Química

Cosméticos – Tinturas – Europa começa a banir pigmentos irritativos a Brasil deve seguir medida

Rose de Moraes
13 de novembro de 2008
    -(reset)+

    Custos milionários – Cerca de um milhão de euros é o custo estimado para se desembolsar com pesquisa, desenvolvimento, registro e aprovação de uma nova molécula corante para cabelos. Por isso, o número de novas patentes requeridas nesse campo é relativamente pequeno, abrangendo novas substâncias até que possam, fi nalmente, fi gurar na lista positiva de órgãos regulatórios.

    As principais inovações tecnológicas em moléculas corantes para cabelos, principalmente no campo das tinturas permanentes de oxidação, têm surgido na área de acopladores. Uma das mais importantes, e divulgada recentemente pela revista Cossma, foi desenvolvida pela Henkel. Trata-se de um novo acoplador com melhores propriedades toxicológicas e dermatológicas e que permite a penetração do corante no córtex dos fi os de cabelos, sem provocar danos e alterações na estrutura capilar.

    Os novos acopladores são derivados de metafenileno diamina, contêm várias cadeias alifáticas e permitem desenvolver diversas colorações com boa resistência à luz.

    Não menos difícil e oneroso do que desenvolver novas moléculas, para aprimorar as tinturas sem provocar danos à estrutura capilar, é pesquisar e provar o nexo causal entre determinadas substâncias e seus efeitos adversos provocados aos cabelos e ao couro cabeludo, mas também à saúde como um todo das pessoas.

    Do ponto de vista toxicológico e de segurança, os corantes de oxidação representam uma das principais preocupações de órgãos regulatórios europeus como a Colipa e norte-americanos como a Food and Drug Administration (FDA). Pesquisadores da Universidade de Dortmund afi rmaram, com base em vários estudos epidemiológicos, não existirem evidências de que as tinturas de oxidação constituam risco à saúde humana associado ao aparecimento de câncer. Professores da University Hospital Nijimegen, da Nova Zelândia, por sua vez, concluíram que corantes como parafenilenodiamina e paraaminobenzeno aumentaram o risco de sensibilização da pele e de surgimento de dermatites de contato. Vários trabalhos já publicados em revistas da área médica e de toxicologia atestaram que houve aumento no surgimento de linfomas em mulheres que usaram tinturas de oxidação antes de 1980. Publicações recentes divulgadas pela FDA relataram estudos sobre os efeitos tóxicos do acetato de chumbo até pouco tempo atrás aceito em tinturas, associados ao surgimento de alguns tipos de câncer, incluindo leucemia, linfomas, câncer de bexiga, entre outros. Alguns pesquisadores chegaram a afi rmar que o excesso de alcalinidade presente nas colorações pode até destruir células cerebrais.

    Os efeitos adversos de tinturas capilares foram e continuarão sendo pesquisados e relatados por publicações científicas, abrangendo desde irritações na pele e alergias até intoxicações mais graves. As reações alérgicas mais freqüentes incluem vermelhidão, feridas, ardor, comichão e desconforto. Em vários casos, a principal causa dessas reações foi atribuída à para-fenilenodiamina, presente na maior parte das tinturas de oxidação e considerada responsável por provocar desde irritações até edema de glote.

    A fragilização, o desbotamento, o ressecamento e o rompimento dos fi os de cabelos são alvos de preocupação permanente de várias empresas dedicadas ao fornecimento e fabricação de novas matérias-primas e ingredientes para uso em tinturas ou em cosméticos pós-tinturas a serem utilizados para manter os cabelos saudáveis ou mesmo reverter fi os danifi cados pelo uso de produtos de qualidade duvidosa ou que foram aplicados sem os devidos cuidados e precauções. Segundo Souza, o processo de tingir os cabelos oxida as melaninas, clareando-as, e destrói as ligações peptídicas que são responsáveis pela elasticidade dos fi os. Por isso, é muito importante enriquecer as formulações com ativos que possam restituir a massa capilar, responsável pela resistência e pela força dos fi os, bem como a maciez e o brilho naturais das fi bras. “A grande difi culdade é desenvolver ingredientes ativos estáveis para uso em tinturas oxidativas porque as formulações apresentam faixas extremas de pH”, considerou Souza.

    Por isso, a variedade de ativos para incorporação direta às tinturas pode ser considerada relativamente reduzida. A Cosmotec oferece ao mercado nacional o polímero catiônico Merquat 280 (Polyquarternium 22), cuja ação pode ocorrer em ampla faixa de pH, desde 3 pH até 12 pH. Tal característica possibilita seu emprego diretamente nas fórmulas das tinturas. “O principal benefício do Merquat 280 é oferecer maciez e proteção às fi bras dos cabelos durante o processo oxidativo”, afi rmou Souza. Especialmente desenvolvido para proporcionar condicionamento aos cabelos quimicamente tratados, esse polímero também contribui para o desembaraço dos fi os, facilitando a penteabilidade a úmido. Esse ingrediente também pode ser utilizado em produtos para permanentes e para descoloração.

    Outro ativo inovador disponibilizado pela Cosmotec é o Abil UV Quat 50. Trata-se de uma mistura de polímero catiônico de silicone (polissilicone 19) e de ácido metoxicinamico, desenvolvida para a manutenção da cor de cabelos tingidos, para uso em cremes, condicionadores, xampus e máscaras capilares. “A característica catiônica de Abil UV Quat 50 faz com que esse ativo apresente afinidade com a queratina natural dos cabelos, formando uma fina camada protetora sobre os fios que irá absorver os prejudiciais raios UV, tanto em produtos leave-on quanto enxaguáveis”, acrescentou Souza.



    Recomendamos também:









    1. maria

      Boa tarde,
      Também tenho medo de tinta devido ao ppd…mas fenilendiaminas (diaminotoluenos), não é o mesmo? a syoss penso que usa fenilendiaminas (diaminotoluenos), na sua fórmula.


    2. Sonia Alves

      Já estamos em 2016 e até agora continuo aguardando que essa lei entre em vigor aqui no Brasil. Sou alérgica ao PPD, já utilizei a coloração 10′ da L’Oreal que há alguns anos foi colocada em nosso mercado, não tive nenhuma reação negativa no couro cabeludo mas ela, infelizmente, rapidamente foi retirada das lojas sem ninguém saber porque…



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *