Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal

Cosméticos: Anvisa prepara norma para aumentar rigor e ampliar tipos de produtos infantis

Antonio C. Santomauro
30 de maio de 2014
    -(reset)+

    A Oxiteno, destaca Lopes, disponibiliza soluções para todos esses segmentos. Os produtos para bebês, por exemplo, em busca da suavidade se valem de doses mais intensas de produtos utilizados como cotensoativos, próprios para acentuar essa característica. “Nesse caso, temos em nosso portfólio betaínas, alcanolamidas, modificadores reológicos e sulfosuccinatos”, detalha. “Temos também óleos minerais brancos – usados em óleos e loções para bebês –, e glicerina, importante umectante em algumas formulações”, complementa.

    Para o mercado kids a Oxiteno disponibiliza, entre outras opções, ésteres emolientes, lactilatos, sulfosuccinatos, e óleos minerais, além do tradicional tensoativo primário lauril-éter sulfato de sódio (LESS). Nos produtos para bebês, predominam surfactantes primários mais suaves, geralmente anfóteros.

    E, considerando o segmento composto pelos adolescentes, a oferta da Oxiteno inclui soluções especificamente desenvolvidas para formulações nas quais há fragrâncias. “A combinação adequada de tensoativos, emolientes e hidratantes pode promover a deposição (long lasting), ou liberação (blooming) de fragrâncias”, explica Lopes.

    Ele cita, como produto de sua empresa com demanda crescente na indústria de higiene pessoal e cosméticos infantis ou mesmo para adultos, o Alkont EL 3645, um modificador reológico apto a também desempenhar funções secundárias em uma formulação, com a qual pode colaborar para acentuar características como emoliência, suavidade e hidratação. Derivado de milho, esse produto pode ser usado em diversas aplicações, de xampus, sabonetes líquidos e hidratantes até protetores solares e sabonetes íntimos. “Diferentemente de outras opções hoje existentes no mercado, ele pode ser utilizado em formulações transparentes”, ressalta Lopes.

    Química e Derivados, Renata: produtos para restaurar o sebo da pele dos bebês

    Renata: produtos para restaurar o sebo da pele dos bebês

    Apelo natural – Sendo a suavidade e a segurança requisitos fundamentais dos cosméticos e produtos de higiene destinados às crianças, parece facilmente justificável o fato de estarem as empresas fornecedores de seus ingredientes associando de maneira cada dia mais incisiva sua oferta à crescente demanda por produtos qualificados como de origem “mais natural”, provenientes, na maioria das vezes, de vegetais (demanda essa, aliás, hoje vigente em toda a indústria de cosméticos e higiene pessoal, não somente para o público infantil).

    Tal tendência é confirmada por Renata Solfredini, gerente de marketing da área de personal care da Croda. “Nesse mercado, os produtos de origem natural são hoje percebidos como mais adequados; exige-se, por exemplo, xampus livres de sulfatos, emulsionantes sem etoxilados e condicionadores de fontes naturais e biodegradáveis”, detalha.

    Atenta a essa necessidade, a Croda, conta Renata, oferece uma linha muito extensa de produtos naturais: por exemplo, condicionantes à base de catiônicos behênicos e metossulfatos, e tensoativos suaves com base no lauril sarcosinato de sódio. Disponibiliza também emolientes de origem integralmente vegetal e emulsionantes especiais de baixo impacto em pele, para loções e lenços umedecidos. É o caso da linha NatraGem, desenvolvida com base em estearatos e óleos vegetais.

    E é exatamente a oferta de produtos oriundos de fontes renováveis um dos mais relevantes diferenciais mercadológicos da Beraca, que fornece para fabricantes de cosméticos e também para outras indústrias, como a de alimentos, ingredientes oriundos da biodiversidade da Amazônia e de outras regiões brasileiras.

    Química e Derivados, Vanessa: óleos de buriti e maracujá nas formulações

    Vanessa: óleos de buriti e maracujá nas formulações

    Em versões como óleo de buriti e óleo de maracujá, a Beraca fornece componentes de sua linha RainForest para a produção de cremes, condicionadores e sabonetes, entre outros itens posicionados para crianças (e em alguns casos, também para gestantes). “Sugerimos a utilização desses ingredientes em substituição aos óleos minerais e silicones”, informa Vanessa Salazar, gerente comercial da empresa.

    Ainda de acordo com Vanessa, a Beraca provê manteiga de cupuaçu, utilizada em sabonetes e hidratantes – inclusive infantis –, e a chamada ‘argila branca da Amazônia’ para conferir a característica de secura a talcos para bebês (muitos desses talcos são hoje oferecidos em forma cremosa, para evitar a inalação).

    Além disso, a Beraca oferece uma alternativa mais natural a componentes qualificados por ela como “críticos” no processo de desenvolvimento de cosméticos infantis: os conservantes, que apesar de presentes nas formulações em baixas concentrações, têm enorme potencial de irritação.

    Atualmente, com explicou, prevalecem nessa função de conservantes opções como a metilisotiazolinona e os parabenos, que estão porém perdendo espaço pelo potencial de geração de efeitos indesejáveis. “Nós comercializamos no Brasil a linha da empresa Dr. Straetmans, composta por conservantes totalmente naturais: são ácidos orgânicos provenientes de fontes como cana de açúcar ou amido de milho”, enfatiza Vanessa.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *