Laboratório e Análises

Analitica Latin America: Com foco ampliado para vários segmentos, congresso e feira registram aumento de visitantes

Marcelo Fairbanks
22 de outubro de 2017
    -(reset)+

    Química e Derivados, Machado com reator Hel, que pode ser customizado para cada cliente

    Machado com reator Hel, que pode ser customizado para cada cliente

    Portfólio amplo – Com a intenção de fornecer aos interessados todos os equipamentos e instrumentos necessários para montar laboratórios, a DP Union levou para a Analitica 2017 várias novidades de suas representadas. “Atuamos no país há 31 anos e sempre buscamos ter no portfólio marcas que tenham produtos únicos, com diferenciais exclusivos, não nos interessa ser mais uma fonte do que já existe no mercado”, comentou Wylder Machado, executivo de contas da empresa.

    Assim, tiveram destaque o novo titulador Karl Fisher fabricado pela Mitsubishi; o cromatógrafo a gás portátil e compacto para análises ambientais no campo, fornecido pela Defiant Technologies; o analisador de tamanho de partículas por laser que também realiza sua contagem, na mesma operação, determinando também o potencial Zeta, produzido pela PSS Nicomp, que possui várias opções de modelos para diversas aplicações; bem como a linha de reatores do Hel Group (Inglaterra).

    “Os reatores Hel, por exemplo, compõem uma linha extensa que parte dos microrreatores até equipamentos de 150 litros, com controle total das variáveis de processos e possibilidade de customização para cada cliente e aplicação”, explicou Machado. Ele informou ter recebido várias consultas sobre os reatores Hel, especialmente de representantes do setor de cosméticos. “Quando se fala em reator, a primeira ideia que vem à mente é fazer reações de síntese, mas esses equipamentos são essenciais para lidar com produtos viscosos, por exemplo, mesmo em misturas”, considerou.

    De forma geral, Machado considera ruim o atual momento do setor analítico no país. “Faltam investimentos, principalmente em pesquisas, cujo fluxo está muito restrito”, avaliou. Isso reflete a retração dos investimentos governamentais em universidades e institutos de pesquisa do setor público. “Até 2011, os órgãos de fomento, como Finep e Fapesp, contavam com verbas abundantes, agora restritas”, disse. As empresas privadas instaladas no país fazem pouca pesquisa, buscando inovações no exterior, contentando-se com adaptações locais.

    “Como fornecemos para os setores farmacêutico e de alimentos, que ignoram crises, temos conseguido manter bons negócios”, salientou. Ele citou como grande inovação o uso de espectrometria de massa para identificação de micro-organismos, lançado pela Bruker, empresa para a qual a DP Union atua como canal de vendas no país.

    Micro-organismos em massa – O uso da espectrometria de massa para identificação de micro-organismos começou em 2010, na Europa. “Quase todos os hospitais europeus já usam essa técnica para identificação de patógenos com mais rapidez que os métodos convencionais, além de reduzir o volume de materiais descartados”, explicou Luiz Fernando de Arruda Santos, coordenador de aplicações de espectrometria de massa da Bruker do Brasil.

    No país, a técnica só recebeu aprovação da Anvisa há dois anos e está em franco desenvolvimento. O FDA (EUA), já a homologou há quatro anos. Segundo Santos, o Biotyper (um MS time of flight – TOF, com matriz assistida por desorção e ionização a laser – Maldi) encontra usos em vários campos, permitindo o estudo de micro-organismos de interesse agrícola e estudos de contaminação de alimentos, entre outros. Basicamente, é preciso isolar uma colônia do micro-organismo a identificar. Basta coletar uma pequena fração do material e colocá-la em uma placa metálica de suporte (capaz de comportar até 96 amostras) que é introduzida no instrumento analítico. Em um minuto, ele faz a leitura do perfil de proteínas presente em cada amostra e o compara com um banco de dados com mais de 6 mil perfis de interesse médico já catalogados, armazenados na memória do instrumento. “Além disso, cada cliente pode criar sua própria biblioteca, armazenando novos perfis”, disse.

    O estande da Bruker não contou com a presença de um exemplar do Biotyper, mas fornecia informações sobre a tecnologia, já disponível para venda no país. Além dele, Machado comentou que os espectrômetros de massa ganham a cada ano mais resolução e capacidade analítica. “A Bruker também é muito forte em ressonância magnética nuclear para análises”, comentou.

    Química e Derivados, Carvalho e espectrômetro Raman: técnica analítica avança e conquista aplicações

    Carvalho e espectrômetro Raman: técnica analítica avança e conquista aplicações

    Raman avança – A técnica de espectroscopia Raman avança a passos largos no campo analítico, por combinar rapidez, simplicidade operacional – dispensa preparo da amostra, que não é destruída – e elevada precisão. “É a técnica analítica do futuro”, comentou Igor Alessandro Silva Carvalho, especialista em espectroscopia micromolecular e gerente regional para a América Latina da Horiba Instruments Brasil.

    Ele explicou que a técnica já é conhecida no meio acadêmico e, agora, começa a conquistar o campo analítico em atividades industriais. É uma técnica que detecta e analisa vibrações elementares induzidas, captadas por um sensor CCD, permitindo obter resultados qualitativos e quantitativos (estes, indiretamente). “Aliando a espectroscopia Raman com força atômica, conseguimos baixar a resolução de 100 micrômetros para 10 nanômetros, atendendo às necessidades do desenvolvimento da nanotecnologia”, comentou Carvalho.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *