Meio Ambiente (água, ar e solo)

Ambiente – FIEMA apresentou técnicas para lidar bem com o lixo

Fernando C. de Castro
15 de julho de 2012
    -(reset)+

    A Metalsinter Ambiental apresentou uma estação compacta para tratamento e reúso de efluentes. O sistema, lançado em maio de 2011, divide-se em três etapas: captação, tratamento e uso. De acordo com o coordenador comercial da empresa, Reinaldo Ferreira, o MS-ECO-RA é o equipamento mais vendido, pois possui um sistema operacional simples, custo operacional baixo, economia de água potável e menor investimento. “A estação tem muitas vantagens, mas o grande destaque é a tecnologia compacta e os diversos tamanhos do equipamento. Isso garante a grande procura”, salienta.

    O biotratamento em instalações sanitárias industriais realizado com micro-organismos está saindo das grandes estações de tratamento de efluentes ETES para o consumo de varejo e doméstico. É o que promete a empresa Enzilimp com suas barricas de papelão, que variam de 500 gramas até 20 quilos de bactérias embaladas, que agora podem ser empregadas para limpeza de caixas de gordura de pequenos comércios, tais como restaurantes, bares, lavanderias, e em instalações mais complexas, como hospitais e unidades de atendimento médico, condomínios e casas, neste caso, para a limpeza e desinfecção de redes de esgotos internas, por exemplo.

    química e derivados, presidente da Fiema Brasil, Márcio Chiaramonte, resíduo industrial

    Chiaramonte: fundação transformará resíduo industrial em combustível

    Evento inovador – O presidente da Fiema Brasil, Márcio Chiaramonte, deu as boas-vindas a todos os convidados e aproveitou a oportunidade para protestar e pedir aos governos que auxiliem o setor para a aquisição de novas tecnologias. Para ele, a Fundação Proamb transformou Bento Gonçalves em um polo que reúne todas as características favoráveis ao setor. Ele ressaltou que, para participar do evento, as empresas expositoras têm necessariamente que atuar em negócios comprovadamente comprometidos com a sustentabilidade. “Da Fiema depende o programa de sustentabilidade que o país precisa”, afirma Chiaramonte.

    Conforme informou, a Proamb reuniu 600 empresários há mais de 15 anos para remediar seus resíduos industriais dentro das normas internacionais, o que correu com “extremo sucesso, por conta dos aterros de resíduos sólidos construídos em Bento Gonçalves, dentro de normas técnicas rigorosas, e aprovados por auditorias internacionais.

    Agora, a entidade vai criar um sistema para transformar todos os resíduos industriais da região com propriedades inflamáveis em combustível industrial. Por conta de convênio firmado com a cimenteira Bagé, os resíduos caloríferos da região de Bento Gonçalves alimentarão o forno de coque da cimenteira, com planta industrial na cidade de Bagé-RS. Serão repassados ao grupo cimenteiro estopas, óleos, terras contaminadas, pneus e solventes usados.

    O presidente ressaltou ainda os eventos simultâneos realizados nos quatro dias, como o primeiro encontro empresarial, englobando 330 reuniões da rodada de negócios. Segundo ele, a Fiema serve para estreitar contatos com empresas do setor, estimular negócios e expandir sua rede de relacionamentos comerciais. “A Fiema apresenta a cada ano novas tendências e práticas ambientais bem-sucedidas no setor, que transformou o evento em um gerador de experiências de negócios importantes para o sul do país”, encerra Chiaramonte.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *