Tintas e Revestimentos

Caulim calcinado para substituição do dióxido de titânio aplicado em tintas

Quimica e Derivados
8 de agosto de 2014
    -(reset)+

    LUZ, Adão Benvindo da. Tecnologia do Caulim: ênfase na indústria de papel. In: LUZ, Adão Benvindo da; CHAVEZ, Arthur Pinto (Org). Série Rochas e Minerais Industriais. Rio de Janeiro: CETEM / MCT, 2000. p. 72.

    MAGLIANO, M. V. M.; PANDOLFELLI, V. C. Mulitização em refratários utilizando diferentes fontes precursoras – revisão. Cerâmica, v. 56, p. 368-375, 2010.

    MEDEIROS, Viviane Maria Mello de. Utilização da espectroscopia Raman para monitorar a cura de tintas epóxis aplicadas em tanques de armazenamento de petróleo. 2010. 99 f. Dissertação (Engenharia de Materiais) – Universidade Federal do Sergipe, São Cristóvão.

    MONTE, Marisa Bezerra de Mello. Técnicas Alternativas para a modificação do Caulim. In: MONTE, Marisa Bezerra de Mello; PAIVA, Paulo Renato Perdigão de; TRIGUEIRO, Flávia Elias. (Org). Rochas & Minerais Industriais. Rio de Janeiro: Cetem / MCT, 2003. p. 50.

    MURRAY, H. Haydn. Applied Clay Mineralogy: Occurrences, processing and application of Kaolins, bentonites, palygorskite-sepiolite, and common clays. 7.ed. Bloomington: Developments in Clay Science, 2007. 189 p. 86 f.

    SILVA, Fernanda Arruda Nogueira Gomes da. Estudos de caracterização tecnológica e beneficiamento do caulim da região borborema-seridó (RN). 2007. Dissertação (Engenharia Metalúrgica e de Materiais) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

    SOUTO, Flávio Augusto França. Avaliação das características físicas, químicas e mineralógicas da matéria-prima utilizada na indústria de cerâmica vermelha nos municípios de Macapá e Santana-ap. 2009. 103 f. Dissertação (Mestrado em Geologia e Geoquímica).– Universidade Federal do Pará, Belém.

     

    Autores

    Juliana Pavei Pizzolo formou-se em Engenharia Química pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), em 2012, e desenvolve o mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no Laboratório de Energia e Meio Ambiente (LEMA).

    Agenor De Noni Junior (orientador) é graduado em Engenharia Química pela UFSC (2003), mestre em Engenharia e Ciência dos Materiais pela UFSC (2005) e doutor em Ciência e Engenharia de Materiais pela mesma instituição (2007). Atualmente é professor titular e coordenador adjunto do curso de graduação em Engenharia Química da Unesc, bem como professor do programa de pós-graduação em ciência e engenharia de materiais (PPGCEM) da universidade. Tem experiência na área de Engenharia de Materiais e Metalúrgica, com ênfase em Cerâmicos, atuando principalmente nos seguintes temas: propriedades mecânicas, valorização de resíduos industriais para a indústria química e construção civil, processos industriais sustentáveis, eficiência de processo, delineamento de misturas, reologia de suspensões cerâmicas. É membro da Rede Carvão, do grupo de pesquisa Desenvolvimento Materiais a Partir de Resíduos, do Grupo de Pesquisa em Reatores e Processos Industriais.

    Juliana Pavei Pizzolo e Agenor De Noni Junior – Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC

    (*) Este trabalho foi apresentado na sessão de pôsteres da Abrafati 2013



    Recomendamos também:








    3 Comentários


    1. Leonardo Gomes

      Olá Juliana,
      Sou estudante de Engenharia Química e estou usando seu artigo como referência para meu TCC.
      Estou com uma dúvida em relação a Tabela 4. O que seria “D10”, “D50”, “D90” e “Dmédio” ?
      No artigo você cita que foi feito difração de raios-x e nessa tabela cita como difração de raios laser. Está correto?
      Desde já agradeço.
      Obs.: Ótimo artigo.


    2. Excelente artigo. Bastante importante conseguir reduzir custos e melhorar desempenho numa indústria tao competitiva como a das Tintas e revestimentos.



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *