Domissanitários – Enzimas lavam roupas sem agredir o ambiente

Química e Derivados, DomissanitáriosEm sintonia com os tempos modernos, as enzimas têm potencial para tornar sustentável uma formulação convencional, atendendo aos anseios dos consumidores que procuram, cada vez mais, produtos de limpeza eficientes e inofensivos ao meio ambiente. Esta é a opinião do especialista em bioinovações Thomas J. Burns, da área de Customer Solutions, da Novozymes North America.

No passado, o pensamento do consumidor era restrito a limpar bem, ou seja, o preço era o grande diferencial entre produtos. Agora, o consumidor quer uma limpeza ecologicamente correta. “As enzimas têm capacidade para melhorar os domissanitários”, afirma Burns, reconhecendo que esses ingredientes estão sendo mais utilizados nas marcas de primeira linha. No caso do mercado brasileiro, no qual trabalhou há alguns anos, a quantidade de produtos de limpeza é grande, com diversos níveis de preços, mas muitas marcas “precisam melhorar a qualidade e a eficácia dos seus produtos”.

Burns acredita que, como o consumidor brasileiro está mais exigente, ele vai acabar procurando um produto multiuso, com várias propriedades agregadas. Não só para tirar manchas, por exemplo, mas também para cuidar da qualidade das roupas. “As enzimas melhoraram a detergência, elas removem manchas e fornecem benefícios antirredeposição de sujeiras”, destacou Burns durante palestra na 10ª Household Auto Care, realizada no início de setembro no Centro de Convenções Frei Caneca, na capital paulista. Pesquisa da Nielsen, realizada em março deste ano, reforça a tese de Burns: 74% dos brasileiros estão dispostos a comprar produtos de empresas com programas de sustentabilidade.

As proteases, amilases, lipases, pectinases e mananases são indicadas para remover as sujeiras complexas. Não à toa, essas enzimas estão, desde os anos 60, cada vez mais presentes em escala global nos produtos de limpeza. As enzimas também mantêm e restauram a aparência de novo do algodão, conservando a cor e a brancura. “Os desenvolvimentos da biotecnologia levaram a mais opções de enzimas para uma faixa de pH mais ampla, mais eficiência a baixas temperaturas, melhor compatibilidade de fórmula (resistência a alvejantes, aniônicos e umidade), atividades isoladas para benefícios específicos e força de produto mais alta, com custos de desempenho mais baixos”, declarou Burns.

Para defender a ideia de que as enzimas também são “acessíveis” aos produtos de limpeza mais baratos, Burns exibiu gráfico com a evolução dos preços das matérias-primas. Estas vêm apresentando comportamento volátil e crescente, “enquanto as enzimas possuem um preço estável”. Assim, a otimização da formulação com enzimas pode garantir mesmo custo e melhor desempenho; ou custo mais baixo e mesmo desempenho. A solução multienzima correta auxilia a aprimorar o desempenho, manter o custo estável e reduzir o impacto ambiental, aproveitando ao máximo o surfactante e substituindo o tripolifosfato de sódio por um sistema alternativo.

Adriana Guerra Maganhotto, gerente de desenvolvimento de novos negócios e marketing da Novozymes Latin America, explicou que, 100% biodegradáveis, as enzimas podem aumentar a produtividade e reduzir o custo de produção para o fabricante, que usa menor quantidade de químicos e cumpre metas de sustentabilidade, colocando um produto de melhor qualidade e baixo impacto ambiental no mercado. E a dona de casa passa a contar com um produto superior, capaz de remover manchas e promover a revitalização dos tecidos.

Segundo Burns, a bioinovação – de enzimas e outros ingredientes baseados em biotecnologia – transformou as formulações de produtos de limpeza nas últimas décadas. “Avanços contínuos são esperados, com mais desempenho nas enzimas e outros itens”, previu. Benefícios ao consumidor: detergentes sem fosfatos, maior poder de remoção de manchas, roupas mais limpas, menor consumo de espaço e capacidade de lavagem a frio.

Assim como acontece nos mercados norte-americano e europeu, Burns vê uma tendência favorável para produtos de limpeza concentrados e líquidos. “Quase todos os detergentes são concentrados duas ou até seis vezes nos Estados Unidos”, relatou. Isso significa economia de água.

Líquido x pó – O mercado global de detergentes líquidos chegou a 4,8 milhões de toneladas em 2011 e deverá atingir 5,9 milhões de t em 2016, substituindo a versão em pó, de acordo com as estatísticas de Adriana. Na América Latina, ela estima que o salto deva ser de 4,2% para 9,9% do total, no período analisado.

Na contramão, os detergentes em pó atingiram a cifra de 11,7 milhões de t em 2011 e deverão chegar a 13,3 milhões de t em 2016. A América Latina é responsável por cerca de 25% do consumo, enquanto nos Estados Unidos a demanda é mínima. Adriana revelou também que 59% dos detergentes contêm enzimas, em escala mundial. Na América Latina, 55%; na Europa, 90%.

“O mercado de detergentes é extremamente competitivo e há uma verdadeira guerra pela preferência do consumidor. Nesse sentido, as enzimas são essenciais, pois grande parte do apelo sobre a capacidade de remoção de manchas, manutenção da cor, entre outros atributos, se baseia no desempenho

das enzimas. Vantagens como o encurtamento dos ciclos de lavagem e operação em temperaturas mais baixas também são potencializadas pelas enzimas e agradam aos consumidores”, declarou Adriana.

Os produtos de limpeza movimentaram R$ 14,4 bilhões no Brasil em 2011, uma elevação de 6,7% em relação ao exercício anterior, pelos dados da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins (Abipla). A expectativa é registrar a cada ano crescimento percentual de dois a três pontos acima do PIB.

Com matriz na Dinamarca, a Novozymes é líder mundial em bioinovação e enzimas industriais. Responde por 47% do mercado global de enzimas industriais, considerandose todos os segmentos (limpeza doméstica, alimentos e bebidas, bioenergia, ração animal e enzimas técnicas, micro-organismos e biofarmacêutica); e detém 70% do mercado mundial na indústria de limpeza doméstica. Na América Latina, este percentual sobe para 92%.

A empresa aposta na inovação para manter a posição. No seu laboratório, em Araucária-PR, único na América Latina, são realizados testes de formulação enzimática para detergentes em pó, líquidos e para sabão em barra. “Considerando só o potencial do mercado brasileiro de produtos de limpeza, temos a certeza de que nossas inovações farão a diferença para o fabricante e para o consumidor. Atualmente, existem 38 novas marcas de detergente líquido no mercado, todas elas sem enzimas. E também há espaço para crescimento no sabão em barra”, destaca Adriana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.