Álcool e Açúcar (usinas)

Álcool – Produtos de álcool vivem fase de euforia

Marcelo Furtado
3 de setembro de 2004
    -(reset)+

    Apenas neste ano, a Dedini vendeu duas novas usinas, para os Estados de Mato Grosso do Sul e Minas Gerais (região do Triângulo Mineiro).

    “Temos outros quatro projetos em análise até fevereiro de 2005”, informou Olivério, que pretende disputar 12 projetos anunciados de novas instalações para iniciar produção até 2008.

    Internacionalização – O setor sucroalcooleiro abandonou a postura isolacionista mantida durante décadas e já colhe os primeiros frutos de articulações com parceiros internacionais. “O setor produtivo do Brasil abre mercados por meio da atuação na Global Sugar Alliance, que congrega os principais produtores mundiais”, explicou Nastari. A recente vitória na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra os subsídios oferecidos à produção de açúcar de beterraba na Europa, por exemplo, foi fruto de uma queixa oferecida em conjunto por Brasil, Austrália e Tailândia.

    A expectativa é romper barreiras contra a entrada de açúcar obtido de cana na União Européia, mas os resultados práticos devem demorar um pouco. Segundo o consultor, o relatório do painel de julgamento será divulgado para todos os membros da OMC em outubro, oferecendo prazo de 60 dias para os países afetados apresentarem apelação, cujo julgamento demora, em média, seis meses. “Depois do julgamento das apelações, sendo confirmadas as posições do painel, começa o período de implementação das decisões, quando o mercado ao açúcar deverá ser aberto em um período variável de dois meses a um ano”, explicou. Não havendo implementação, é possível retaliar comercialmente, contra qualquer produto daquela região.

    No cenário internacional, o mercado de açúcar se revela interessante quando se sabe que Índia e Austrália sofreram quebra de safra por motivos climáticos, a Europa já prevê redução dos plantios de beterraba, e a Tailândia anunciou a retirada de incentivos oficiais à produção de cana, que ficarão restritos a 50 milhões de t/ano, para uma expectativa de produção de 75 milhões de t. “O preço de US$ 0,08 a US$ 0,085 por libra peso de açúcar é bom para o produto brasileiro, cujo ponto de equilíbrio se situa perto de US$ 0,05 na região Centro-Sul (granel FOB) para o tipo VHP”, afirmou.

    O antigo tipo demerara, com 96º pol, perdeu a condição de padrão de mercado para outros açúcares crus com mais sacarose. Produtos com teores entre 96º a 99º pol predominam nos negócios a granel. Há uma escala de prêmios pagos pelos compradores por acréscimos de polarização (maior teor de sacarose) até o topo dessa escala. Imediatamente acima dessa categoria, aparece o tipo VHP (muito alta polarização), de 99,0º a 99,5º pol, ainda na faixa dos crus. “Os produtores brasileiros unidos conseguiram ingressar com um membro no comitê mundial da Bolsa de Mercadorias de Nova York, e incluíram o pagamento de um prêmio para açúcares de 99º a 99,3º pol, adicionando 0,1% ao preço para cada 0,1º pol a mais, a partir em março de 2006”, comentou Nastari.

    A premiação da qualidade impulsiona investimentos no setor. Para o futuro, desponta o tipo VVHP (polarização muito muito alta), de 99,5º a 99,7º pol, já considerado um tipo intermediário entre crus e refinados. “As refinadoras mais modernas do mundo preferem esse tipo, que é mais fácil para processar”, explicou. Além do VVHP, aparecem os tipos refinados, vendidos ensacados, ou em big bags, e os refinados e granulados, com 99,8º pol, prontos para uso. Nastari acredita que o mercado ainda se concentrará nos granéis, embora nas faixas mais sofisticadas, incluindo controle sobre amido e dextrana. “Já existe estrutura de refino nos países desenvolvidos e o custo logístico favorece os granéis”, explicou, mencionando também a existência de regimes tarifários que favorecem o refino no país de destino.

    Apesar disso, as restrições aos subsídios europeus abrem novas oportunidades. “Com as restrições que podem advir da decisão da OMC, a Europa deverá deixar de exportar três milhões de toneladas de granulado por ano, abrindo espaço para outros fornecedores, entre eles o Brasil”, explicou.

    Conceitos revistos – A produção de etanol a partir de cana-de-açúcar é uma atividade na qual o Brasil apresenta domínio total da tecnologia. “Recebemos todos os meses visitantes de vários países interessados no sistema brasileiro de produção, mas sobretudo para ver de perto carros movidos exclusivamente a álcool”, afirmou Olivério. Do ponto de vista do fabricante de equipamentos, não foram introduzidas mudanças significativas nos processos. Mas, recentemente, foram obtidos resultados importantes nos rendimentos das operações industriais, conduzindo a economias de energia. “As utilidades dentro das usinas podem e devem ser otimizadas, principalmente por meio de um projeto integrado de todas as etapas e operações”, recomendou.

    Além do melhor desempenho energético, as modificações também se refletem em um item ainda pouco considerado nas planilhas de custo do setor: a água. No Estado de São Paulo, por exemplo, já há regiões com limitações para a captação direta nos rios, além da cobrança recente de taxas, dada a concorrência com o abastecimento urbano. “A água ainda é barata para as usinas, que preferem direcionar investimentos para ampliar a produção”, disse Josué Vitti, superintendente de negócios de açúcar e álcool da Dedini S/A .



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *