Química

Atualidades – Negócios: Wacker planeja recuperar lucros em 2010

Marcio Azevedo
15 de abril de 2010
    -(reset)+

    Química e Derivados, Concreto hidrofóbico, Atualidades - Negócios: Wacker planeja recuperar lucros em 2010

    Concreto hidrofóbico amplia isolamento térmico

    Sustentabilidade – Integrando o programa global de Atuação Responsável da indústria química desde sua adoção na Alemanha, em 1991, a Wacker se apresenta como uma empresa alinhada com o desenvolvimento sustentável. O compromisso se expressa em medidas como a redução dos resíduos gerados em suas fábricas pelo reaproveitamento de energia térmica e de subprodutos nas próprias fábricas, o desenvolvimento de processos biotecnológicos para a obtenção de produtos químicos “verdes”, ou a comercialização de produtos que contribuem para a mitigação do efeito estufa, caso do silício policristalino empregado na produção de energia solar, e do silicone utilizado na fabricação de lentes de diodos emissores de luz (LEDs, na sigla em inglês).

    “Acreditamos que a maior parte do crescimento da Wacker nos próximos anos virá de produtos sustentáveis”, prevê Jörg Krey, vice-presidente sênior de desenvolvimento corporativo da empresa. Números apresentados por Krey mostram que o potencial de crescimento do mercado de produtos químicos nas próximas três décadas é considerável. Puxado principalmente pela elevação do nível de vida nos países chamados BRICs (Brasil, Rússia, China e Índia), o mercado químico mundial deverá dobrar nos próximos 25 anos, crescendo a uma taxa anual composta de 3,7%.

    Uma das apostas da Wacker para participar desse crescimento vendendo produtos sustentáveis é a ampliação do emprego da energia fotovoltaica, que utiliza, entre outros insumos, o silício hiperpuro e os silicones produzidos pela empresa. Para Wolfgang Storm, gerente sênior de marketing da empresa alemã, a energia solar encerra o maior potencial teórico de utilização no futuro, muito à frente da segunda colocada, a energia eólica. A tecnologia dominante para a produção de células solares, baseada no silício policristalino, evoluiu nos últimos quinze anos, tanto em termos de eficiência energética quanto de redução da espessura dos sanduíches e do período necessário para o retorno do investimento. E, apenas nos últimos três anos, o custo dos sistemas fotovoltaicos, na Alemanha, caiu à metade. “A energia solar terá uma participação crescente nas fontes de energia do mundo, e o silício hiperpuro da Wacker desempenha um papel-chave para torna-lá uma das tecnologias predominantes e uma fonte de energia sustentável”, afirma Storm.

    Química e Derivados, Burghausen, Atualidades - Negócios: Wacker planeja recuperar lucros em 2010

    Em Burghausen, insumos "verdes" podem substituir metanol e eteno

    A Wacker também vê ganhos ambientais no emprego de alguns de seus produtos em soluções de alta eficiência energética. Um exemplo são os silicones elastoméricos, que representam cerca de um quinto do mercado mundial de silicones, avaliado em € 8 bilhões, em 2009. Os silicones elastoméricos, segundo o Dr. Bernd Pachaly, líder da unidade de negócios Silicones de Engenharia da Wacker Silicones, têm aumentado sua participação na produção de LEDs, graças a propriedades como a resistência à radiação ultravioleta e ao calor, e por permitirem soldagens, acima dos 260ºC, livres de chumbo, bem como a fabricação e a montagem de lentes diretamente sobre chips, em uma única etapa de produção. As aplicações são o encapsulamento de chips e a produção de lentes com alta transparência. Os LEDs, por sua vez, representam uma alternativa ambientalmente interessante para a iluminação, pois sua eficiência, entre 30% e 80%, é superior à das lâmpadas fluorescentes, próxima a 25%, e muito maior que a eficiência das lâmpadas de filamento, de apenas 5%. Dados apresentados pelo dr. Pachaly mostram que LEDs têm grande potencial para reduzir emissões de CO2: só na Alemanha, o uso desses dispositivos poderia evitar o lançamento de 1,6 milhão de toneladas/ano de CO2, gerando uma economia de € 400 milhões anuais. Aparelhos televisivos equipados com LEDs economizam até 50% da energia necessária para o seu funcionamento e, globalmente, 30% do consumo de eletricidade para iluminação poderia ser eliminado se os diodos fossem utilizados.

    O segmento de construção civil é outra área em que há amplo potencial para a redução de emissões, particularmente nas construções residenciais, que correspondem à maior parte dos gastos do setor. Segundo pesquisa do Deutsche Bank, datada de 2009, 40% de todas as emissões de CO2 vêm de edificações, seja pelo consumo de eletricidade ou pelo condicionamento de ar. Uma das principais vertentes para a redução dessas emissões consiste do isolamento térmico das construções, cuja eficácia foi comprovada pela Wacker em testes em construções edificadas para esse fim em Beijing, Shanghai e Guangzhou, na China. O experimento revelou que a economia de energia proporcionada pelo emprego de isolamento térmico chegou a 16% em Beijing, 50% em Shanghai e 45% em Guangzhou, durante o verão, e, no inverno, nas mesmas cidades, o consumo foi 40%, 35% e 37% menor, respectivamente.

    A Wacker participa de aplicações de isolamento térmico com dispersões poliméricas em pó, baseadas em copolímero de acetato de vinila e etileno, utilizadas como ligante em produtos químicos com aplicação na indústria de construção. O polímero em pó aumenta a adesão a diversos tipos de substratos, melhorando a resistência dos sistemas de isolamento térmico a intempéries e elevando sua vida útil. Os silicones também possuem papel importante na redução do impacto ambiental de construções. Revestimentos com base em resinas de silicone possuem um caráter hidrofóbico que protegem fachadas contra a água e reduzem as transferências de calor, por permitirem que as paredes se mantenham “secas” – a condutividade térmica de um material isolante úmido pode ser até 50% maior que a condutividade do mesmo material quando seco. Essas tintas, por outro lado, possuem uma certa permeabilidade que favorece a evaporação da umidade, ampliando o efeito de isolamento térmico. Dados da Wacker mostram que a proteção de paredes com revestimentos com base em silicone pode reduzir o consumo total de aquecimento de uma casa em 4,6%. Além disso, os custos de manutenção das fachadas podem ser reduzidos quase à metade, no longo prazo, se a pintura tradicional é substituída pelo revestimento hidrofóbico.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *