Alimentos Transgênicos – Brasileiro emite laudo

Análises de transgênicos no Brasil

A demanda por análises de resíduos de transgênicos em matérias-primas e em alimentos no Brasil tem aumentado significativamente nos últimos dois anos, principalmente após a aprovação do plantio comercial da soja transgênica resistente ao herbicida glifosato pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, ligada ao Ministério de Ciência e Tecnologia. Apesar da aprovação pela CTNBio, o plantio da soja transgênica em território nacional está suspenso por decisão judicial, a partir de ação movida pelo Instituto de Defesa do Consumidor – IDEC e por Organizações Não-Governamentais, com base no fato da soja transgênica não ter sido submetida a testes de impacto ambiental nas condições brasileiras pela empresa detentora da variedade transgênica (Monsanto do Brasil S/A).

Química e Derivados: Alimentos Transgênicos: Os doutores Marta Fonseca Martins e Ivan Schuster (ao centro), bem como Márcio Antonio Silva (á esquerda), são alunos de pós-gradução do curso de Genética da UFV e usuários do seqüenciador de DNA Perkin-Elmer nos testes de transgênicos.
Os doutores Marta Fonseca Martins e Ivan Schuster (ao centro), bem como Márcio Antonio Silva (á esquerda), são alunos de pós-gradução do curso de Genética da UFV e usuários do seqüenciador de DNA Perkin-Elmer nos testes de transgênicos.

A maior parte dessas análises tem sido demandada por empresas exportadoras de grãos de soja e produtos derivados (farelo, farinha, isolados protéicos etc.) para a Europa e Japão.

No Brasil, recentemente se constatou a presença de resíduos de transgênicos nos alimentos consumidos à base de soja, milho e batata.

Com isso, as empresas de alimentos atuantes no mercado nacional passaram a demandar tal tipo de serviço. Com a iminente aprovação de normas regulamentando a rotulagem de alimentos transgênicos pelo governo federal, a demanda por essas análises deverá aumentar.

Já antevendo esse cenário, a Universidade Federal de Viçosa (UFV), por intermédio do seu Instituto de Biotecnologia (Bioagro) desenvolveu metodologia baseada na técnica de PCR para determinar e quantificar a presença de resíduos de transgênicos em alimentos. Essa técnica é baseada na detecção direta de transgenes em amostras de DNA extraídas do alimento. Esse tipo de serviço está sendo oferecido à comunidade, para pessoas jurídicas ou físicas, por meio da empresa incubada LabGene-AgroGenética, desde o final do ano passado. A empresa foi criada em parceria com o Bioagro e a Incubadora de Empresas de Base Tecnológica da UFV. Apesar da demanda por análises estar, no momento, mais concentrada na soja transgênica e seus derivados, a empresa incubada está preparada para detectar transgênicos em alimentos derivados das mais variadas procedências, ou seja, de milho, batata, tomate, canola, entre outros. Paralelamente a empresa realiza também analises de DNA para caracterização de paternidade humana.

A equipe técnica responsável pelo LabGene-AgroGenética é formada por profissionais com doutorado na área de Biologia Molecular de Plantas e pelos professores Maurilio Alves Moreira (moreira@mail.ufv.br) e Everaldo Gonçalves de Barros (ebarros@mail.ufv.br) da UFV, doutores em Bioquímica-Genética e Biologia Molecular de Plantas, respectivamente. As solicitações de análises, ou de esclarecimentos, podem ser encaminhadas via e-mail aos professores responsáveis, ou pelo telefone do LabGene-AgroGenética 0-xx-31-899 2871.

 

Página anterior 1 2 3 4

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios