Avanços analíticos buscam ampliar compartilhamento amplo de dados

Feira Analítica 2022

A Analitica Latin America está de volta.

Depois de quase três anos de hibernação forçada, por conta da pandemia de Covid-19, a tradicional feira de química analítica e análise de processos laboratoriais será realizada, no seu formato original, nos próximos dias 21 a 23, das 11h às 19h, no pavilhão 7 do São Paulo Expo, na capital paulista.

Uma das maiores promotoras de eventos do mundo, a NürnbergMesse Brasil está na expectativa de que a Feira Internacional de Tecnologia para Laboratórios, Análises, Biotecnologia e Controle de Qualidade receba cerca de 9.600 pessoas.

Os visitantes poderão conferir as novidades e tendências apresentadas por 400 marcas expositoras em uma área de 14 mil m2.

O evento é exclusivo para profissionais e reúne diferentes indústrias e segmentos, como farmacêutico, cosmético, alimentício, petroquímico, agronegócio e outros.

Feira Analítica 2022 - Avanços analíticos buscam ampliar compartilhamento amplo de dados ©QD Foto: iStockPhoto
João Paulo Picolo, presidente local da NürnbergMesse

“A indústria química analítica representa um dos mais relevantes e dinâmicos setores da economia brasileira. Está entre as dez maiores participações no PIB industrial. E os mais importantes representantes do segmento estarão presentes na Analitica Latin America. Por isso, é tão gratificante voltar a realizar este evento”, declara João Paulo Picolo, presidente local da NürnbergMesse.

O Brasil é o maior mercado da indústria química analítica da América Latina e ocupa a 7ª posição no ranking mundial.

“Esta é a única feira que engloba todas as etapas da cadeia produtiva e é a principal plataforma de negócios do setor no continente sul-americano”, arremata Picolo.

“O mercado de química analítica é multisetorial e abrangente”, define Nadja Bento, head do núcleo Science da NürnbergMesse Brasil.

O setor está caminhando “para o desenvolvimento de dispositivos analíticos para análise em campo, detecção de doenças e desenvolvimento de dispositivos inteligentes atrelados à internet das coisas e vestíveis.

Também o uso de nanotecnologia tem sido cada vez mais frequente e multisetorial”, analisa.

Na opinião de Thiago Paixão, consultor do evento e presidente do comitê de conteúdo do Congresso Analitica, a pandemia criou “uma cultura melhor para o desenvolvimento de novos métodos de análise para alimentos, controle de qualidade de vacinas e fármacos”.

No cenário atual, prossegue Thiago, “os químicos analíticos precisam fazer o possível para facilitar a comunicação com outras disciplinas e especialistas.

Há uma área cinzenta entre os papéis de cientistas e legisladores.

No entanto, a voz da primeira parte deve ser ouvida e levada em consideração nos processos de formulação de políticas.

Em geral, é importante ter evidências científicas sólidas sobre a confiabilidade e a comparabilidade da maioria dos testes de Covid-19, o mais rápido possível”.

Estudos conjuntos e o compartilhamento de dados contribuirão para a união de esforços para o desenvolvimento de protocolos para validação e padronização de testes.

Ele acha que “é obrigatório ter as amostras de controle e materiais de referência correspondentes, tanto para os fabricantes que realizam avaliações de desempenho do produto, quanto para os laboratórios que validam esse desempenho.

Materiais de referência (controle) verificados e bem caracterizados que imitam amostras reais de pacientes, bem como métodos de teste de referência, permitirão um grande avanço nos testes de Covid-19, por exemplo, e contribuirão com dados de testes confiáveis para a luta bem sucedida contra essa pandemia”.

Um material de controle positivo para teste de RNA SARS-CoV-2 por PCR foi desenvolvido pelo Joint Research Center da Comissão Europeia em abril e já foi enviado para laboratórios de referência em 42 países ao redor do mundo.

O EURM-019 é um material de controle de qualidade, não um material de referência certificado, portanto, são necessárias mais medidas de garantia de qualidade, conclui o consultor.

Feira Analítica 2022 - Avanços analíticos buscam ampliar compartilhamento amplo de dados ©QD Foto: iStockPhoto

Congresso – O Congresso Analitica Latin America acontecerá nos dias 21 e 22. Graças a uma parceria inédita com o Encontro Nacional de Química Analítica (ENQA), que está marcado para setembro, no Rio Grande do Sul, a grade de palestras do segundo dia ficará sob responsabilidade do ENQA.

As duas atrações têm inscrições cobradas à parte.

Consta da programação de palestras do dia 21:

13h40, Controle de qualidade de vacinas;

14h25, Nanotecnologia aplicada a fármacos e cosméticos;

16h25, Análise e controle de qualidade de alimentos;

17h10, Nanotecnologia aplicada às indústrias alimentícias e agronegócios.

22 de junho:

13h35, A bioanalítica e os objetivos do desenvolvimento sustentável;

13h50, Análise espectrométrica elementar de combustíveis e de resíduos oleosos: desafios e conquistas;

14h05, Microanálises: por que? Quando? Como?;

14h20, Estratégias bioanalíticas: aplicações na agricultura, tratamento de infecções bacterianas e química forense;

15h15, Avanços recentes de biossensores eletroquímicos;

15h30, Quo Vadis Analytical Chemistry? Speciomics!;

15h45, Análise direta de sólidos para determinação elementar: desafios e perspectivas;

16h, Plataformas microfluídicas digitais: nova geração de dispositivos para aplicações bioanalíticas.

A escolha dos palestrantes foi estratégica para que os convidados possam vivenciar a melhor experiência possível. De acordo com a organização, foram selecionados grandes nomes de profissionais e professores das mais respeitadas universidades para compartilhar conhecimentos.

Entre eles, estão a customer and quality compliance da Nestlé, Carolina Ravazzi, e o professor doutor do Instituto de Química da Unicamp, Lauro Tatsuo Kubota.

No ano passado, em função da Covid, a Analitica Latin America teve apenas um espaço reduzido dentro da FCE Pharma e FCE Cosmetique.

Agora, reaparece com a sua força original.

Em 2019, última edição antes da pandemia, reuniu 400 marcas expositoras e mais de 7.500 especialistas em três dias de negócios.

Para este ano, a área reservada é 16% maior.

A feira recebe, geralmente, visitantes de 20 países além do Brasil, sendo mais de 60% deles da América Latina.

Empresas – A Laborglas vai expor a linha de vidrarias com mais de 45 anos de mercado, e as vidrarias da Schott, a maior fabricante mundial do gênero.

Além disso, segundo o diretor Leonardo Teixeira, exibirá a linha própria de equipamentos LGI Scientific e as marcas que distribui – Lauda, Heidolph, Horiba e Witeg; e também os acessórios com plásticos, metais e porcelanas para laboratório marcas Laborglas, Kartell e Biologix.

A nova linha de Vials para indústria farmacêutica da Schott e Wheaton será lançada na feira. Teixeira espera que o evento seja “muito produtivo com um público bem direcionado atrás de produtos e informações”.

Com a expectativa de, nas palavras do diretor Tomas Altmann, “fazer bons negócios, captar novos clientes e, após dois anos de recessão, aproveitar para encontrar parceiros e a clientela”, a Altmann S.A. exibirá vários equipamentos, pois representa “as mais renomadas marcas de instrumentação analítica para laboratório, controle de qualidade, pesquisa e desenvolvimento, atendendo diversos segmentos industriais”.

Ele enfatiza que a empresa é “referência na técnica de análise de tamanho de partículas, potencial zeta, microscopia eletrônica e moagem para preparação de amostras, entre outras”.

Apesar do período de pandemia, a empresa cresceu aproximadamente 15% no último ano.

Com o retorno dos eventos presenciais e a economia evoluindo, espera um novo crescimento para 2022.

A Interlab participará da 16ª Analítica Latin América, com o objetivo de apresentar o portfólio de produtos químicos marca Inlab, destinados à indústrias alimentícia, farmacêutica, cosmética e veterinária.

O diretor comercial, Franco Giorgi, destaca a inclusão de ingredientes para a produção de bioinsumos e os descartáveis, placas de petri, loops, tubos e swabs.

“Teremos também a linha completa de bolsas para amostragem de líquidos e sólidos da Labplas. A expectativa é conhecer os clientes e ampliar os relacionamentos, aproveitando as oportunidades do evento para um reencontro muito produtivo”, afirma Giorgi.

Allcrom/Bion – A Allcrom Instrumentos Científicos passou a investir, recentemente, no mercado de análises clínicas, trazendo com exclusividade o dispositivo de microamostragem Mitra, aprovado pela Anvisa, considerado ideal para uma experiência humanizada na coleta de sangue e outros fluidos biológicos.

Feira Analítica 2022 - Avanços analíticos buscam ampliar compartilhamento amplo de dados ©QD Foto: iStockPhoto
Sandro Andrade, coordenador de marketing da Bion

A solução oferece redução de custos, elimina a necessidade de cadeia fria no transporte e armazenamento, dispensa mão de obra qualificada através da autocoleta, além de reduzir tempo abolindo etapas no fluxo de trabalho e gastos com insumos, explica Sandro Andrade, coordenador de marketing.

Este produto inovador está entre os lançamentos da Allcrom e visa ampliar as possibilidades para coletas com amostras volumetricamente precisas e dados comparáveis ao padrão ouro de testes utilizando plasma.

A empresa representa com exclusividade para o Brasil a reconhecida marca de consumíveis Phenomenex.

Já na área de equipamentos, representa a Young In Chromass, e também outras marcas reconhecidas. No segmento de instrumentos científicos e laboratoriais atua através da Bion.

A Shopplab apresentará a linha de produtos para laboratório, dando ênfase aos reagentes e soluções fatoradas e diluídas, e padrões analíticos.

A principal novidade são os kits para análise química em campo.

Os produtos são de fabricação própria.

Com isso, os clientes podem obter uma grande eficiência em suas análises, otimizando custos, segundo Roberto Schiavo, diretor comercial.

A empresa alimenta a esperança de “expandir ainda mais a marca, levando os produtos a um público ainda maior, de forma mais assertiva.

E também, ratificar a expertise com o público que já a conhece”.

A LAS do Brasil marcará presença com um corpo técnico-científico com mais de 20 anos de experiência e instrumentação analítica apropriada: HPLC, GC, ICP, entre outros equipamentos de produção industrial.

A BioScie destila, purifica, sintetiza substâncias químicas de alta complexidade, tendo em sua cadeia produtiva produtos com graus HPLC, GC, LCMS, ACS, PA e diversas técnicas, podendo gerar solventes, sais reagentes, pareamentos iônicos, Karl-Fichers, soluções tampões, agentes oxidantes, dessecantes, corantes/indicadores, ácidos e bases, graus pesticidas e uma infinidade de graus com possibilidade de customizações por uso.

Os produtos têm variadas apresentações: frascos de vidro boca larga e estreita, plásticos, bombonas, tambores de aço, sacos e barricas.

A BioScie está localizada no maior distrito industrial do Centro-Oeste; é a única do segmento que possibilita a customização de produtos. E é especializada na produção de química fina, com a marca Biograde.

A Agilent vem com várias atrações.

O GC Agilent 8860 possui inteligência incorporada: monitora a integridade do sistema, rastreia injeções e alerta sobre vazamentos.

Permite melhor planejamento do trabalho, incluindo a manutenção. O LC Agilent 1290 Infinity II incorpora a nova geração de UHPLC, com confiabilidade e robustez, além das tecnologias inovadoras para maximizar a eficiência dos negócios em três dimensões.

A linha de instrumentos, colunas e consumíveis Agilent InfinityLab trabalha de forma integrada, junto com o software Agilent OpenLAB e os serviços Agilent CrossLab, para proporcionar a mais alta eficiência em fluxos de trabalho do laboratório.

O gerente de vendas Brasil, Ivan Jonaitis, ressalta ainda o sistema Agilent InfinityLab LC/MSD iQ, que fornece detecção de massa essencial para confirmar rapidamente os compostos e fornecer mais especificidade e seletividade do que um detector de UV, mesmo para compostos que não estão cromatograficamente resolvidos. O Raman Vaya também estará em exposição.

Ele permite verificar uma substância em segundos sem abrir a embalagem que a contém.

Também são destaques o FTIR Cary 630, espectrômetro de bancada flexível, de alto desempenho, o novo ICP-MS 7850, que pode lidar com amostras com até 25% de sólidos, reduzindo a armadilha de tempo de diluição, e o dissolutor 708 DS, que oferece a flexibilidade para trabalhar com todas as necessidades descritas na farmacopeia americana (USP) para os aparatos 1, 2, 5 e 6.

A Essencis Technologies, firma brasileira de comércio e representação de instrumentação científica, oferece soluções analíticas e científicas fabricadas por empresas internacionais renomadas.

Vai expor o s1 titan, o CTX e o Tracer, equipamentos portáteis para análises elementares, com uso em mineradoras, com catalisadores e outras ligas metálicas, além de controle de qualidade alimentícia.

Também estarão em demonstração dois moinhos para preparação de amostras e um moinho da marca Powteq GT300, moedor de amostras sólidas de vários tipos.

O CEO João Paulo Fiori cita também o M1 mistral de microfluorescência de raios-X (micro-XRF) e o S2 Picofox de fluorescência de raios-X por reflexão total (TXRF), que possuem um custo de manutenção muito menor e dispensam a preparação de curvas analíticas; e o espectrômetro UV-Vis da Klab Kis, que usa os kits dos fabricantes mais famosos do mercado sem necessidade de curva analítica e possui um amostrador em roleta.

O grupo GVS vai exibir soluções filtrantes para preparação de amostras analíticas, soluções em microbiologia, biologia molecular e filtros de processo.

Destaque para filtros de cartucho e cápsulas para processos linhas Cartflow e Capsflow, filtros de seringa tripla camada Abluo Supreme e Flame Beads – kit de extração viral de DNA/RMA, informa Giuliano Agostini, gerente comercial healthcare e lifesciences.

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios