Petróleo & Energia (gás, refino e gasolina)

Óleo e Gás – Maior polo produtor nacional mantém poder de atração

Bia Teixeira
4 de agosto de 2015
    -(reset)+

    O debate busca ampliar o nível de conhecimento desses campos a partir de novas tecnologias que possibilitam monitorar o comportamento do reservatório, a integridade das instalações e o histórico dos poços, para reduzir as incertezas e o risco dos investimentos e também ampliar a vida útil desses ativos.

    Química e Derivados, Santos: Macaé investiu muito em infraestrutura para o setor

    Santos: Macaé investiu muito em infraestrutura para o setor

    Luz para o mercado – Para o prefeito de Macaé, Aluízio dos Santos Júnior, a feira é importante pela oportunidade que ela oferece para o setor ouvir e ser ouvido em um momento crucial para a indústria, uma vez que haverá a participação de importantes agentes do setor, como a ANP e a Secretaria de Energia, Logística e Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro, além da própria Petrobras.

    Segundo ele, além de ser uma grande e tradicional rodada de negócios – como já ficou caracterizado em edições anteriores –, a Brasil Offshore é o momento propício para “se trazer luz ao mercado”, que está em busca de informações. “A indústria de petroleo quer ouvir algo novo, pois há muitas questões que precisam ser revistas ou definidas, desde o conteúdo nacional à participação da Petrobras no modelo de operação do pré-sal”, diz o prefeito.

    A expectativa dele é positiva, a despeito da crise que se abateu sobre o setor, tanto em decorrência dos preços internacionais do petróleo como das denúncias de corrupção na Petrobras. “São fatores externos a Macaé”, diz.

    Para Aluízio dos Santos, o pessimismo é maior que a própria realidade e diz que a “crise local” tem o tamanho do desinvestimento da Petrobras. “A crise existe, mas é menor do que as pessoas falam. A matriz da indústria de petróleo no Brasil é a Petrobras.  Logo, se ela investe, o mercado vai bem, se ela tem crise, o mercado vai mal. Quando há um contigenciamento na Petrobras, o mercado também se ressente”, pontua.

    “Precisamos ter uma regra clara, uma meta de quanto a Petrobras vai investir. Daí a expectativa em relação ao anúncio do Plano de Negócios”, diz o prefeito de Macaé, lembrando que a rodada de negócios e a situação da Petrobras como operadora única no pré-sal foi tema de debates na OTC, realizada em maio em Houston. “Temos o mais importante que é o petróleo. Agora precisamos ver para onde essa indústria vai”, enfatiza.

    Para o prefeito, Macaé tem feito o seu dever de casa. “A indústria do petróleo precisa de infraestrutura e logística e o município investiu bastante nesses dois setores. Além disso, a parceria cidade/indústria se deu de uma forma transparente. Macaé é considerada uma boa sede para a indústria e estamos trabalhando para diminuir as suas limitações”, afirma.

    Química e Derivados, Vertis: feira poderá estimular a retomada dos leilões da ANP

    Vertis: feira poderá estimular a retomada dos leilões da ANP

    Empresas querem vender – “A Brasil Offshore é uma das principais feiras do setor e é realizada na capital nacional do petróleo”, destaca o subsecretário estadual de Energia, Logística e Desenvolvimento Industrial, Marcelo Vertis, lembrando que são três as cidades de referência do setor de óleo e gás no mundo: Aberdeen (Noruega), Houston (EUA) e Macaé.

    Como o prefeito de Macaé, ele também acredita que a política vai dar o tom do evento este ano. “Com a crise do setor, há a expectativa de que a feira seja um grande evento político para a retomada do crescimento econômico baseada na área de petróleo, a que apresenta as melhores condições para isso, por meio de leilões, incluindo o de áreas do pré-sal”, diz Vertis, informando que a Sedeis vai difundir essa proposta em eventos no estande.

    Para as empresas, que almejam essa ‘retomada’, mais do que o discurso, o que importa é incrementar os negócios. Por isso mesmo, elas vão usar todos os recursos para chamar a atenção do mercado. Um deles é a apresentação do que há de mais novo em seu portfólio para otimizar a exploração e produção offshore, e a preços mais competitivos.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *