Química

Mercosul – Comércio Exterior – Crise Argentina

Marcelo Fairbanks
3 de março de 2001
    -(reset)+

    Química e Derivados: Comércio Exterior: valvulas.No caso da indústria química, trabalho realizado pela Abiquim, Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), intitulado Estudos Setoriais para Subsidiar as Negociações de Acesso a Mercados – Setor Químico Industrial, salienta que reduzir os níveis de proteção aduaneira praticados atualmente para os produtos químicos “pode afetar a rentabilidade da indústria doméstica e comprometer ainda mais sua capacidade de enfrentar as questões que, pelo lado da oferta interna, contribuíram para o vertiginoso crescimento de importações verificado na década de 90, entre elas: escala, indisponibilidade de matérias-primas e descontinuidade da cadeia produtiva setorial.” Ao mesmo tempo, a Alca poderia ser importante para manter a competitividade setorial na região, desde que corrigida a atual situação de restrição de oferta.

    O documento atribui a baixa competitividade da química brasileira a diversos fatores exógenos, como a carga tributária, o custo dos equipamentos e de captação de capital. Porém, os fatores endógenos, como a baixa integração entre os grupos empresariais locais, com produção concentrada em poucos itens e em baixa escala, características herdadas do modelo tripartite, ainda pesam muito na avaliação.

    A conclusão do estudo aponta para a necessidade de negociar a redução das tarifas protetivas de forma gradual, a médio e longo prazo, de modo a permitir investimentos e reestruturações capazes de recompor a competitividade setorial. Esse tratamento deve ser compatível com o oferecido aos produtos integrantes das cadeias de produção a jusante, evitando descompassos que prejudiquem o setor químico pela falta de compradores locais de seus produtos. No caso de essas diretrizes se revelarem impossíveis, o estudo recomenda adotar para os químicos tratamento igual ao dos produtos para os quais o Brasil ofereça as menores concessões.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *