Analitica Latin America – Tecnologia aprimora tanto instrumentos sofisticados quanto itens tradicionais

A figura 2 esquematiza o LactoStar. Segundo Segenbusch, é possível escolher dentre diversos idiomas de menu. “A quantidade é aumentada em cooperação com nossos parceiros nos respectivos países”, informou.

Química e Derivados, Esquema do LactoStar, Analitica Latin America
Figura 2: Esquema do LactoStar. Clique para ampliar.

Participando do evento pela primeira vez, Segenbusch estava otimista com os contatos feitos, a fim de localizar um distribuidor local.

Empresas brasileiras também investiram na sofisticação de equipamentos básicos, como a Gehaka, de São Paulo, que lançou o DSL 910, densímetro para líquidos e sólidos. Com tecnologia nacional, o equipamento possui mostrador de fácil leitura, com texto sem português. Efetua medidas de densidade com baixa dependência do analista, pois todas as operações são assistidas por um microcontrolador, garantindo precisão e prevenindo erros. Oferece três dispositivos de medida diferentes: para sólidos com densidade maior que a da água; sólidos com densidades inferiores à da água, e líquidos. Conta com termômetro integrado, permitindo corrigir o efeito da temperatura na densidade, e balança eletrônica com sistema de calibração semiautomático. A densidade pode ser indicada com uma a três casas decimais, a critério do usuário. A medição é feita em menos de dois minutos e o DSL 910 pode emitir relatórios por meio de impressora integrada.

Química e Derivados, Daniel Segenbusch, Responsável por exportação da Funke Gerber, Analitica Latin America
Daniel Segenbusch exibiu o analisador automático de leite e derivados (ao lado)
Química e Derivados, Analisador automático de leite e derivados, Analitica Latin America
Analisador automático de leite e derivados

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Química e Derivados, Densímetro nacional, Analítica Latin America
Densímetro nacional oferece operação fácil e sem erros

Reagentes e padrões – A Merck destacou em seu estande a adoção das novas recomendações da Organização das Nações Unidas (ONU) para uniformizar a classificação e rotulagem de produtos químicos, denominadas Globally Harmonized System (GHS). Segundo a analista de marketing Tatiana Corasso, cerca de 50% dos reagentes já são comercializados com rótulos e FISPQs (ficha de informação de segurança de produto químico) alterados. “Gradativamente, adaptaremos os rótulos de toda a nossa linha para atender ao sistema harmonizado”, complementou.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios