Equipamentos de Proteção Coletiva

Os equipamentos de proteção coletiva são tão importantes quanto os EPIS para oferecer segurança no trabalho

Os equipamentos de proteção coletiva assim como os equipamentos de proteção individual são itens indispensáveis para garantir a segurança dos colaboradores e, dessa forma, prevenir acidentes de trabalho.

Diferenciam-se quanto a extensão da proteção, uma vez que os equipamentos de proteção coletiva estão relacionados à proteção do coletivo, incluindo tanto o trabalhador como qualquer pessoa que esteja no local de trabalho, enquanto os equipamentos de proteção individual referem-se aos materiais ou dispositivos de uso individual.

A NRº 6 traz a definição de EPI como todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.

Com a utilização dos equipamentos de proteção coletiva é possível diminuir o risco à saúde e integridade física das pessoas, proporcionar o bem-estar do colaborador, evitar multas, reduzir o afastamento por acidente de trabalho e, consequentemente, aumentar a produtividade e o desempenho da empresa.

Acesso Rápido no post

O que são equipamentos de proteção coletiva?
Quem deve fornecer o equipamento de proteção coletiva?
Exemplos de equipamentos de proteção coletiva utilizados na indústria

O que são equipamentos de proteção coletiva?

O conceito de equipamentos de proteção coletiva engloba todo dispositivo ou sistema com a função de proteção coletiva, ou, em outras palavras, com a finalidade de garantir a saúde e integridade física do trabalhador e de terceiros em ambientes que apresentam riscos químicos, físicos, biológicos e ergonômicos.

É conhecido por sua sigla EPC e pode constituir-se em equipamentos fixos ou móveis instalados no local de trabalho para a proteção de um grupo de trabalhadores e de qualquer pessoa que esteja presente naquele ambiente. Esta proteção acontece ao mesmo tempo para todos que estão no ambiente de trabalho.

São exemplos de equipamentos de proteção coletiva os extintores de incêndios, saídas de emergência, capelas, coletores de resíduos, chuveiros de emergência, lava olhos, fitas e outros materiais sinalizadores e piso antiderrapante. Já como EPIs podemos citar os óculos de segurança, luvas de segurança, creme protetor, aventais longos, protetor facial, macacão e respiradores.

Equipamento de proteção coletiva: lava olhos
Equipamento de proteção coletiva: lava olhos

Em linhas gerais, os equipamentos de proteção coletiva são mais eficientes do que os EPIs visto que não dependem da ação do colaborador para sua proteção, ou seja, não há o risco da utilização equivocada ou da falta de uso. No entanto, isso não significa que sejam excludentes, muito pelo contrário, ambos podem atuar conjuntamente na proteção dos colaboradores e, dessa forma, reduzir os riscos de acidente de trabalho.

Quem deve fornecer o equipamento de proteção coletiva?

Os equipamentos de proteção coletiva devem ser fornecidos pelo empregador e a sua falta pode ocasionar sanções a empresa, como multa, interdição, dentre outras.

É importante que os equipamentos de proteção coletiva sejam verificados regularmente quanto a manutenção, efetividade, impactos gerados na saúde e segurança dos trabalhadores, além de outros fatores.

De acordo com a NR 4 que trata dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho ((SESMT), item 4.12 “Compete aos profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho:

  1. a) aplicar os conhecimentos de engenharia de segurança e de medicina do trabalho ao ambiente de trabalho e a todos os seus componentes, inclusive máquinas e equipamentos, de modo a reduzir até eliminar os riscos ali existentes à saúde do trabalhador;
  2. b) determinar, quando esgotados todos os meios conhecidos para a eliminação do risco e este persistir, mesmo reduzido, a utilização, pelo trabalhador, de Equipamentos de Proteção Individual – EPI, de acordo com o que determina a NR 6, desde que a concentração, a intensidade ou característica do agente assim o exija”;

A NR-09 que cuida da avaliação e controle das exposições ocupacionais a agentes físicos, químicos e biológicos, por sua vez, dispões no item 9.1.1 que “Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece os requisitos para a avaliação das exposições ocupacionais a agentes físicos, químicos e biológicos quando identificados no Programa de Gerenciamento de Riscos – PGR, previsto na NR-1, e subsidiá-lo quanto às medidas de prevenção para os riscos ocupacionais”.

Já no item 9.2 traz o Campo de Aplicação: “9.2.1 As medidas de prevenção estabelecidas nesta Norma se aplicam onde houver exposições ocupacionais aos agentes físicos, químicos e biológicos.

9.2.1.1 A abrangência e profundidade das medidas de prevenção dependem das características das exposições e das necessidades de controle.

9.2.2 Esta NR e seus anexos devem ser utilizados para fins de prevenção e controle dos riscos ocupacionais causados por agentes físicos, químicos e biológicos.

9.2.2.1 Para fins de caracterização de atividades ou operações insalubres ou perigosas, devem ser aplicadas as disposições previstas na NR-15 – Atividades e operações insalubres e NR-16 – Atividades e operações perigosas”.

Exemplos de equipamentos de proteção coletiva utilizados na indústria

Conhecer os equipamentos de proteção coletiva e saber como usá-los é fundamental para minimizar os riscos em um ambiente de trabalho, uma vez que cada um deles é utilizado para uma finalidade específica.

Os treinamentos sobre o uso adequado também são essenciais para a prevenção de acidentes. Além disso é relevante alguns cuidados quanto a guarda, conservação e a verificação constante de irregularidade, caso em que ele deve ser substituído ou consertado.  Confira a seguir os equipamentos de proteção coletiva mais comuns nas indústrias.

  • Exaustores, sistemas de ventilação e controle de temperatura.
  • Sirene de alarme incêndio.
  • Chuveiro e lava olhos de emergência: estes são sistemas de proteção contra agentes químicos.
  • Barreiras de proteção contra luminosidade e radiação.
  • Proteção de circuitos e equipamentos elétricos.
  • Corrimão.
  • Fitas antiderrapantes de degrau de escada.
  • Sistema de purificação e circulação do ar.
  • Iluminação.
  • Cavaletes.
  • Extintores de incêndio.
  • Piso antiderrapante: o piso deve oferecer resistência contra umidade, fricção e produtos químicos.
  • Kit de primeiros socorros.
  • Cones, placas, fitas e outros dispositivos de sinalização: estes materiais, fixos ou provisórios, são utilizados para alertar os colaboradores sobre as condições de trabalho, situações de emergência e para a prevenção de acidentes.
  • Capela Química: protege o manipulador quanto a inalação ou contaminação.
  • Kit de limpeza para o caso de vazamento.
  • Entre muitos outros equipamentos de proteção coletiva.

    Veja Também
    Segurança comportamental ganha relevância na prevenção de acidentes em indústrias químicas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios