Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal

Cosméticos – Combinações adequadas dos tensoativos deixam a pele e os cabelos mais limpos e saudáveis

Marcelo Fairbanks
15 de novembro de 2009
    -(reset)+

    A tendência de aumentar o conteúdo “verde” dos cosméticos é inegável, segundo ele. Mas, mesmo assim, os clientes querem receber um insumo de qualidade homogênea, devidamente transformado, destilado e padronizado. Essas operações são feitas nos sítios da companhia espalhados pelo mundo. “Estamos em processo de globalização, com fábricas novas na América Latina, África e Ásia, embora as fontes para o Brasil ainda sejam as unidades da Europa e dos Estados Unidos”, disse. O país produz a linha Crodamazon de óleos vegetais oriundos da Amazônia, em associação com comunidades da região.

    Gonçalves aposta na vegetalização das formulações, mas acredita que a mudança será feita por etapas. Isso se explica pela necessidade de modificar a formulação de cada produto, alguns dos quais atenuarão algumas propriedades hoje possíveis pela presença de componentes sintéticos. Além disso, a Croda se esforça para fixar no mercado a percepção de que os produtos de origem animal são também naturais. “O mel, a seda, as proteínas lácticas e também a lanolina são naturais”, explicou.

    Ao mesmo tempo em que se mantém ligada aos desejos dos clientes, a Croda finaliza o processo de incorporação da Uniqema, antiga divisão da ICI, comprada há dois anos. “Neste ano terminaremos a racionalização das marcas e do portfólio, processo demorado porque a Uniqema tinha mais de dez mil itens”, comentou. O portfólio atual da Croda é capaz de suprir todas as necessidades dos formuladores. “Temos pelo menos um insumo em cada formulação de produtos cosméticos e de higiene pessoal”, informou. Ele prevê um crescimento de 8% desse mercado em 2009, afetado ligeiramente pela crise global.

    A globalização também se reflete na velocidade de transmissão de conceitos, influenciando as solicitações dos clientes. “As novidades que aparecem na Cosmetique aparecem no Brasil em menos de dois meses, é um processo muito rápido”, salientou. A Croda, por sua vez, concentra esforços nas especialidades, normalmente suportadas por inovações capazes de diferenciar os produtos finais que as contenham.

    A companhia busca atender à demanda de mercado por produtos menos agressivos pela mudança do tensoativo primário (o LESS) ou mediante a inclusão de cosurfactantes. Como a substituição do surfactante principal exigiria altos volumes, ainda indisponíveis, a melhor alternativa é a associação de insumos.

    Química e Derivados, Sérgio Gonçalves, Gerente de marketing para a América Latina da Croda do Brasil, Tensoativos

    Sérgio Gonçalves: sarcosinas e sarcosinatos abatem a irritabilidade dos xampus

    A Croda oferece a  ampla linha Crodasinic de tensoativos aniônicosobtidos de acil sarcosinas (ácidos de cadeia longa e origem natural, combinados com o aminoácido sarcosina) e sarcosinatos (sais). “Com um terço da concentração de ativos em base seca, o Crodasinic LS-30, indicado para xampus e cosméticos, consegue reduzir a irritabilidade do sistema”, explicou Gonçalves. O produto aumenta a formação de espuma por apresentar sinergia com outros tensoativos, como o lauril sulfato de amônio ou a cocoamidopropil betaína, oferecendo alta umectação e dispersão na faixa de pH entre 6 e 7.

    Também prevê bons resultados para o Cromoliente SCE, diéster alcoxilado de ácido adípico e álcool mirístico propoxilado etoxilado, na atenuação da irritabilidade dos aniônicos primários nos quais é solúvel, admitindo posterior dispersão em água. É indicado para produtos transparentes, oferecendo sensação de suavidade e excelente penteabilidade após o uso, com propriedade desembaraçante. Pode ser usado para solubilizar a benzofenona-3. “É recomendado especialmente para xampus de bebês e artigos para peles sensíveis”, comentou Gonçalves.

    O portfólio contempla ainda a linha de alcanolamidas Incromide, não-iônicos de amplo uso em formulações, atuando como promotores e melhoradores de espuma. A espuma é considerada de melhor qualidade quando as bolhas formadas têm menores dimensões e maior estabilidade. Isso confere um aspecto cremoso, muito apreciado pelos consumidores.

    Entre os surfactantes especiais, Gonçalves destaca como promissor o Adinol CT-95, metilcocoil taurato sódico, indicado para pastas de dentes, antissépticos bucais e também em xampus neutralizantes e limpadores para pele e rosto. As sultaínas, como a Crosultaine C-50 (cocoamidopropil hidroxisultaína), superam as betaínas na formação de espuma e na suavidade, sendo aplicadas em xampus, condicionadores, tinturas capilares e produtos para limpeza de pele.

    Química e Derivados, Luciene Nii, Responsável pelo atendimento técnico-comercial de especialidades para a América do Sul da Ajinomoto, Tensoativos

    Luciene Nii: aminoácidos são bem aceitos nos xampus mais suaves

    Aminoácidos crescendo – Tensoativos feitos com base em aminoácidos aliam suavidade e bom desempenho em formulações de xampus e, ao mesmo tempo, satisfazem os requisitos de origem natural e de elevada biodegradabilidade. É o caso das linhas Amisoft e Amilite de tensoativos aniônicos da Ajinomoto, utilizadas no Brasil desde 1998. “Temos boa aceitação em xampus para cabelos, em especial nos produtos infantis que exigem mais suavidade”, explicou Luciene Nii, responsável pelo atendimento técnico-comercial de especialidades para a América do Sul da Ajinomoto.

    Ela comentou que o mercado de produtos capilares no Brasil é muito amplo, com peso maior que os produtos de pele. Os aminoácidos também originam umectantes. “O mercado, porém, tem muitos lançamentos e está aberto a novos conceitos e matérias-primas”, avaliou.

    Os produtos Amisoft são derivados de ácido glutâmico, obtido pela fermentação de melaço de cana e amido de batata com óleo de palma. Dois dos tipos têm certificação Ecocert, o CS-22 e o HS-11, sendo reconhecidos como naturais.

    Ambas as linhas são usadas como tensoativos primários em xampus premium, na Europa, mas também atuam como surfactantes secundários, ou mesmo terciários, em linhas de produção em massa. Luciene comenta que esses produtos podem ser incorporados à conhecida dupla LESS e anfóteros na dosagem de 2% a 4% em peso, proporcionando melhor suavidade e formação de espuma. Os produtos Amisoft proporcionam sensorial mais agradável que os Amilites, estes derivados de glicina, um dos componentes do colágeno.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *