da cor

Paralelamente à Feitintas, aconteceu o 1° Encontro Brasileiro da Cor, no qual conceituadas personalidades ligadas aos setores de decoração, arquitetura e indústria de tintas demonstraram a importância estética e comercial do uso correto das cores em seus projetos profissionais e em seus segmentos de atuação. Bastante concorrida foi a palestra “Cor: Evolução e Tendências na Industria de Tintas”, proferida por Kenneth Charbonneau, consultor de marketing de cores na Wilsonart Intenacional. Em sua apresentação, Charbonneau afirmou que a cor é o fator mais importante no ponto de compra, sendo freqüentemente, mais relevante que o preço. Para Charbonneau, se a cor ou a combinação de cores estiver correta, a compra será feita.

Durante muitos anos, as industrias da moda e automotiva foram autoridades indiscutíveis no estabelecimento de novas cores. Essa situação mudou à medida que um número cada vez maior de profissionais e designers passou a atuar na decoração de interiores e residências, propiciando o surgimento de novas cores.

Com o desenvolvimento de sistemas de cores preparadas sob encomenda e de maquinas sofisticadas de mistura de pigmentos, a indústria de tintas pode oferecer ao mercado centenas, ou mesmo milhares, de cores a um custo comparativamente baixo. Para o palestrante, a indústria das tintas prontas deve, entretanto, manter-se sempre atualizada, revisando o portfólio a cada oito ou dez anos, para que o fabricante tenha plena certeza de estar oferecendo produtos atuais.

Salientou ainda Charbonneau que a situação econômica continua tendo uma grande influência nas tendências de cores e projetos, pois quando há disponibilidade de recursos, os consumidores mostram-se dispostos a fazer experiências, a tentar novas cores, e gastam menos cuidadosamente. Já quando o dinheiro está mais escasso, os consumidores tornam-se mais conservadores e tendem a voltar-se para seleções seguras e cores clássicas. Segundo o palestrante, sendo a cor vital para as vendas de praticamente tudo o que é comercializado, estabeleceu-se a necessidade da troca de informações sobre o assunto, o que resultou na formação de associações voltadas ao estudo das cores, como a Color Association of the US (CAUS) que já existe há mais de 30 anos.

Originariamente envolvida com as cores na industria da moda, hoje a CAUS oferece além de previsões de cores para roupas femininas, masculinas e infantis, também as tendências de cores para decoração de interiores. As cores, apresentadas na forma de fichas, são selecionadas por um grupo de especialistas e líderes influentes em seus setores. Qualquer interessado pode adquirir as fichas, para referência no desenvolvimento de uma linha de cores para seus produtos.

Outra entidade americana importante, segundo Charbonneau é o Color Marketing Group (CMG). Pertencem ao grupo profissionais que se dedicam à previsão de tendências de cores e designers. Como o próprio nome indica o grupo interessa-se por marketing e vendas de produtos através da cuidadosa seleção de paletas de cores. Seus membros reúnem-se duas vezes por ano, quando participam de workshops, para os quais levam suas próprias previsões de cores pessoais e para seu setor em particular. As previsões individuais e do grupo são finalmente condensadas em uma paleta, que representa um consenso da contribuição de cada um dos membros. A paleta final não é vendida, mas fica disponível somente aos membros do CMG.

A congênere nacional ABCor – Associação Brasileira da Cor, ocupou um estande na Feitintas. Fundada em Porto Alegre, em 1998, a ABCor é uma instituição independente, de direito privado, com a missão de gerar parcerias interdisciplinares entre todas as áreas da arte, ciência, empresas e instituições, que de alguma forma utilizam cores. Se propõe também a promover a permanente troca de informações entre seus associados. O atual presidente da ABCor é Hans Peter Struck, economista e pesquisador da cor, Master of Arts pela Denver University, USA, e sócio do Centro Alemão da Cor, de Berlim. O vice-presidente é Nelson Bavaresco, designer gráfico e artista plástico, também pesquisador da cor e membro do Conselho Científico do “Instituto Del Colore”, de Milão. Estudantes e profissionais de quaisquer segmentos podem associar-se à ABCor: a associação está aberta também para a participação de publicitários, designers, artistas, arquitetos, decoradores, biólogos, engenheiros, médicos e pessoas jurídicas que utilizam a cor, seja como matéria-prima ou como ferramenta de trabalho voltada ao conforto, orientação e sinalização, entre outras utilizações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.