Alimentos Transgênicos – Brasileiro emite laudo

Detecção de transgenes em alimentos – As plantas transgênicas já fazem parte do nosso dia-a-dia e estão sendo comercializadas, ou em fase de teste, no mundo inteiro. Novos eventos de transformação estão ocorrendo neste momento em diversos laboratórios do planeta e alimentos transgênicos já ocupam prateleiras em muitos supermercados. Diante dessa nova realidade, pergunta-se: é possível dizer se um alimento é ou não transgênico? Sim. É possível, de maneira bastante precisa, afirmar se um alimento é derivado de uma planta transgênica, de uma outra não transgênica ou de uma mistura de ambas. Essencialmente existem dois métodos usados para esse fim: o imunológico e a reação em cadeia da DNA polimerase (PCR).

Química e Derivados: Alimentos Transgênicos: Detecção da tira de papel.O primeiro baseia-se na detecção, por anticorpos específicos, da proteína que é codificada pelo transgene, ou pelo gene marcador. O outro método detecta o transgene diretamente, ou seja, o segmento de DNA introduzido na planta. A Figura 1 mostra uma representação simplificada das etapas executadas na técnica de ELISA.

Métodos imunológicos – Existem pelo menos duas técnicas imunológicas para detectar a proteína codificada pelo transgene ou pelo gene marcador: a técnica de ELISA (Enzyme Linked Immunosorbent Assay) e a técnica de detecção em tira de papel.

Na técnica de ELISA, primeiramente um extrato do alimento transgênico é adicionado a uma placa de poliestireno e as proteínas são adsorvidas (imobilizadas) na placa. Em seguida, uma solução contendo anticorpo específico para a proteína de interesse (anticorpo 1) é adicionada à placa. Este se liga de modo específico à proteína.

Finalmente, é adicionado à placa um segundo anticorpo (anticorpo 2) que reconhece especificamente o anticorpo 1. Ao anticorpo 2 está conjugada uma substância fluorescente, ou outra capaz de permitir a sua detecção visual ou por aparelhagem específica. Dessa maneira, se o extrato contiver a proteína de interesse, o anticorpo 1 se ligará a ela; a este se ligará o anticorpo 2 e conseqüentemente haverá maneira visual de determinar a presença da proteína e confirmar se o alimento é transgênico.

Em virtude da especificidade da interação proteína-anticorpo, a técnica de ELISA é bastante sensível, podendo detectar alguns nanogramas da proteína de interesse. A metodologia é bastante simples, direta e reprodutível, podendo processar dezenas (ou mesmo centenas) de amostras ao mesmo tempo. É considerado um método preciso e tem sido utilizado por diversos laboratórios na identificação de alimentos transgênicos, sendo aceito por países da Comunidade Européia para essa finalidade.

A técnica de detecção em tira de papel tem sido empregada como um método qualitativo para detectar transgenes em grãos e folhas. É um processo simples, também baseado na interação proteína-anticorpo. O esquema da Figura 2 ilustra a base de funcionamento do método. A tira normalmente é feita de celulose. Na sua extremidade superior é embebido o anticorpo de captura, e no terço inferior da tira é embebido o anticorpo de detecção, ligado a uma substância capaz de promover o aparecimento de cor. O anticorpo de detecção é específico para a proteína de interesse.

Na prática, inicialmente, a extremidade inferior da placa é imersa em um tubo contendo o extrato do material a ser analisado (Etapa 1). Se a proteína de interesse estiver presente na amostra, ela migrará para a parte superior da tira, arrastada pela solução. O anticorpo de detecção também irá migrar (Etapa 2). Na medida em que a proteína migra, a ela se ligam moléculas do anticorpo de detecção. O complexo proteína-anticorpo vai se tornando cada vez maior até não conseguir mais migrar e “focaliza” em uma faixa única. As moléculas do anticorpo de detecção, que não se ligam à proteína e continuam migrando para a porção superior da tira, são capturadas pelo anticorpo de captura, formando uma segunda faixa. Uma vez que o anticorpo de detecção está ligado a uma substância que promove o aparecimento de cor, ele se torna visível nas duas faixas onde a sua concentração localizada é elevada. A presença de duas faixas indica resultado positivo (Etapa 3). A presença de apenas uma faixa (a superior) indica que o teste foi negativo. Há pelo menos duas dificuldades básicas associadas aos métodos imunológicos na identificação de alimentos transgênicos: a proteína de interesse deve ser purificada e utilizada na obtenção de um anticorpo específico que a reconheça; e a detecção da proteína depende da sua concentração na planta transgênica e da sua expressão no espaço e no tempo. A purificação de uma proteína, dependendo do seu teor no organismo que a produz originalmente, pode não ser uma tarefa trivial.

Uma baixa expressão da proteína de interesse na planta transgênica pode ser suficiente para garantir o seu efeito fisiológico; no entanto, pode impedir a sua detecção pelo método imunológico. Além disso, deve ser considerado que se um transgene tem uma expressão bastante específica no tempo (antes da floração, por exemplo) e no espaço (especificamente nas folhas jovens, por exemplo), a proteína de interesse não poderá ser detectada pelo método imunológico em um alimento feito à base de grãos, por exemplo.

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios