Calor Industrial

Calor – Demanda por equipamentos registra crescimento explosivo

Marcelo Fairbanks
19 de julho de 2007
    -(reset)+

    O uso de gás liquefeito (GLP) e da eletricidade em geradores de vapor pode ser classificado como inviável. “Ainda há usuários de GLP, mas seu custo é elevado, na melhor das hipóteses empata com o 1A”, disse Eboli. Os equipamentos elétricos saíram totalmente de mercado depois do apagão de 2001.

    O aproveitamento de biomassa como combustível está se popularizando no País. “Quase 40% das nossas vendas são da linha FAM, de equipamentos para queima de resíduos sólidos, como bagaço, lenha picada, resíduos de serraria, pellets e briquetes”, explicou Marcelo José Salmazo, gerente geral de assistência técnica industrial da Aalborg. Ele informou que o briquete apresenta poder calorífico de 5 mil kcal/kg, quase o dobro do obtido com a lenha, tendo apresentação uniforme, como no caso dos pellets, o que permite automatizar a alimentação da fornalha. “Há um custo adicional da briquetagem ou da peletização que precisa ser bem avaliado pelo cliente”, considerou.

    O mercado desses equipamentos é disputado entre empresas estabelecidas no País. Eboli explica que o custo de transporte das caldeiras é elevado, bem como o imposto de importação. Ocasionalmente, algum equipamento importado entra no País, dentro de pacotes turn-key. “Em geral, a compra é feita aqui mesmo, aumentando o índice de nacionalização dos projetos”, explicou. Nas caldeiras navais, a Aalborg algumas vezes repassa pedidos para a filial brasileira, cuja fábrica de Petrópolis- RJ foi modernizada e conta com grande capacidade produtiva.

    O tipo mais avançado de caldeira oferecido pela Aalborg é o Mission, com três passos, cujo rendimento fica entre 90% e 91%, sem o uso de economizadores. Os técnicos da empresa comentam que um modelo equivalente, há quinze anos, não conseguia oferecer mais de 87% de rendimento. A pequena diferença percentual pesa muito no bolso do cliente. “Uma caldeira para 15 t/hora de vapor, operando em regime integral, pode gastar R$ 700 mil por mês de óleo combustível, tornando significativa a melhoria de 3%”, explicou Salmazo.

    Química e Derivados, Caio Henrique de Santana Eboli, Representante comercial, Calor - Demanda por equipamentos registra crescimento explosivo e põe fornecedores a plena carga

    Eboli: consumo de biomassa domina 40% dos pedidos

    A linha Mission foi padronizada pela Aalborg em todo o mundo, com rendimento de classe mundial, incluindo os queimadores de fabricação própria, com a possibilidade de acoplar um produto de outro fornecedor, se assim desejado pelo cliente, mas nesse caso não se responsabiliza pelo desempenho final do conjunto. “Nosso queimador é bom e produz uma chama perfeitamente compatível com as dimensões das caldeiras”, disse Salmazo.

    “Não há muito mais o que fazer quanto ao desenho e construção do equipamento, pois já estamos bem próximos dos limites teóricos”, comentou Salmazo. Enquanto na parte térmica os avanços são quase imperceptíveis, as modificações mais evidentes ficam por conta dos sistemas de automação e controle que já permitem operação e resolução de problemas a distância.

    A Aalborg aplica preferencialmente controladores lógico-programáveis (PLC) fornecidos pela Schneider Electric e Rockwell Automation, dependendo do sistema supervisório em uso no cliente. Essa escolha foi feita em razão da disponibilidade de suporte técnico e protocolos de comunicação, além de contar com tecnologia adequada para construção e segurança. Embora o PLC controle o equipamento térmico, Salmazo informa que os dispositivos de segurança originais foram mantidos, oferecendo uma proteção redundante. “Os eletrodos e os sensores de nível desligam a caldeira independentemente do PLC no caso de falta de água, por exemplo”, informou.

    O controle por processadores eletrônicos oferece muitas vantagens para as caldeiras. A regulagem da entrada de ar, proporcional ao volume de combustível aplicado, dependia de sistemas mecânicos que sofriam desgaste ao longo do tempo, perdendo a precisão. Além disso, os servomotores fazem um ajuste fino melhor que as antigas varetas.

    Os PLC possuem telas para interfaciamento homem-máquina, por meio das quais os operadores introduzem os parâmetros necessários à condução da geração de vapor e podem acionar ou desligar o sistema. Eles também são ligados aos sistemas supervisórios das fábricas, quando existentes, permitindo a configuração e o controle em salas de comando central. Além disso, caso o cliente aceite, é possível interligar o PLC a um servidor de rede, pela qual ele poderá se conectar à Aalborg,em São Paulo.“Com isso, nós podemos fazer atualizações no software, configurar e também resolver alguns problemas do equipamento sem deslocamento de pessoal”, afirmou Salmazo. Essa opção, no entanto, depende da disponibilidade de rede de dados segura, evitando infiltrações indevidas.

    Salmazo comentou que a adaptação de caldeiras existentes a sistemas de automação com PLC pode ser feita, mas nem sempre vale a pena, embora o custo dos sistemas eletrônicos tenha sido muito reduzido nos últimos anos. “Fazemos uma avaliação prévia do equipamento para verificar se ele ainda tem vida útil de sobra para permitir a amortização desse investimento”, explicou. “Do contrário, recomendamos a compra de uma caldeira nova, já automatizada.”

    Grande porte – Tradicional fornecedora de caldeiras aquatubulares de alta temperatura e pressão, a Companhia Brasileira de Caldeiras (CBC), uma divisão da Mitsubishi Heavy Industries, identifica uma concentração atual de demanda por parte das refinarias da Petrobrás. “Só neste ano, vendemos dois equipamentos para a estatal e há várias concorrências dela em andamento”, comentou Amandio Samello.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *