Equipamentos e Máquinas Industriais

Feira da Mecânica: Equipamentos simples mas precisos ganham destaque na exposição

Fernando C. de Castro
11 de maio de 2002
    -(reset)+

    Química e Derivados: Feira: Omel representa válvula diafragma Vallair.

    Omel representa válvula diafragma Vallair.

    Um dos destaques em automação para ensaios ficou por conta do sistema Contura. Trata-se de máquina automática fabricada pela Zeiss, para promover medições tridimensionais em peças usinadas e de produção seriada, e que opera a uma velocidade de 250 mm. por segundo, sendo capacitada a medir peças nas seguintes dimensões: largura, entre 700 mm a 1.000mm.; altura, entre 600 mm. a 1.600 mm.; e comprimento, entre l.000mm. e 4.000mm. Um dos recursos mais importantes e que vem integrado ao cabeçote da Contura é um scanning, capaz de promover apalpações mecânicas contínuas, com a leitura de cem pontos por segundo. Para se ter melhor idéia do potencial da máquina, uma carroceria de automóvel dispõe de cerca de 300 pontos para leitura. Na Mecânica, a empresa levou para demonstração ao público o modelo SMM-D, capaz de fazer leituras de 300 pontos em 30 minutos.

    No segmento de equipamentos para controle de qualidade, a Emic nesta edição da Mecânica deu prioridade às máquinas de ensaios mecânicos de maior porte e mais alta capacidade, na faixa de 500 kgf providas de garras hidráulicas, como o modelo DL 60.000. Destinadas a ensaios de tração em materiais metálicos, segundo padrões ASTM, ABNT, DIN e ISO, as garras são oferecidas em quatro modelos e capacidades que vão de 10 tf, 20 tf, 30 tf e 60 tf, destinando-se principalmente a grandes quantidades de ensaio, em geral acima de 500 ensaios/dia.

    Química e Derivados: Feira: Conexões D-Lock - aço inoxidável.

    Conexões D-Lock – aço inoxidável.

    Outra novidade apresentada pela Emic na feira foi o extensômetro óptico a laser (P–100), desenvolvido em parceria com a empresa alemã Fiedler Optoelektronik, e que permite a realização de medições sem contato com os corpos de prova dos materiais ensaiados (plásticos, borrachas, metais, cerâmicas), para verificar-se a existência de micro-deformações. Esse tipo de equipamento é especialmente recomendado para os casos em que não se pode ter contato com os corpos de prova, como as películas de látex utilizadas na confecção de preservativos, fios em fibra de vidro, utilizados em fibra óptica, para transmissão de dados em telecomunicações, e, ainda, nos casos em que a temperatura do corpo de prova é tão elevada, chegando a l.600°C, que impede o contato, como em se tratando de ensaios de materiais cerâmicos.

    A Mecânica’2002 também propiciou à Emic comemorar seu recém-credenciamento junto ao Inmetro, como um dos membros da Rede Brasileira de Calibração, em condições de calibrar máquinas de ensaios e prensas nas faixas de tração de 100 kN e compressão de 5.000 kN, ou seja, ampliando sua capacidade de medição para até 500 tf.

    Química e Derivados: Feira: Máquina de ensaios Emic - garra (embaixo) faz 500 por dia.

    Máquina de ensaios Emic – garra (embaixo) faz 500 por dia.

     

    Química e Derivados: Feira: Máquina de ensaios Emic - garra faz 500 por dia.

    Máquina de ensaios Emic – garra faz 500 por dia.

    No setor de tratamento térmico do aço (têmpera) e aplicação de revestimentos, destacaram-se na Mecânica’2002 as possibilidades oferecidas pela Brasimet em matéria de revestimentos por PVD (Physical Vapor Deposition), ou seja, deposição física de vapores, já executados em ferramentas e moldes e agora ampliados para deposições em múltiplas camadas, tecnologia disponibilizada à Brasimet pela empresa holandesa Hauzer Techno Coating BV, pertencente ao grupo alemão Ipsen, e que permite que os compostos atuem como lubrificantes secos, sendo indicada para operações de grande abrasividade e que apresentam problemas de aderência quando de moldagens por injeção sob temperaturas elevadas, em torno de 200°C a 300°C.

    Especificados para diminuir a necessidade de polimentos e proporcionar acabamento superficial às ferramentas em faixas de dureza de 2.000 a 3.500 Hardners Vickers, os revestimentos realizados no aço são especialmente indicados para injeções com cargas abrasivas, contendo, por exemplo, fibras minerais, fibras de vidro e fibras de carbono, e que geram vapores corrosivos, visando ainda facilitar as operações de desmoldagem.

    Química e Derivados: Feira: Peças revestidas por PVD - para abrasão.

    Peças revestidas por PVD – para abrasão.

    Além de camadas de revestimentos já conhecidas, como nitreto de titânio, nitreto de titânio alumínio, nitreto de cromo e carbonitreto de titânio, a Brasimet oferece revestimentos em PVD em nitreto de titânio alumínio com camada dic (diamon like carbon) e também em nitreto de cromo com camada dic, que irão atuar como lubrificantes secos nas ferramentas.

    Como alternativas para solucionar problemas relacionados com instalações, a Henkel Loctite destacou na exposição fios de poliamida, desenvolvidos para vedação de componentes plásticos roscados, e que proporcionam vedação eficiente para tubulações de ar, água, fluidos à base de petróleo, propano e gás natural, podendo ser utilizados em vedações de tubulações condutoras de água potável, por sua propriedade de não contaminar o fluido. Foram ainda objeto de divulgação na feira os agentes desmoldantes poliméricos, utilizados como antiaderentes em moldes e ferramentas.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *