FCE Cosmetique / FCE Pharma – Demanda firme abre caminhos para insumos cosméticos e farmacêuticos

Revista Química e Derivados, FCE Cosmetique, FCE Pharma, Demanda firme abre caminhos para insumos cosméticos e farmacêuticosA rápida ascensão dos mercados cosmético e farmacêutico no país enseja um continente de oportunidades para empresas de todos os naipes, permitindo antecipar resultados altamente positivos para as FCE Cosmetique e FCE Pharma. Na 16ª edição, as exposições internacionais de tecnologias para as indústrias cosmética e farmacêutica, agendadas de 24 a 26 de maio, no Transamerica Expo Center, em São Paulo, reúnem mais de 600 expositores, além de três pavilhões dedicados à China, França e Índia e com grande número de expositores procedentes da Alemanha, Argentina, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, Itália, Panamá e Suíça.

Revista Química e Derivados, Ligia Amorim, diretora-geral da NürnbergMesse Brasil
Ligia procura atrair as mais recentes inovações

“Organizar as FCE Cosmetique e FCE Pharma, as maiores vitrines dos setores cosmético e farmacêutico, é um desafio, mas estamos sempre fortalecendo parcerias para oferecer o melhor para as empresas participantes, visando à geração de novos negócios”, afirmou Ligia Amorim, diretora-geral da NürnbergMesse Brasil, organizadora de ambas.

A cada ano galgando posições mais destacadas, o Brasil pode estar prestes a se posicionar na vice-liderança do mercado mundial de cosméticos, pelo alto nível de consumo, e tem somado conquistas nesse setor, considerado um dos mais pujantes da economia do país. Desempenho, criatividade, inovação e capacitação caracterizam as atividades do dia a dia da indústria cosmética brasileira, uma das mais avançadas do mundo e privilegiada por ter acesso imediato a lançamentos mundiais em matérias-primas, muitas delas conhecidas do grande público somente na FCE Cosmetique. Isso permite aos profissionais desenvolver formulações inovadoras e mais efetivas em cuidados de higiene, tratamentos de rejuvenescimento e de reparação para a pele e os cabelos.

“O nosso país exporta conceitos e produtos para todo o mercado mundial e até os profissionais brasileiros estão sendo aqui recrutados para dirigir empresas no exterior porque, além de capacitados e atualizados, eles se tornaram diferenciados pelo seu alto grau de conhecimento”, considerou o consultor Alberto Keidi Kurebayashi.

Reeleito recentemente na presidência da Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC) por mais dois anos (2011-2013), Kurebayashi fez um balanço dos últimos projetos encampados pela entidade que, sob sua gestão, realizou muitas atividades em prol da inovação em produtos e tecnologias e do desenvolvimento da ciência cosmética.

Considerada referência internacional na promoção de cursos e programas de capacitação, não raro a entidade é convidada a ministrar cursos em outros países, como no Peru, onde acaba de desenvolver um programa para a formação de profissionais.

Entre os feitos mais recentes, estão a implementação do prêmio de reconhecimento ABC, para eleger os melhores fornecedores e clientes, com sistema auditado pela Fipfarma, e o estabelecimento de parceria no âmbito educacional com a Universidade Lusófona para o intercâmbio de experiências e de conteúdos. Isso resultou na realização de um curso sobre dermatologia, ministrado na sede da entidade, em São Paulo, reeditando o sucesso alcançado em Portugal.

Outra iniciativa da entidade muito bem acolhida no setor foi o lançamento do guia de serviços ABC, ferramenta que, segundo Kurebayashi, propiciou compilar referências de todas as empresas associadas, facilitando o acesso à informação aos profissionais da indústria cosmética e que conta com distribuição gratuita para todo o território nacional.

Revista Química e Derivados, Alberto Keidi Kurebayashi, Consultor
Kurebayashi: brasileiros têm alta capacitação no setor

“A nossa diretoria também se empenhou muito nos últimos meses para trazer ao país importantes encontros que já estão programados para 2013, como a conferência da International Federation of Societies of Cosmetic Chemists (IFSCC) – sociedade que congrega cerca de 35 entidades internacionais, incluindo a ABC como representante oficial do país – e o Colamiqc, além de se dedicar intensamente à organização do 25º Congresso Internacional de Cosmetologia”, afirmou.

Daqui para o exterior – A participação de empresas brasileiras em mercados internacionais também rende posições destacadas ao país. Com exportações ativas para os cinco continentes, a Íon Química/Polytechno tem seus produtos cada vez mais reconhecidos pelas indústrias cosméticas de vários países, que demandam fornecimentos de uma série de matérias-primas como alcanolamidas, anfóteros, catiônicos, ésteres, bases autoemulsionantes, ativos especiais, extratos vegetais, proteínas hidrolisadas e aditivos de performance.

Hidratação, emoliência, brilho, reparação capilar e regeneração são alguns dos efeitos mais buscados nas matérias-primas comercializadas pela empresa, mas são as propriedades antioxidantes, proporcionadas pelos princípios bioativos contidos nos extratos vegetais, as que têm atraído recentemente o grande interesse das indústrias cosméticas internacionais, contribuindo para afamar o país como rica fonte de biodiversidade vegetal.

“As potencialidades do Brasil na oferta de produtos de origem vegetal, principalmente da Amazônia, têm despertado interesse no mundo todo porque todos querem desenvolver fórmulas verdes e fabricar produtos ecossustentáveis, tendências seguidas mundialmente”, informou Joãosinho Ângelo Di Domenico, diretor técnico e industrial da Íon Química/Polytechno.

Assim, os ingredientes de origem vegetal, como extratos e derivados vegetais, contendo compostos bioativos, apresentam-se como os itens que registram grandes demandas das indústrias e dos consumidores, em virtude de poder amenizar os sinais do tempo e reduzir a velocidade do envelhecimento da cútis provocado pelos radicais livres.

Revista Química e Derivados - Joãosinho Ângelo Di Domenico, diretor técnico e industrial da Íon Química / Polytechno
Di Domenico: setor procura insumos que retardam o envelhecimento precoce

“As indústrias cosméticas estão cada vez mais interessadas no desenvolvimento de produtos que possam combater o envelhecimento e proteger a pele contra os raios solares e contra os radicais livres e também se empenham em desenvolver fórmulas de combate à celulite, entre outras para restaurar a hidratação, e promover a vitalidade celular da pele”, considerou o diretor.

As fórmulas para tratamento dos cabelos, por sua vez, requerem ingredientes reparadores dos danos causados pelos raios solares e por tratamentos químicos, e que também possam reduzir o frizz e aumentar o brilho.

Para as maquiagens, as tendências apontam para o uso de produtos que possam conter ativos para tratamento e para proteção solar, persistindo também a busca permanente por cores inovadoras.

Hoje, segundo o diretor Joãosinho, as tendências estão completamente globalizadas, mas o grande interesse mundial pelo Brasil se volta para os produtos da biodiversidade amazônica, os bioativos tropicais de alta eficácia, capazes de exercer atividade antioxidante.

Novos apelos – É de se prever que as tendências encampadas na Europa em pouquíssimo tempo aportem no Brasil, como de fato já vem ocorrendo com os novos norteamentos tecnológicos das formulações cosméticas isentas de parabenos e de preservantes.

“Não obstante o comitê científico europeu de segurança dos consumidores (CCSC) ter se manifestado sobre a segurança dos parabenos, as formulações cosméticas preservadas sem eles e os produtos sem conservantes em geral, mas com ingredientes que apresentam atividade antimicrobiana, são algumas das mais fortes tendências do momento, embora estejam restritas a nichos de mercado, pois a maior parte dos lançamentos continua a ser feita com parabenos”, explicou Tatiana Straioto Bianco, gestora de marketing da unidade de negócios cosméticos da quantiQ.

Também restrito a nichos situa-se o segmento de cosméticos orgânicos. “Ao levantarmos recentemente o número de lançamentos com apelo orgânico no mercado brasileiro, descobrimos 71 produtos lançados em 2010 com esse apelo, contra 3.283 lançados na mesma categoria na Europa”, comparou Tatiana.

O mercado brasileiro também coloca em evidência algumas categorias de produtos que têm apresentado taxas de crescimento superiores à média. Isso ocorre, segundo Tatiana, com maquiagens, protetores solares e cosméticos de uso masculino, em decorrência de altos investimentos feitos no setor, e também em virtude da maior conscientização da população em relação à necessidade de uso de filtros solares para a proteção da pele.

Outro segmento com alto potencial de crescimento, segundo a especialista, é o dos dermocosméticos, campo de forte interação com o setor farmacêutico. O maior mercado de dermocosméticos continua sendo o europeu, porém no Brasil há bastante espaço para o crescimento dessa categoria de produtos. “Já se nota a mudança de hábitos da população, movida pelo aumento da expectativa de vida e pelo consumo de itens para tratamento masculino, incluindo nesse rol também as mulheres das classes sociais A e B, que recorrem aos consultórios dermatológicos em busca de tratamentos de pele”, observou.

Atenta às novas demandas de consumo de cosméticos, a quantiQ, além de introduzir vários lançamentos em seu portfólio neste ano, implementou atividades laboratoriais voltadas ao desenvolvimento de formulações cosméticas e à análise de performance de produtos.

Revista Química e Derivados, Tatiana Straioto Bianco, gestora de marketing da unidade de negócios cosméticos da quantiQ
Tatiana: cosméticos põem preservantes na berlinda

“Também instalamos salas de fracionamento para pós e líquidos, licenciadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e mantemos estoques mínimos de três meses de matérias-primas, para atender de forma imediata às necessidades do mercado”, informou Tatiana.

Destacam-se entre os principais lançamentos que serão apresentados na FCE Cosmetique deste ano pela quantiQ os ativos para pele (Symsitive e B-White), cabelos (Capixyl e Melitane), proteção solar (Neo Heliopan AP e Neo Heliopan E 100), e também soluções específicas para atender aos apelos paraben-free (Sharomix 707), preservative-free (SymDiol 68) e orgânico/natural (Genu pHresh DF).

Segundo Tatiana, inovações como Symsitive, voltadas ao mercado dermocosmético, agem no nível neurosensorial, regulando e eliminando o desconforto e a irritação comuns em pessoas com pele sensível. Já B-White, peptídeo encapsulado em lipossomos, tem ação voltada a promover o clareamento da pele, suavizando manchas e uniformizando o tom. O mecanismo de ação desse peptídeo é considerado dos mais inovadores, agindo tanto na pigmentação facultativa, que ocorre pela exposição solar, quanto na constitutiva, a coloração influenciada por fatores genéticos, inibindo a tirosinase e a síntese de melanina, com performance superior à do alfa-arbutin comprovada por testes de eficácia e com resultados visíveis em apenas 28 dias de uso.

Confirmando que prevenir a calvície e postergar o embranquecimento dos cabelos estão entre os principais focos das atuais pesquisas em cosmetologia, a quantiQ também divulgará o Capixyl, ativo que estimula o crescimento capilar com eficácia superior e também age na redução da queda e da inflamação do couro cabeludo, permitindo aplicações em fórmulas de xampus, tônicos e leave-on.

“Novos testes realizados com Melitane, ativo que estimula a produção de melanina, confirmaram também sua alta eficiência na prevenção de cabelos brancos, por estimular a produção de melanina nos fios”, destacou Tatiana.

As novidades em filtros para proteção solar mais recentes da quantiQ propiciam proteção UVA e UVB. Neo Heliopan é um filtro UVA hidrossolúvel e fotoestável, cujo diferencial é permitir formulações transparentes nas formas de géis e sprays. O Neo Heliopan E 100 é um filtro lipossolúvel e inodoro, que confere proteção UVB, sendo ideal para protetores à prova d’água.

A mistura de ácidos orgânicos e capriliolglicol em álcool benzílico também resultou no novo conservante Sharomix 707, livre de formaldeído, parabenos, halógenos e componentes etoxilados, recomendado para formulações cosméticas naturais e orgânicas, apresentadas em cremes, loções, xampus, sabonetes líquidos, shower géis e condicionadores.

Outra inovação está em SymDiol 68, ativo líquido, incolor, inodoro, com apelo preservative-free e atividade antimicrobiana de amplo espectro, e extremamente seguro para uso em formulações cosméticas.

Pesquisas devem acelerar – O Brasil também vem se tornando campo fértil para investimentos tanto na produção de medicamentos sob prescrição quanto na fabricação de genéricos. Em um período marcado por estabilidade econômica, aumento de renda e consequentemente maior consumo da população, cogita-se até que o país possa assumir posições mais importantes como parceiro do setor farmacêutico global, participando diretamente de pesquisas na área dos farmoquímicos.

Todas essas perspectivas devem movimentar a 16ª FCE Pharma – Exposição Internacional de Tecnologias para a Indústria Farmacêutica –, considerada a grande vitrine de matérias-primas, equipamentos e serviços para o setor farmacêutico da América Latina, e estimular novos negócios e parcerias, a fim de expandir e tornar mais acessível o arsenal terapêutico de combate às doenças.

Os avanços observados no mercado farmacêutico em 2010, ao movimentar R$ 6,2 bilhões, com destaque para os genéricos, que chegaram a 444,3 milhões de unidades, ou seja, quase 21% de todos os medicamentos comercializados no Brasil, atuaram em estímulo ao setor. A taxa de crescimento reconhecidamente alta (33%) no segmento dos genéricos pode ser atribuída a algumas patentes expiradas nos medicamentos para impotência sexual e controle de colesterol, liberando ativos como sildenafil e atorvastatina para as versões genéricas.

“O mercado farmacêutico no Brasil apresentou crescimento de 17% em 2010, estimulado pelo cenário de crescimento econômico e pela entrada de novos genéricos devido à queda de mais de dez patentes”, informou Maximiliano Morandin Ferrari, gestor de marketing da área de princípios ativos da unidade de negócios Farma da quantiQ.

Para acompanhar esse ritmo, a distribuidora adota por política acrescentar novas matérias-primas ao seu portfólio de forma contínua, muitas delas em decorrência de lançamentos de produtos de empresas representadas, mas também resultantes de novas parcerias.

Alguns exemplos podem ser tomados nas novas linhas lançadas pela Meggle e pela JRS Pharma, já disponíveis aos formuladores brasileiros. A Meggle, com a linha Inhalac, possibilitou à quantiQ trazer ao mercado lactoses com características específicas para uso como diluente em pós inaladores. Já a JRS Pharma, ao desenvolver pellets inertes de celulose em diferentes tamanhos (Vivapur MCC Spheres), propiciou à quantiQ oferecer ao mercado carreadores inertes, insolúveis e de alta robustez.

Outro lançamento da JRS Pharma é o Prosolv EasyTab. Considerado um excipiente all-in-one, com características de alta compressibilidade, fluxo, desintegração e lubrificação, o insumo garante maior rapidez de processo e excelente uniformidade de conteúdo aos comprimidos.

Na linha de insumos farmacêuticos ativos, conhecida pela sigla IFA, a empresa trabalha para incrementar as opções de negócios para os clientes, seja na importação direta ou na manutenção de estoques locais. Nesse último aspecto, as atividades de suporte são oferecidas de acordo com os ditames da RDC-57.

“A quantiQ entrou com os registros de aciclovir, ciprofloxacina e ampicilina e, nesses casos, os clientes podem adquirir os itens sem efetuar os gastos inerentes aos seus registros”, informou Ferrari. Outra grande novidade é que a empresa passou a atuar também na representação de empresas do setor de produtos acabados, com o intuito de propiciar novas facilidades aos clientes que pretendem incrementar seu portfólio de maneira rápida e eficiente.

“As empresas hoje buscam produtos de maior valor agregado, como oncológicos, imunossupressores e hormônios, e também passaram a voltar a sua atenção para as linhas biotecnológicas, que contam com poucos players e podem gerar bons negócios”, comentou o gestor de marketing. Assim, as novas parcerias firmadas pela empresa ampliam as opções ao mercado e atendem às aspirações dos clientes. Na linha de insumos farmacêuticos ativos, acordos estabelecidos com empresas europeias que atuam na área de oncologia e de peróxido de benzoila deverão trazer maiores benefícios e facilidades ao mercado farmacêutico. “A nossa missão é sempre realizar atualizações e, com esse propósito, destacamos a parceria firmada com a Sandoz, que propiciará ao mercado facilidades de acesso a farmoquímicos como aripripazol, meropenem, tansulosina, atorvastatina e micofenolato ácido”, comentou Ferrari.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.