Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal

FCE Cosmetique / FCE Pharma – Demanda firme abre caminhos para insumos cosméticos e farmacêuticos

Rose de Moraes
15 de maio de 2011
    -(reset)+

    Hidratação, emoliência, brilho, reparação capilar e regeneração são alguns dos efeitos mais buscados nas matérias-primas comercializadas pela empresa, mas são as propriedades antioxidantes, proporcionadas pelos princípios bioativos contidos nos extratos vegetais, as que têm atraído recentemente o grande interesse das indústrias cosméticas internacionais, contribuindo para afamar o país como rica fonte de biodiversidade vegetal.

    “As potencialidades do Brasil na oferta de produtos de origem vegetal, principalmente da Amazônia, têm despertado interesse no mundo todo porque todos querem desenvolver fórmulas verdes e fabricar produtos ecossustentáveis, tendências seguidas mundialmente”, informou Joãosinho Ângelo Di Domenico, diretor técnico e industrial da Íon Química/Polytechno.

    Assim, os ingredientes de origem vegetal, como extratos e derivados vegetais, contendo compostos bioativos, apresentam-se como os itens que registram grandes demandas das indústrias e dos consumidores, em virtude de poder amenizar os sinais do tempo e reduzir a velocidade do envelhecimento da cútis provocado pelos radicais livres.

    Revista Química e Derivados - Joãosinho Ângelo Di Domenico, diretor técnico e industrial da Íon Química / Polytechno

    Di Domenico: setor procura insumos que retardam o envelhecimento precoce

    “As indústrias cosméticas estão cada vez mais interessadas no desenvolvimento de produtos que possam combater o envelhecimento e proteger a pele contra os raios solares e contra os radicais livres e também se empenham em desenvolver fórmulas de combate à celulite, entre outras para restaurar a hidratação, e promover a vitalidade celular da pele”, considerou o diretor.

    As fórmulas para tratamento dos cabelos, por sua vez, requerem ingredientes reparadores dos danos causados pelos raios solares e por tratamentos químicos, e que também possam reduzir o frizz e aumentar o brilho.

    Para as maquiagens, as tendências apontam para o uso de produtos que possam conter ativos para tratamento e para proteção solar, persistindo também a busca permanente por cores inovadoras.

    Hoje, segundo o diretor Joãosinho, as tendências estão completamente globalizadas, mas o grande interesse mundial pelo Brasil se volta para os produtos da biodiversidade amazônica, os bioativos tropicais de alta eficácia, capazes de exercer atividade antioxidante.

    Novos apelos – É de se prever que as tendências encampadas na Europa em pouquíssimo tempo aportem no Brasil, como de fato já vem ocorrendo com os novos norteamentos tecnológicos das formulações cosméticas isentas de parabenos e de preservantes.

    “Não obstante o comitê científico europeu de segurança dos consumidores (CCSC) ter se manifestado sobre a segurança dos parabenos, as formulações cosméticas preservadas sem eles e os produtos sem conservantes em geral, mas com ingredientes que apresentam atividade antimicrobiana, são algumas das mais fortes tendências do momento, embora estejam restritas a nichos de mercado, pois a maior parte dos lançamentos continua a ser feita com parabenos”, explicou Tatiana Straioto Bianco, gestora de marketing da unidade de negócios cosméticos da quantiQ.

    Também restrito a nichos situa-se o segmento de cosméticos orgânicos. “Ao levantarmos recentemente o número de lançamentos com apelo orgânico no mercado brasileiro, descobrimos 71 produtos lançados em 2010 com esse apelo, contra 3.283 lançados na mesma categoria na Europa”, comparou Tatiana.

    O mercado brasileiro também coloca em evidência algumas categorias de produtos que têm apresentado taxas de crescimento superiores à média. Isso ocorre, segundo Tatiana, com maquiagens, protetores solares e cosméticos de uso masculino, em decorrência de altos investimentos feitos no setor, e também em virtude da maior conscientização da população em relação à necessidade de uso de filtros solares para a proteção da pele.

    Outro segmento com alto potencial de crescimento, segundo a especialista, é o dos dermocosméticos, campo de forte interação com o setor farmacêutico. O maior mercado de dermocosméticos continua sendo o europeu, porém no Brasil há bastante espaço para o crescimento dessa categoria de produtos. “Já se nota a mudança de hábitos da população, movida pelo aumento da expectativa de vida e pelo consumo de itens para tratamento masculino, incluindo nesse rol também as mulheres das classes sociais A e B, que recorrem aos consultórios dermatológicos em busca de tratamentos de pele”, observou.

    Atenta às novas demandas de consumo de cosméticos, a quantiQ, além de introduzir vários lançamentos em seu portfólio neste ano, implementou atividades laboratoriais voltadas ao desenvolvimento de formulações cosméticas e à análise de performance de produtos.

    Revista Química e Derivados, Tatiana Straioto Bianco, gestora de marketing da unidade de negócios cosméticos da quantiQ

    Tatiana: cosméticos põem preservantes na berlinda

    “Também instalamos salas de fracionamento para pós e líquidos, licenciadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e mantemos estoques mínimos de três meses de matérias-primas, para atender de forma imediata às necessidades do mercado”, informou Tatiana.

    Destacam-se entre os principais lançamentos que serão apresentados na FCE Cosmetique deste ano pela quantiQ os ativos para pele (Symsitive e B-White), cabelos (Capixyl e Melitane), proteção solar (Neo Heliopan AP e Neo Heliopan E 100), e também soluções específicas para atender aos apelos paraben-free (Sharomix 707), preservative-free (SymDiol 68) e orgânico/natural (Genu pHresh DF).

    Segundo Tatiana, inovações como Symsitive, voltadas ao mercado dermocosmético, agem no nível neurosensorial, regulando e eliminando o desconforto e a irritação comuns em pessoas com pele sensível. Já B-White, peptídeo encapsulado em lipossomos, tem ação voltada a promover o clareamento da pele, suavizando manchas e uniformizando o tom. O mecanismo de ação desse peptídeo é considerado dos mais inovadores, agindo tanto na pigmentação facultativa, que ocorre pela exposição solar, quanto na constitutiva, a coloração influenciada por fatores genéticos, inibindo a tirosinase e a síntese de melanina, com performance superior à do alfa-arbutin comprovada por testes de eficácia e com resultados visíveis em apenas 28 dias de uso.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *