Laboratório e Análises

25 de setembro de 2017

Analitica Latin America: Atualização da tecnologia das análises melhora o desempenho e a produtividade operacional

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Analitica Latin America: Atualização da tecnologia das análises melhora o desempenho e a produtividade operacional

    Fornecedores e usuários de produtos e serviços ligados ao campo das análises têm encontro marcado no São Paulo – Expo & Convention Center, de 26 a 28 de setembro, na Analitica Latin America. O maior evento do setor na região é realizado a cada dois anos e atende a uma ampla gama de segmentos de mercado, tanto da iniciativa privada, quanto de órgãos públicos, universidades e institutos de pesquisa.

    Química e Derivados, Carvalho: feiras atuais devem gerar experiências exclusivas

    Carvalho: feiras atuais devem gerar experiências exclusivas

    “Esperamos trazer para a feira mais de 7,5 mil visitantes para conhecer as novidades da mais de 500 marcas expostas, superando os números alcançados em 2015”, comentou Diego Carvalho, diretor de portfólio da NürnbergMesse Brasil, organizadora da 14ª Analitica Latin America e do 5º Congresso Analitica, promovido paralelamente.

    Carvalho salienta que o mercado de produtos e serviços analíticos sentiu os efeitos da crise econômica nacional, mas sinais de recuperação voltaram a ser emitidos nos últimos 14 meses. “Os expositores estão preparando uma quantidade grande de novidades para mostrar ao público, mesmo porque os clientes da área farmacêutica e de cosméticos são muito fortes e atuam no mercado global, requerendo avanços constantes em análises”, considerou.

    O diretor de portfólio ressalta que o papel de uma feira de negócios não se resume a gerar encomendas, mas também de auxiliar a criação de uma rede de suprimentos, bem como de fortalecer relacionamentos entre pessoas. “Adotamos uma estratégia na qual os diversos agentes envolvidos tenham uma comunicação melhor entre eles, mais efetiva”, comentou.

    Dessa forma, ficou estabelecido o Circuito do Conhecimento e Inovação, permitindo a troca de conhecimentos e experiências entre os participantes. Há também o Q-Lounge, local aberto e acessível com apresentações rápidas focadas em tendências de mercado e novas técnicas, com a possibilidade de realizar demonstrações práticas no espaço Live Lab, totalmente equipado para isso. A emergente nanotecnologia terá espaços próprios para expor tecnologias específicas (Nano Trade Show e NanoSoluções).

    A MesseNürnberg também criou o serviço hospitality class, mediante o qual 500 clientes estratégicos selecionados pelos expositores terão acesso exclusivo e diferenciado ao evento, com contato direto e próximo com os expositores. Também será promovida a Insight Experience com 80 visitantes especialmente escolhidos para levantamento do conteúdo de interesse para eles e sua satisfação. Os participantes podem ser levados a um curso no exterior. “Atualmente, uma feira precisa ir além dos conceitos tradicionais e oferecer experiências exclusivas para diferentes públicos”, salientou.

    Além da exposição, Carvalho ressalta a importância do congresso paralelo, que atrai pesquisadores, técnicos e estudantes. “O congresso terá palestrantes daqui e do exterior, com alta qualidade e atualidade dos temas”, disse. Como salientou, ainda há uma lacuna entre a química analítica nacional e o que se faz no exterior. E não se trata de falta de instrumentação, pois o Brasil foi o maior comprador de instrumentos analíticos do mundo em 2013. “O nosso problema está nos entraves burocráticos, os pesquisadores têm uma grande dificuldade para transformar o conhecimento por eles desenvolvido em negócios efetivos”, lamentou. Nesse sentido, a realização da Analitica tem o papel de gerar negócios e também alavancar a solução de problemas comuns.

    Com base nos dados apontados pelo pré-credenciamento dos visitantes, Carvalho aponta que mais de 45% deles atuam em laboratórios de pesquisa e desenvolvimento, dos quais 17% estão na indústria ou área comercial e 17% na academia. “Eles buscam inovações e fontes alternativas de suprimento de equipamentos, instrumentos, acessórios e insumos químicos, como reagentes”, afirmou.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *