ESG: O que é, onde surgiu e quais são seus pilares

Veja como a sigla ESG está impactando as empresas e revolucionando o mercado de investimento

A tendência mundial aponta que cada vez mais as gerações de consumidores estão preocupadas com o impacto ambiental causados pelos produtos e serviços, dando preferência a empresas mais sustentáveis e indiretamente que adotam o conceito ESG.

Os investidores, por sua vez, não estão mais se prendendo apenas aos índices financeiros para considerar uma empresa em potencial para investimento. Além disso, estão voltando seus olhares para empresas que incluem questões relacionadas à responsabilidade ambiental, social e de governança, o que, de certa forma, está impulsionando ainda mais os negócios nesta direção.

Neste contexto, surge a ESG, uma sigla amplamente utilizada no universo dos investimentos que significa, em inglês, “Environmental, Social and Corporate Governance” e pode ser traduzida para Governança Corporativa, Social e Ambiental. Os pilares da ESG são o alvo dos investidores, ou seja, utilizados como critérios para análise de risco de uma empresa e aporte futuro de capital por investidores nacionais e estrangeiros.

Acesso Rápido no post

O que é ESG?
De onde surgiu a sigla ESG?
Pilares da sigla ESG
Ambiental (E)
Social (S)
Governança (G)

O que é ESG?

Já vimos a tradução literal da sigla ESG e conseguimos entender que este conceito está relacionado ao desenvolvimento de produtos e serviços atrelados a práticas ambientais, sociais e de governança corporativa, mas o que mais podemos dizer sobre ESG?

De forma ampla, podemos definir como um conjunto de padrões e boas práticas implementados nas operações de uma empresa com o objetivo de reduzir os impactos ambientais, oferecer transparência aos seus negócios, melhor gestão, preocupação com o bem estar social e com a construção de um mundo mais justo.

De onde surgiu a sigla ESG?

A sigla ESG apareceu pela primeira vez em uma iniciativa da ONU (Organização das Nações Unidas) , em 2005, num relatório com título “Who Cares Wins” (“Ganha quem se importa”, em português).

O Brasil foi um dos participantes do encontro que contou com 20 instituições financeiras de 9 países diferentes, reunidos para buscar critérios e recomendações sobre como incluir questões ambientais, sociais e de governança no mercado financeiro.

A conclusão do relatório indicou que a atenção a essas questões ambientais, sociais e de governança no mercado financeiro contribui para que a empresa se torne mais sustentável e gere melhores resultados para a sociedade. Dessa forma, é necessário ter consciência ambiental e social para crescer.

Os pilares do ESG

A sigla ESG reúne os três pilares para uma empresa ter uma operação mais sustentável. São eles: ambiental, social e governança. Veja as práticas envolvidas em cada uma delas, muitas podem ser adotadas no segmento químico.

Pilares ESG
Pilares ESG

Ambiental (E):

A Letra “E” do termo ESG refere-se a palavra inglesa “environmental”, que significa ambiental, em português. Este pilar está relacionado a todas as ações para proteção do meio ambiente. Veja algumas práticas voltadas para este tema!

  • Diminuição do impacto ambiental, da poluição do ar e da água.
  • Redução e compensação da emissão de gases estufa.
  • Uso dos recursos naturais de forma consciente.
  • Não ter relação com desmatamento ilegal.
  • Consumo responsável de água.
  • Adoção de critérios de logística reversa.
  • Gestão de resíduos, implementação de reciclagem. Exemplo: reuso da água e reciclagem de embalagens.
  • Eficiência energética (adoção de energia limpa e renovável).
  • Promoção e preservação da biodiversidade.

Social (S):

A Letra “S” do termo ESG corresponde a palavra social, que tem o mesmo significado tanto em português como em inglês. O pilar social compreende a relação da empresa com as empresas que fazem parte do seu universo, visando o bem estar coletivo. Confira algumas boas práticas:

  • Respeito e cumprimento às leis trabalhistas
  • Políticas de relações de trabalho.
  • Apoio a programas de inclusão e diversidade.
  • Defesa aos direitos humanos.
  • Promoção de bem-estar e segurança no ambiente de trabalho.
  • Cuidados com a saúde dos colaboradores.
  • Capacidade de inovação.
  • Proteção de dados e privacidade.
  • Medidas para satisfação do cliente.
  • Gestão voltada para diminuição dos riscos químicos.
  • Treinamentos para evitar acidentes com produtos químicos.
  • Disponibilização de EPIs.
  • Canal de comunicação para sugestão de melhorias.
  • Desenvolvimento de projetos sociais.
  • Combate ao trabalho infantil e análogo à escravidão.

Governança (G):

Por último, a Letra “G” do termo ESG que quer dizer “governance”, em inglês, e significa governança, na nossa língua. Está relacionado as práticas de gestão empresarial, ou em outras palavras, as práticas de administração da empresa

  • Composição e Independência do conselho administrativo.
  • Política de transparência de líderes.
  • Diversidade na composição do conselho.
  • Responsabilidade fiscal.
  • Atuação de acordo com a ética
  • Combate à corrupção.
  • Qualidade do comitê de auditoria.
  • Transparência quanto aos riscos envolvidos nas atividades desempenhadas.
  • Adoção de canal de denúncia.
  • Analise da integridade de fornecedores e colaboradores.
  • Critérios transparentes sobre remuneração e planos de carreira.
  • Adoção de boas práticas administrativas.

Empresas que adotam as práticas ESG passam a ter uma operação mais sustentável e, em consequência, conseguem melhorar sua imagem junto a sociedade. Além disso, conseguem eficiência na gestão e uso dos recursos, diminuição de perdas, equipe mais motivada, maior desenvolvimento e melhores resultados ao longo do tempo.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios