Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal

Cosméticos – Formuladores se dividem entre antioxidantes naturais ou sintéticos

Hamilton Almeida
16 de novembro de 2011
    -(reset)+

    A avaliação de Hemerly é que os antioxidantes tradicionais ainda mantêm as preferências dos clientes, pois possuem um conjunto de observações bem estabelecidas sobre eficácia e segurança. Ele explica: “Muitos dos novos agentes antioxidantes necessitam de mais estudos (in vitro e in vivo) para comprovação do potencial antioxidante e da segurança. Os principais métodos empregados para avaliação do potencial antioxidante são o método do radical 2,2-difenil-1-picrihidrazilo (DPPH) e o de sequestro do ânion superóxido. Investigações de interação química (perda de atividade antioxidante ou ganho por sinergismo) na formulação também precisam ser avaliadas durante todas as fases de desenvolvimento do produto.”

    E exemplificou: “Numa formulação, a atividade antioxidante de emulsões contendo óleos vegetais é dificultada pela presença de uma variedade de componentes ativos na fórmula, pela incompatibilidade entre óleos e soluções-tampão utilizadas na medida da atividade doadora de H (métodos principais de avaliação), e pela falta de solubilidade dos componentes hidrofóbicos da formulação.”

    Outra novidade, continua Hemerly, é que “além das propriedades esperadas (hidratantes, emolientes e condicionantes), muitos agentes antioxidantes novos apresentam, também, atividade antimicrobiana (óleos essenciais) e anti-inflamatória (extratos com flavonoides e polifenóis). Assim, ativos extraídos de cascas, folhas, raízes, sementes ou frutos ganham, a cada dia, destaque entre os produtos cosméticos”.

    Hemerly também é testemunha de que o mercado de antioxidantes está em pleno desenvolvimento e inovando continuamente: “Antioxidantes naturais, como as vitaminas C e E, bem como derivados quimicamente modificados com maior estabilidade (como o ascorbil-fosfato de magnésio ou sódio), estão presentes nos mais diversos produtos cosméticos”, informou. “Porém, em sintonia com a moda da ‘beleza verde’, que atrai consumidores em busca de produtos orgânicos e naturais, encontram-se os antioxidantes oriundos de fontes naturais e vegetais, como os ativos da Amazônia. Óleos e extratos vegetais com propriedades antioxidantes são oferecidos, sob a ótica do emprego sustentável de antioxidantes de fontes vegetais, com a vantagem de reduzir os impactos ambientais decorrentes da utilização de compostos sintéticos.”

    Cristina, da Sarfam, observa que os consumidores estão muito mais atualizados e, com alto poder de informação, buscam produtos que ofereçam melhor relação de custo/benefício. Mas não é só isso. “O custo pode ser tanto o mais acessível, como o mais alto. Porém, o benefício e a eficácia devem ser reais”, alertou. Ela afirma que, atualmente, vivemos um ciclo de vida diferente de algumas décadas atrás, sendo a preocupação com a beleza comum a todas as idades, sexos e classes sociais. Ela considera que há também, dentro destes parâmetros, uma diversificação de necessidades, motivando a busca incessante de novas tecnologias para o desenvolvimento de produtos cada vez mais completos que retardem o envelhecimento.

    O responsável técnico da Adrivan observa também que muitas substâncias antioxidantes serão identificadas e avaliadas pela sua sustentabilidade ambiental e facilidade de manejo. Contudo, as novidades nesse mercado, além do reforço da busca por fontes naturais e vegetais, ficarão por conta da extensão dos conceitos de sustentabilidade, eficácia e segurança. “A sustentabilidade tem sido ampliada à aplicação. Já os consumidores, com a intensificação e a velocidade da informação, estarão mais familiarizados com os testes de eficácia, bem como com a validade, a qualidade e a interpretação dos resultados dos testes de eficácia”, comentou.

    Por outro lado, parece certo que o maior uso de derivados de óleos vegetais exige mais antioxidantes que os sintéticos. Hemerly faz uma ressalva e diz que a comparação entre os óleos vegetais e sintéticos deve começar pela estrutura química. “Outro cuidado que deve ser tomado é que alguns óleos sintéticos não são óleos, e sim polímeros. Um exemplo são os óleos de silicone (na verdade, um polímero biodegradável de aparência oleosa) com longa cadeia carbônica hidrofóbica; porém, diferentemente de outros óleos, possuem unidades de silício-oxigênio ligadas a grupamentos metila”, disse.

    Ele explicou ainda que muitos óleos vegetais são compostos por uma mistura de ácidos graxos, triglicerídeos, lipídios e substâncias antioxidantes lipossolúveis (como, por exemplo, tocoferóis). “Portanto, para afirmarmos que o maior uso de derivados de óleos vegetais exige mais antioxidantes que os sintéticos, devemos levar em conta os seguintes aspectos: a composição do óleo, a estrutura química dos seus principais constituintes e a sua estabilidade em emulsões e/ou formulações”, avaliou.

    A Adrivan revende vitaminas C e E e derivados, BHT, BHA e óleos vegetais. A empresa pretende nos próximos anos ampliar os seus investimentos na área de insumos cosméticos, intensificando, principalmente, a oferta de antioxidantes

    química e derivados, cristina unten, sarfan, ingredientes naturais

    Cristina: além de antioxidante, ativo também é antiglicante

    vegetais.

    Representante de renomadas empresas internacionais que possuem ampla expertise em ativos oxidantes, a Sarfam busca, de acordo com Cristina, atualizar sempre o seu portfólio de ativos com ingredientes de alta tecnologia. “Um dos estudos recentes sobre o processo de oxidação que sofremos em razão de fatores intrínsecos e extrínsecos é o de glicação das proteínas.” O nosso organismo está exposto às AGEs (Advanced Glycation End Products – Produtos Finais da Glicação Avançada), que são substâncias conhecidas pela ciência que aceleram o envelhecimento.

    Para frear este processo de envelhecimento, um dos ativos que a Sarfam apresenta é o Plantec Olive Active HP: um ativo natural completo com ação antioxidante e antiglicante que protege a barreira cutânea contra a degradação das proteínas. Um produto formulado com este ativo traz excelentes benefícios: regeneração, proteção, tonicidade, uniformidade e hidratação para a pele.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *