Cosméticos – Pandemia aumenta a demanda de produtos para cabelos

Química e Derivados - Cosméticos - Pandemia mexe com formulações ©QD Foto: iStockPhotos
Maria Letícia: cuidados chegam também ao couro cabeludo

Impactos – Menos impactada do que outras categorias do mercado de cuidados pessoais, a indústria de produtos para os cabelos se beneficiou, em alguma medida, dos efeitos da Covid-19. O distanciamento social, por exemplo, como constatou Ferreira, incentivou as pessoas a buscarem rotinas mais simples, com menor uso de produtos, além de itens que promovessem maior bem-estar e realçassem a beleza natural do cabelo, elevando assim o consumo de xampus e condicionadores.

Segundo Amanda Nogueira Cari­dad, especialista sênior de beleza e cuidados pessoais da Mintel Brasil, diferentemente do ocorrido na Ásia e nos Estados Unidos, os brasileiros se tornaram mais assíduos com a limpeza e a higiene dos fios dos cabelos, como medida preventiva para a disseminação da Covid-19. Karina acompanhou na prática esse movimento. “Produtos que endereçam claims de detox, antipoluição e proteção contra elementos externos têm uma nova aceitação pelos consumidores com medo da exposição ao vírus, além de estarem cada vez mais presentes na rotina do consumidor preocupado em higienizar o cabelo após retornar da rua”, afirma.

Categorias de produtos negligenciadas no passado, como a de cuidados com o couro cabeludo, passaram a receber investimentos como nunca antes. Segundo a Mintel, a saudabilidade dessa parte do corpo ganhou importância entre os consumidores, recentemente. Pesquisa revelou que 34% dos brasileiros afirmaram que teriam interesse em produtos concebidos para melhorar a saúde do couro cabeludo. Para Agda, produtos mais seguros, suaves e menos irritantes para o couro cabeludo compõem hoje um nicho de mercado que vem ganhando destaque seja na proteção ou na redução de queda capilar.

Química e Derivados - Cosméticos - Pandemia mexe com formulações ©QD Foto: iStockPhotos
Amanda: limpeza e higiene dos cabelos aumentou no Brasil

Sabe-se hoje que o consumidor deseja produtos capazes de oferecer mais do que a possibilidade de embelezar os cabelos. A ideia agora é tratá-los. Segundo Daniel Coelho, coordenador de marketing da área Care Solutions para a América Central e do Sul da Evonik, o conceito ‘couro cabeludo como pele’ permitiu que os mesmos cuidados anti-idade dedicados à pele valessem também para a esfera dos cabelos. Atenta à novidade, a Evonik oferece uma variedade de ingredientes ativos que abrangem precursores de ceramidas e ceramidas nos produtos Sphingony ou Hairflux, respectivamente, biotina e cafeína do Rovisome Biotin, uma combinação de ativos encapsulados que melhoram a densidade e o crescimento dos cabelos.

Não por acaso, o lançamento da Clariant é o ingrediente ativo Equiscalp. Derivado de células tronco vegetais da maçã fuji, o produto, segundo Luciana Rodrigues, gerente de aplicação e desenvolvimento de produtos para os cuidados do cabelo, é eficaz na proteção do couro cabeludo frente aos diversos agressores que provocam sensibilização local e promove benefícios como a redução de eritema, descamação e oleosidade, além de preservar o microbioma do couro cabeludo. Essa novidade está alinhada à tendência de mercado Skinification of Hair Care – apresentada no guia anual BeautyForward da Clariant – que aborda as influências do mercado de pele sobre a categoria de cuidados com o cabelo, em específico para a saúde do couro cabeludo.



Química e Derivados - Cosméticos - Pandemia mexe com formulações ©QD Foto: iStockPhotos
Luciana: surfactantes suaves substituem sulfato e silicone

Vale lembrar que a companhia possui um Centro de Competência Global (gCCH), gerando parcerias com as indústrias de produtos para os cabelos da China, Coreia do Sul, Turquia, Alemanha, Holanda, Estados Unidos, México, Colômbia, Chile e Brasil. A linha Genadvance é um dos lançamentos do centro. Trata-se de uma nova geração de agentes condicionantes que consiste de três ingredientes, cada qual responsável por resolver diferentes problemas capilares: “Life” (poliquaternium-116 e butilenoglicol), para cabelos maltratados; “Repair” (quaternium-98), para cabelos danificados; e “Hydra” (lauril/miristil polirrinicinoleato e glicerina), para cabelos secos.

Verde – O mercado de cuidados capilares a cada ano confirma sua inclinação à massificação dos produtos com apelo sustentável. Levantamento da Mintel realizado em abril deste ano aponta que 28% dos brasileiros declararam preferir usar produtos capilares formulados com ingredientes naturais. Além disso, 43% dos brasileiros entrevistados demonstraram interesse por ingredientes naturais originários do Brasil, como o açaí e o cupuaçu. A indústria sabe disso. De acordo com a análise sobre o total de produtos de cuidados capilares lançados ao redor mundo, aqueles do claim botânico/herbóreo corresponderam a 63,4%.

Segundo Coelho, o ponto crítico de seguir esse movimento é conseguir entregar produtos com teor relevante de ingredientes naturais, mas que apresentem desempenho igual ou superior ao das suas referências de mercado. “Os formuladores são desafiados a desenvolver soluções que combinem ingredientes com perfis mais sustentáveis nas suas inovações”, comenta.

De acordo com Amanda, é esperado que, no futuro, o famoso conceito de “beleza limpa” (ou Clean Beauty) evolua para apenas “beleza”, sendo mandatório que as marcas se adaptem para a criação de produtos que além de ingredientes naturais ou biotecnológicos, também ofereçam credenciais sustentáveis, relacionadas à produção limpa e às embalagens com impacto positivo, por exemplo.

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios