Alimentos e Bebidas

Corantes: Indústria de alimentos adere aos corantes naturais

Marcelo Furtado
24 de novembro de 2003
    -(reset)+

    Química e Derivados: Corantes: Colheita de Cochonilha - carmim estável e versátil.

    Colheita de Cochonilha – carmim estável e versátil.

    Os desenvolvimentos englobaram as principais famílias cromáticas dos corantes naturais: amarelo (curcumina, luteína, carotena); a laranja (urucum e páprica); vermelho (carmim, licopena, betanina e antociana) e verde (clorofila). Mas, de forma específica, prevaleceram nos cinco corantes naturais considerados de maior importância no mercado mundial: o urucum, a páprica, a cúrcuma, as antocianinas e o carmim de cochonilha.

    No caso do aspecto tecnológico, destacam-se os esforços de alguns grandes laboratórios para tornar os corantes solúveis em água. Isso foi possível, segundo explicou o pesquisador do Ital, Paulo Nogueira, com o encapsulamento dos corantes em bases de amido, gomas e gelatinas, tornando-os uma emulsão. “Isso ampliou o uso para outros produtos, tendo em vista que a maior parte deles, sobretudo os carotenóides e antraquinonas, eram apenas lipossolúveis”, afirma.

    Houve mudanças ainda mais técnicas. Um exemplo foi pesquisa e desenvolvimento realizada pelo maior fornecedor mundial de corantes naturais: a dinamarquesa Chr. Hansen, grupo fundado em 1874 e com fábricas em todo o mundo, inclusive no Brasil, em Valinhos-SP. O caso envolveu o nacionalíssimo urucum, de onde é extraído o pigmento de bixina, responsável por tonalidades de laranja e aplicado em queijos, salsichas, carnes, doces e até cosméticos.

    Química e Derivados: Corantes: Munuera - naturais embutem outros ganhos.

    Munuera – naturais embutem outros ganhos.

    Interessada em expandir o uso do urucum para um mercado onde havia limitação técnica, a Chr. Hansen desenvolveu um grade resistente a pHs ácidos para tornar o urucum possível de ser aplicado em bebidas carbonatadas e sucos.

    “Os fabricantes, nem se quisessem utilizar o natural nessas aplicações, conseguiriam. A única alternativa técnica era utilizar os sintéticos”, explicou o gerente de vendas da Chr. Hansen, Marcos Munuera. Mas, com um desenvolvimento tecnológico mantido em sigilo, a empresa conseguiu criar um corante hidrossolúvel resistente a pHs abaixo de 3 e denominado acid proof (à prova de ácido).

    Um outro fato associado a esse desenvolvimento da CHr. Hansen permite visualizar o panorama atual do mercado de corantes para alimentos. Embora Munuera afirme que o novo produto resistente tenda a ganhar cada vez mais mercado, ele ainda esbarra em um fator decisivo: o custo. Em comparação com o sintético concorrente, o amarelo crepúsculo, fica fácil entender a sua preocupação. Enquanto a concentração de pigmento no corante sintético é de 85% a 95%, no urucum hidrossolúvel acid proof é no máximo de 3%. Quando se compara o preço por quilo, então, a briga fica desigual: o sintético sai por US$ 9,00, enquanto o acid proof por US$ 25,00.

    Mas para o gerente da Chr. Hansen esses valores não deveriam ser levados tão em conta pelos clientes. Sobretudo ao se considerar que no custo final do produto o corante, com sua concentração média de 0,01%, tem peso irrisório. “Cerca de 90% do custo de uma bebida ou alimento processado vem da embalagem e o restante se divide em açúcar, aroma e demais ingredientes”, diz. “Aos poucos, porém, eles vão compreender isso”, diz.

    Ainda na sua opinião, muitos tomadores de decisão da indústria de alimentos no Brasil não se deram conta dos ganhos com a adoção de tecnologias naturais. Um caso exemplar é o da indústria de balas e confeitos, que poderia utilizar versões simples de corantes naturais hidrossolúveis. “Ainda nenhum empresário do ramo no Brasil teve o insight de lançar uma bala apenas com ingredientes naturais, a despeito do nosso esforço de venda”, diz Munuera. “Se o fizessem, com certeza criariam um diferencial no mercado com ótimas chances de retorno”, completa.

    Segundo Munuera, há casos clássicos no mundo de lançamento de linhas totalmente naturais de balas, que se mostraram um sucesso. Cita o exemplo de empresa australiana que lançou uma linha All Natural e um ano depois quadruplicou seu faturamento, sendo na seqüência adquirida por um dos maiores grupos mundiais do ramo, a americana Mars.

    A visão mais imediatista desses empresários priva o mercado brasileiro de confeitos similares ao de outros países. Não por menos, a Chr. Hansen no Brasil fornece sua extensa linha de corantes naturais, nesse segmento, apenas para exportadores, obrigados a atender determinações de vários países que proíbem os sintéticos em balas. É o caso, por exemplo, dos países nórdicos, preocupados com o grande consumo de balas por crianças.

    Química e Derivados: Corantes: Plantação de mudas de urucum - selecionamento.

    Plantação de mudas de urucum – selecionamento.

    Ajuda dos clientes – Também seria injusto generalizar condutas reticentes aos corantes naturais na indústria brasileira. Pelo contrário, o movimento de adesão, embora não ocorra na velocidade esperada pelos fornecedores, justifica um crescimento médio anual no consumo entre 5% e 9%. De forma geral, além das aplicações já tradicionais e antigas dos corantes, como por exemplo o urucum e o carmim em embutidos e salsichas, novos usos surgem, motivados por desenvolvimentos dos próprios clientes e onde é possível agregar o valor um pouco maior oriundo dos ingredientes naturais .

    Do lado das iniciativas com origem no trabalho dos clientes, trata-se, em primeiro lugar, da interação dos produtos com as embalagens. Por serem na sua maioria degradáveis e sensíveis à luz, calor, oxigênio e a microrganismos, com o uso de embalagens com barreiras a essas condições os corantes naturais tornaram-se mais viáveis. Esses problemas são ainda mais graves nos carotenóides, onde as cadeias de duplas ligações conjugadas, de acordo com o pesquisador do Ital, Paulo Nogueira, catalisam a reação de degradação.



    Recomendamos também:








    7 Comentários


    1. francisco de assis silva

      bom dia meu nome assis gostaria de saber se voces tem um corante p usa em biscoito pois fabricamos uns biscoito e sai muito branco , e gostaria q ele fosse a Cor do biscoito de maizena da fortaleza


    2. Juliana

      Bom dia.

      Preciso dos corantes naturais abaixo, é possível o envio de uma amostra.

      Antocianina;
      Spirulina;
      Clorofila.

      Obrigada.

      Att.


      • Ale

        Prezada Juliana,

        Entre no guiaqd.com.br e pesquise por corantes naturais, você pode solicitar orçamento para múltiplas empresas de uma única vez.

        Att
        Alexandre


    3. PROJECOR 10
      ELABORAMOS UM PROJETO ESPECIAL PARA PRODUTORES DOS SEGUINTES SEGMENTOS
      1-SUCOS CONCENTRADOS DE MANGA TAMBEM COM APROVEITAMENTO DAS CASCAS RICAS EM BETA CAROTENO NATURAL
      2-SUCOS DO ASSAI
      3-PROCESSO DE ENVASE MANUAL, SEM O USO DE MOTORES
      4-SUCOS DE LARANJA, APROVEITANDO AS CASCAS QUE SÃO RICAS EM VITAMINA C
      5-CONDIMENTOS E TEMPEROS EM GERAL.
      6-EXTRAÇÃO DO SUCO DE UVA
      7-EXTRATO DE SUCUPIRA
      COMO TAMBEM CORANTE EXTRAIDO DA CENOURA.
      E DE EXTRATO DE TOMATE MISTURADO COM CURCUMA BEM CONCENTRADA.
      ENFIM TODOS OS PROCESSOS SÃO NATURAIS.
      PARA MAIORES ESCLARECIMENTOS ENTREM EM CONTA PELO EMAIL ABAIXO DESCRITO
      extracon.decio@gmail.com


    4. Rinaldo de Oliveira Verçosa - Me (Boigold Saúde e Prevenção Animal)

      Boa tarde, estou procurando empresas que fabrica corante em pó, para mistura de premix nutrição animal.


      • O objetivo principal da CAROBRAS não e superestimar seus projetos e de certa forma prestigiar os produtores no Brasil, pois estamos sendo invadidos por vários países como Colômbia, México e Peru apresentando produtos similares. Desprestigiando os produtores brasileiros

        O QUE A PROJECOR OFERECE AO MERCADO
        1.PROCESSO DE EXTRAÇÃO DE CORANTE DE URUCUM+TOMATE EM PÓ OU MESMO LIQUIDO+ CENOURA.PIMENTAS DE TODOS OS TIPO. E FARINHA DE ARROZ, E OUTROS, COMO CRAVO E LICETINA-DE SOJA E FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS PARA FRIGORIFICOS E TAMBEM PAPRICA.
        ETC.
        EQUIPAMENTOS
        4 CAIXAS DE AGUA DE 500 LITROS CADA
        2 PENEIRAS
        2 BOMBAS DE 2HP
        ISTO QUER DIZER QUE PODERÃO PRODUZIR POR DIA 500 LITROS DE CORANTE NUMA CONCENTRAÇÃO ALTA, EVIDENTE DEPENDENDO DO TEOR ENCONTRADO NAS SEMENTES DE URUCUM.
        COM ALGUMAS ALTERNATIVAS DE USO

        VALOR DO PROJETO A COMBINAR
        MAIS AS DESPESAS DE LOCOMOÇÃO E ESTADIA QUE NÃO DEVE PASSAR DE 3 DIAS.
        LEMBRANDO QUE NO MOMENTO ME ENCONTRO EM SP.
        Temos também o processo abaixo descrito

        MANENVASE
        TEMOS UM PROJETO ONDE NÃO USAMOS QUALQUER TIPO DE MOTORES E SERVIRA PARA EMBALAR PRODUTOS
        TANTO LIQUIDO COMO EM PÓ,E QUE PODERA SER USADO ATÉ EM QUANTIDADES MAIORES. DE 10 ML. ATÉ 50 LITROS OU 50 QUILOS OU MAIS.
        TEMOS TAMBEM UM PROCESSO QUE ENVASA 2 LIQUIDOS DIFERENTES, OU SEJA DE UM LADO PIMENTA E DE OUTRO QUALQUER LIQUIDO. ISTO SIMULTANEAMENTE, COM A MESMA OPERAÇÃO.
        ESTE PRODUTO TAMBEM PODE SER USADO EM ESSENCIAS E PERFUMES.
        SENDO QUE PASSAMOS O PROJETO COM EXPLICAÇÕES DETALHADAS QUE VAI SEREM FEITAS PESSOALMENTE.
        PODEMOS FAZER PARCERIAS COM INDÚSTRIAS DE SELAGEM EM EMBALAGENS LEMBRANDO QUE O PROCESSO ESTA DANDO ENTRADA COM REGISTRO NO I.N.P.I
        ULIZANDO ESSE PROCESSO.CERTAMENTE TERÃO UM CONSUMO BAIXO DE ENERGIA
        SE HOUVER INTERESSE ENTREM EM CONTATO PELO E-MAIL ABAIXO DESCRITO
        carobras169@gmail.com
        atenciosamente
        Cleide (secretaria)



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *