Química

Expositores atualizam opções tecnológicas para o setor – Abrafati

Antonio C. Santomauro
27 de dezembro de 2019
    -(reset)+

    Equipamentos – Como era esperado, a adequação aos preceitos da Indústria 4.0 em vertentes como automação e integração dos processos esteve entre as principais ênfases dos fabricantes de equipamentos.

    A GMP, por exemplo, anunciava tecnologias para automatizar todo o processo de produção de tintas, do recebimento de matérias-primas ao produto final. Exibiu, especificamente, soluções para automatização das dosagens, seja dos grandes volumes (cargas), seja das pequenas dosagens de aditivos. Também divulgou o software GMP 4.0, para gerenciamento dessa tecnologia da Indústria 4.0. “Nossa tecnologia de automação permite reduzir os custos do processo de produção de tintas em até 70%”, afirmou Junior Machado, diretor executivo da GMP.

    A Netzsch Moagem lançou a linha de moinhos Discus, que a empresa qualifica como “a nova era” dos moinhos de discos. Os equipamentos dessa linha contam com um sistema aprimorado de troca térmica. Com um novo desenho e a presença do ICC (Intensive Classifying Cartridge), um novo rotor que elimina a necessidade de separação entre o volume da câmara e o volume de separação, têm maior área útil. “Entre outros benefícios, isso propicia melhor performance energética e maior capacidade de produção”, ressaltou Paulo Reuters, gerente de vendas da empresa.

    Novas versões de seus equipamentos para laboratório – todos de fabricação própria – foram apresentados pela Adexim-Comexim. Entre eles, uma cabine de luz para controle e comparação de cores, e uma câmara que utiliza fontes de UV, umidade e calor para simular envelhecimento acelerado, agora dotada de interface homem-máquina.

    Cargas minerais e distribuição de aditivos também fazem parte do portfolio da Adexim-Comexim que nesse último segmento apresentou novidades, como os produtos da fabricante de especialidades para tintas em pó Estron, indicados para redução da temperatura de cura UV e melhoria do fluxo e da adesão dos revestimentos. “Da Girona, apresentamos um produto que blinda superfícies contra radiação, e da Ishizuka, um antiácaro inorgânico e um produto que absorve odores”, complementou o diretor Carlos Russo.

    Química e Derivados - Meira: epóxi base água ganha espaço nas tintas industriais

    Meira: epóxi base água ganha espaço nas tintas industriais

    Resinas – Soluções base água também para aplicações industriais, além do conhecido portfólio de soluções para tintas imobiliárias sem solventes, inclusive em suas recentes evoluções, estiveram entre as principais atrações dos fabricantes de resinas.

    Para esse gênero de aplicações, a Olin destacava as resinas epóxi DER 900, que podem ser utilizadas em substratos metálicos e de concreto, e que, pelas informações da empresa, juntamente com os endurecedores da família DEH 800, além de atender às mais atuais regulamentações sobre emissão de VOC, oferecem excelentes propriedades químicas e físicas. “Sistemas epóxi base água em aplicações industriais constituem uma realidade que começa a se consolidar também no Brasil”, afirmou Gustavo Gândara Meira, gerente de negócios de epóxi da Olin para a América Latina.

    A mesma Olin lançou também a resina líquida D.E.R 331, que proporciona maior transparência em aplicações que requerem baixa cor, e a resina é blindada com um diluente reativo D.E.R 324, disponível não somente em tambores, mas agora também a granel (uma novidade na oferta da empresa).

    Na Hexion, o portfolio de soluções epóxi base água inclui a linha EPI-REZ, com soluções para tintas imobiliárias e industriais. “A tecnologia EPI-REZ existe há várias décadas, mas aqui apresentamos sua mais recente evolução: a resina EPI-REZ Resin 7720-W-50, que permite revestimentos à base de água com zero VOC”, destacou Mauro Silva, gerente técnico da empresa na América Latina.

    A Hexion apresentou ainda o sistema Eposil Resin 5550, híbrido de epóxi com polisiloxano, que em aplicações top coat industriais e arquitetônicas pode substituir sistemas poliuretânicos, proporcionando maior resistência a solventes.

    A Kuraray exibiu a linha Exceval, à base de um copolímero de PVA modificado com etileno. Com aplicações em tintas imobiliárias e revestimentos para madeira, entre outras, essa modificação com etileno, anuncia a empresa, comparativamente aos PVAs tradicionais, proporciona maior resistência à água e melhor formação de filme, sem emissão de formaldeídos. “Em parceria com alguns clientes estamos desenvolvendo as primeiras aplicações da linha Exceval no Brasil”, contou Chyntia Bernardique, gerente de vendas na América Latina da divisão PVOH da Kuraray.

    O estande da Covestro foi estruturado com o conceito ‘Cidade do Futuro’, materializado em quatro pilares: infraestrutura, mobilidade, living, esporte e lazer. Para o primeiro deles, a empresa destacou os sistemas poliaspárticos da linha Pasquick, que, de acordo com Silvio Torres, líder de operações comerciais da unidade de coatings, adesivos e especialidades da empresa na América Latina, “protegem mais e por mais tempo, e propiciam economia de tempo e maior produtividade”. Pontes, viadutos, pás eólicas, são algumas aplicações desses sistemas.

    Entre outros itens expostos no estande da Covestro, havia ainda calçados colados com adesivos base água, formulados com matérias-primas das linhas Dispercoll U (dispersões de poliuretano) e Desmodur D (reticulantes para base água).



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *