Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal

Comportamento de ação dos novos e antigos alisantes na fibra capilar

Quimica e Derivados
10 de junho de 2019
    -(reset)+

    Os dados avaliados neste trabalho não conseguiram avaliar diferenças significantes entre os danos causados pelo alisamento pelo tioglicolato de amônio e o tioglicolato de glicerila, provavelmente pela ação dos condicionantes e formadores de filme apresentados na formulação. Dessa maneira, sugere-se que novos estudos sejam realizados, utilizando-se apenas os agentes alisantes, sem a adicionar agentes de tratamento para que se consiga detectar se realmente existe diferença entre os alisantes. Novos ensaios também devem complementar a análise, como por exemplo, a avaliação de ruptura da fibra capilar.

    O mercado brasileiro, pela sua grande variedade de tipos de cabelos, é carente de produtos alisantes que atendam a todas as necessidades, desde curvaturas até a compatibilidades com outras químicas, fazendo-se necessário que novos ativos sejam estudados.

    CONCLUSÃO

    A escolha do produto alisante ideal depende do tipo de cabelo em que vai ser aplicado, pois as interações que ocorrem durante os alisamentos são diferentes. Deve-se analisar previamente o cabelo, verificando-se a resistência, porosidade e densidade e histórico de tratamentos químicos. Além disso, a aplicação desses produtos deve ser feita por profissionais especializados, após seleção alisante ideal e realização de teste em mecha do cabelo, seguindo as recomendações do fabricante quanto ao tempo de pausa, tempo de exposição do produto aos cabelos, proteção da pele e do couro cabeludo (DIAS et al, 2007).

    REFERÊNCIAS

    ABRAHAM, L. S.; MOREIRA, A. M.; MOURA, L. H.; GAVAZZONI, M. F. R. Tratamentos estéticos e cuidados dos cabelos: uma visão médica (parte 1). Surgical & Cosmetic Dermatology, v.1, n.3, p. 130-136, 2009.

    BOCK, B. Tioglicolato de Glicerila – GMT80S. Boletim Técnico, 2017.

    DA GAMA, Robson Miranda; BABY, André Rolim; VELASCO, Maria Valéria Robles. In Vitro Methodologies to Evaluate the Effects of Hair Care Products on Hair Fiber. Cosmetics, 2017, 4.1: 2.

    DIAS, T. C. S et al. Relaxing/straightening of Afro‐ethnic hair: historical overview. Journal of cosmetic dermatology, v. 6, n. 1, p. 2-5, 2007.

    DELFINI, Fernanda Novelli de Almeida. Ativos alisantes em cosméticos. 2011.

    DIAS, M. F. R. V. Hair Cosmetis: An Overview. Int J Trichology. V. 7, n. 1, p. 2–15, 2015

    EVANS, T. A; VENTURA, T. N.; WAYNE, A. B. The kinectics of hair reduction. Helena Curtis Inc., 4401, 40 f., 1994.

    FERREIRA, Lilian Abreu; BRAGA, Danielly Caixeta. SUBSTÂNCIAS ATIVAS DO ALISAMENTO CAPILAR E SEUS MECANISMOS DE AÇÃO. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 13, n. 2, p. 56-63, 2016.

    GOMES, Álvaro Luiz. O uso da tecnologia cosmética no trabalho do profissional cabeleireiro. São Paulo: Senac, 1999.

    HALAL, John. Tricologia e a química cosmética capilar. 05 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

    HARRIS, Maria Inês Nogueira de Camargo. Pele: do nascimento à maturidade. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2016.

    IPCLIN. Avaliação da restauração cuticular do fio de cabelo por microscopia eletrônica de varredura (MEV) após aplicação de produtos cosméticos, 2017 (a).

    IPCLIN. Relatório de ensaio. Avaliação de brilho capilar por glossmeter, 2017 (b).

    MIRANDA-VILELA AL, BOTELHO AJ, MUEHLMANN LA. An overview of chemical straightening of human hair: technical aspects, potential risks to hair fibre and health and legal issues.Int J CosmetSci. 2013:1–10.

    ROBBINS, Clarence R. Chemical and Physical Behavior of Human Hair. 04 ed. 2002.

    ROBBINS, C.R. Chemical and Physical Behavior of Human Hair. 5th Edition. USA: Springer, 2012.

    SOUZA, E. L. de. Estética do cabelo e comportamento psicosocial: um estudo comparativo entre Brasil, México e Chile. Monografia (Pós- graduação) – Universidade do Vale do Itajaí. Balneário Camboriú/SC, 2009.

    VARELLA, A.E.M. Um estudo sobre os principais ativos dos produtos para alisamento e relaxamento de cabelos oferecidos atualmente no mercado brasileiro, 2007. 22 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Cosmetologia Estética), Universidade do Vale do Itajaí, Santa Catarina, 2007.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *