Comércio e Distribuição de Produtos Químicos e Especialidades

Comércio de Produtos Químicos – Dólar caro e portos parados prejudicam comércio químico

Marcelo Fairbanks
11 de junho de 2002
    -(reset)+

    As dificuldades conjunturais não invalidam o plano de investir no centro de distribuição. “Distribuição química é um jogo de médio a longo prazo”, comentou. O novo CD conta com área de 41 mil m² para expansão. Nessa área, dotada de entrada independente, a idéia da companhia é desenvolver operações relativamente simples, como emulsões, em parceria com outras empresas, ou sob contrato.

    Química e Derivados: Comércio: Yoriyasu - mix equilibrado manteve a evolução de negócios.

    Yoriyasu – mix equilibrado manteve a evolução de negócios.

    Tradição reorientada – Nome tradicional no comércio de produtos químicos, com mais de quatro décadas de atuação, a Brazmo foi vendida pelo seu fundador Remo Mormillo para o Grupo Formitex, em dezembro de 1998, assumindo o leme dos negócios em janeiro de 1999. Em um ano e meio de atuação, já foram abertas quatro filiais: em Porto Alegre-RS, Joinville-SC, Anápolis-GO e Rio de Janeiro, além dos escritórios de vendas em Campinas, Ribeirão Preto e Belo Horizonte. A sede paulistana foi transferida do bairro da Freguesia do Ó para a Barra Funda, em prédio moderno, com área total de 16 mil m², sendo 10 mil m² usados como depósito, certificado com ISO 9002. “É preciso estar próximo dos clientes para atuar no Brasil”, afirmou o gerente comercial da Brazmo, Jorge Yoriyasu. A empresa também possui depósito e tancagem (3,6 milhões de litros) em Suzano-SP.

    Engenheiro químico com vivência comercial acumulada dentro do grupo empresarial de capital nacional, Yoriyasu revela satisfação em atuar no setor. “O cenário muda tanto que mantém o nível de adrenalina alto”, brincou. Ele rebate os comentários de atuação oportunista no setor, ressaltando a experiência do grupo com a venda de produtos químicos há quarenta anos, incluindo as atividades da companhia Denver, cuja carboximetilcelulose integra o portfólio da Brazmo. “Os investimentos feitos nas filiais, cada uma com pelo menos 1,5 mil m², além dos 85 funcionários mantidos apenas na área de vendas, também atestam que entramos nesse negócio para valer”, explicou.

    O diferencial de atuação da companhia reside na estrutura ágil e enxuta, com ampla experiência em operações de comércio internacional. Segundo o gerente, quase 60% dos mais de 360 itens comercializados têm origem no exterior. “A greve da aduana bloqueou contêineres nossos no porto, mas o câmbio continuou correndo”, lamentou. “Tivemos algum prejuízo com isso, embora administrável.”

    As atividades da Brazmo estão divididas em seis segmentos: alimentos e ingredientes farmacêuticos; cosméticos, detergentes e domissanitários; papel e têxtil; tintas e vernizes; galvanoplastia; e poliuretanos. Em faturamento, o maior deles é o de tintas e vernizes, responsável por 40% do total. “O advento dos medicamentos genéricos impulsionou as linhas de ingredientes farmacêuticos, que tem bom potencial”, avaliou Yoriyasu.

    A nova administração manteve contratos antigos de distribuição com a Cia. Nacional de Álcalis (barrilha) e Carbocloro (soda), agregando dióxido de titânio da DuPont; poliol, TDI e PU-copolímero, além do glutaraldeído, da Basf; plastificantes Petrom; isopropanol da Exxon; solventes aromáticos da BR, entre outros. Contratos de distribuição respondem por 80% dos negócios da empresa, dona de mix de vendas com 70% de commodities. “Operamos de modo a ganhar dinheiro com elas, não apenas usá-las para abrir mercado”, afirmou. Para ele, a composição do mix ideal, no cenário atual, contemplaria maior participação de especialidades, que poderiam passar a um terço dos negócios.

    A Brazmo mantém as vendas de produtos no varejo, principalmente de produtos para tratamento de piscinas, além da fabricação de detergentes e amaciantes de roupas para consumidores institucionais, conservando a tradição da empresa. “Só não trabalhamos com nenhum produto que possa ser usado para a fabricação de entorpecentes ilícitos, por norma interna do grupo”, afirmou Yoriyassu.

    Química e Derivados: Comércio: Abrantes - novas instalações suportam duplicação das vendas.

    Abrantes – novas instalações suportam duplicação das vendas.

    Sem revelar o total faturado, ele comentou que as vendas e os resultados da Brazmo apresentaram crescimento em moeda forte em 2001, repetindo o feito nos primeiros meses de 2002. Na sua análise, isso resultou dos investimentos realizados nas filiais e a conquista de novas distribuições de produtos. “Ainda há muito a fazer no setor de distribuição química no Brasil, mas é preciso avançar aos poucos”, considerou. No passado, o setor comportava a atuação de aventureiros, situação hoje obstada pelas exigências de qualidade e proteção ambiental, selecionando melhor os players. Também a globalização de negócios, com incremento de importações e a necessidade de oferecer melhores operações logísticas, passaram a exigir mais das empresas comerciais.

    Crescer ou encolher – A discussão sobre o tamanho ideal de uma distribuidora de produtos químicos já parecia ter se tornado bizantina, consolidados os arquétipos de empresas de atuação nacional e as de pequeno porte, porém especializadas em nichos de mercado. Esse conceito acompanharia a tendência de concentração de negócios na indústria química mundial, com suas gigantescas fusões e aquisições.

    No entanto, o fracasso de várias iniciativas concentradoras já apontam para a revisão dos paradigmas adotados pela indústria química mundial, buscando reverter deseconomias de escala obtidas. “Nos encontros internacionais, tanto na Europa, quanto nos Estados Unidos, já se fala em desconcentrar a atividade química em um prazo de cinco a dez anos”, comentou Medrano, da Associquim/Sincoquim.

    No setor de distribuição, grandes companhias internacionais se formaram capitaneadas por grupos financeiros. “Esses acionistas esperavam um retorno que simplesmente não foi alcançado e perderam interesse no negócio”, afirmou. Segundo o dirigente, os lucros da atividade comercial são razoavelmente estáveis, mas não podem ser considerados fantásticos.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *