Expoquímica: Feira da química complementa caráter técnico do evento

Entre os procedimentos para a especiação que serão relatados pelas autoras, cinco espécies de arsênio serão alvos dos comentários: arsenobetaína, imetilarsinato, monometilarsonato, arsênio (III) e arsênio (V).

De acordo com sinopse desse estudo, o método para determinação dos compostos orgânicos em água tratada, segundo as técnicas analíticas de extração sólido-líquido e cromatografia em fase gasosa/detector de massa com coluna capilar (EPA 525.2), foi utilizado como base para o desenvolvimento de uma nova metodologia de extração (EPA 625), para análise de químicos orgânicos provenientes de efluentes industriais e municipais, envolvendo organoclorados, pesticidas e PCBs.

Todavia, diferentemente de todos os métodos de análise de água tratada, a análise de efluentes se depara com a presença de particulados que dificultam o processamento das amostras. Por isso, considera o estudo, a nova tecnologia de automatização para extração em fase sólida incorpora recursos que permitem a análise das amostras mesmo em se tratando daquelas com grandes quantidades de sólidos em suspensão.

Ainda na tarde do dia 1°, a palestra a ser proferida pelo engenheiro Paulo Roberto Bernardo, da subsidiária brasileira da Varian, promete instigar boas discussões, trazendo à tona o conceito de potabilidade da água.

O tema “Determinação de compostos orgânicos em água potável”, será analisado sob a ótica das exigências feitas pela Portaria 1469, de 29 de dezembro de 2000, do Ministério da Saúde, ressaltando as técnicas conjugadas de GC/MS,MS, micro extração em fase sólida e purge and trap. Segundo o engenheiro Bernardo, serão abordados todos os compostos orgânicos voláteis (trihalometanos) e semi-voláteis (organoclorados), encontrados em formulações de pesticidas e herbicidas, bem como apresentados seus limites máximos permitidos pela Portaria 1469, cujo cumprimento passará a ser exigido a partir do final deste ano. Também serão informadas aos congressistas as técnicas de coleta, extração, preparo e análise requeridas para o atendimento da portaria, destacando-se a espectrometria de massa acoplada à cromatografia gasosa.

Análises pró-saúde – Na sessão vespertina do dia 2, das 14h30 às 17h10, sob o tema central “O Homem e a Saúde”, a platéia acompanhará conferência conjunta do gerente de produto da Micronal, químico Rodrigo Maciel, e Altivo Pitaluga Jr., da Fiocruz (Far/Manguinhos). Os especialistas facilitarão aos congressistas o conhecimento sobre as aplicações das técnicas de análise térmica no segmento farmacêutico.

A palestra focalizará algumas delas, como DSC (calorimetria de varredura exploratória), TGA (análise termo-gravimétrica), e TOA (análise termo-óptica), voltada à identificação de diversos materiais.

“A DSC permite caracterizar ponto de fusão, pureza, polimorfismo, cristalização e transição vítrea de matérias-primas, princípios ativos, fármacos e embalagens e tem ajudado a indústria farmacêutica a solucionar várias questões relativas à produção de medicamentos, como a dissolução de comprimidos”, afirmou Maciel.

A TGA, segundo ele, promove estudos sobre a perda de massa em função da temperatura e decomposição, além de estudos cinéticos para verificar o shelf-life, ou seja, o tempo de prateleira dos materiais. Já a TOA, tecnologia integrada por uma platina de aquecimento acoplada a um microscópio, promove um completo estudo visual dos materiais, verificando-se desde o formato dos cristais até o polimorfismo dos produtos.

Análises em alimentos – Na manhã do dia 2, das 9h30 às 12h45, dedicada ao tema “O Homem e os Recursos Naturais”, duas apresentações estarão focalizando novas técnicas analíticas para a indústria agrícola.

A primeira, “Detecção de patógenos e transgênicos com a técnica de PCR em tempo real (Real Time PCR)”, a ser proferida por Felipe Rafael Torres, da Bio-Rad, irá aprofundar o conhecimento sobre a tecnologia da reação de cadeia da polimerase (PCR), como ferramenta essencial para a detecção de patógenos ou senqüências transgênicas em alimentos.

Atualmente, o uso da PCR por tempo real incorpora a detecção de sinais enquanto ocorre a amplificação. Para isso, utilizam-se oligonucleotídeos e sondas específicas que emitem fluorescência a cada hibridização e a cada passo de amplificação. Por detectar regiões específicas, essa técnica permite uma rápida e precisa quantificação de organismos infecciosos ou seqüências transgênicas.

A segunda conferência será proferida por Daniel Temponi Lebre, da Applied Biosystems do Brasil. Intitulada “Determinação de Resíduos de Pesticidas por Cromatografia Líquida acoplada à Espectrometria de Massa (LC/MS/MS)”, a palestra irá abordar aspectos experimentais inerentes a essa técnica, envolvendo hardware, otimização de parâmetros espectrais e métodos cromatográficos, e demonstrará resultados com menores limites de detecção e quantificação com grande velocidade de análise em comparação com os métodos tradicionais.

Análises petroquímicas – Na tarde do dia 3, das 14 às 17h45, durante o desenvolvimento do painel “O Homem e a Natureza”, uma das conferências mais interessantes irá focalizar a importância da análise elementar de enxofre, nitrogênio e cloro na indústria petroquímica, tendo em vista que esses elementos podem atuar como contaminantes no processo de refino do petróleo, causando corrosão e diminuindo a eficiência dos catalisadores.

Nessa apresentação, a ser feita por Huib Brouwer, da Euroglas (representada no Brasil pela Acatec), serão destacados os rigorosos controles que devem ser feitos em cada um desses elementos presentes nos produtos finais por parte das refinarias e indústrias petroquímicas, com base em determinações amparadas por normas específicas, como ASTM (D-3120, D-3246, D-4629, D-3961 etc.).

Página anterior 1 2 3Próxima página
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios