QUÍMICA.com.br – O Portal da revista Química e Derivados


Tratamento de Água

Água: Produção local ganha força com alta do dólar

Marcelo Furtado
14 de outubro de 2002
    -(reset)+

    Multifuncional – Existir ainda empresas nacionais procurando desenvolver produtos para nichos específicos e concorrendo com os grandes grupos estrangeiros é uma prova da boa dimensão do mercado brasileiro. Além dos desenvolvimentos da Hábil, uma outra empresa tupiniquim está já há alguns anos criando alternativas tecnológicas próprias: a Logos Aqua, de Barueri-SP. Oriunda de ex-funcionários da antiga Aquatec, empresa brasileira pioneira no tratamento de água industrial, a empresa tenta manter sua pesquisa em atividade.

    Química e Derivados: Água: Araujo - polímero multifuncional de molibdato.

    Araujo – polímero multifuncional de molibdato.

    O mais recente desenvolvimento da Logos volta-se sobretudo para o mercado de resfriamento industrial. Trata-se de um aditivo multifuncional à base de molibdato, que congrega em um só composto as propriedades do dispersante e de inibidores de corrosão e de incrustação.

    Denominado MF, o produto, segundo o diretor da Logos, Renato Araujo Silva, foi formulado com o propósito específico de atender a água brasileira, considerada na média muito corrosiva e com grande potencial de incrustação, com alta presença de ferro e manganês.

    De acordo com Araujo, o produto está sendo testado no campo há um ano e sua maior vantagem, além da simplificação na dosagem, é a facilidade do controle, realizada mediante análise de fósforo e molibdato na água residual. Produzido na nova fábrica da Logos em Leme-SP, foi desenvolvido em cooperação com a Escola Politécnica da USP, cujo departamento de corrosão se encarregou de testes laboratoriais.

    O mercado principal das novas formulações é o de torres pequenas e médias, já para as maiores os controles com dispersantes e inibidores precisam ser mais individualizados, fatalmente exigindo o uso de vários produtos. Em cada composto multifuncional, explica o diretor, há dois polímeros, um deles acrílico com presença de sal molibdênio para combater a corrosão e outro, um dispersante para metais, variando o tipo conforme a aplicação.

    Uma vantagem importante dos sais de molibdato como anticorrosivo, há muitos anos aplicado no mundo e introduzido com mais intensidade no Brasil na década passada pela Kenisur (hoje incorporada a Ondeo Nalco), é não ser tóxico. Essa vantagem ganha maior relevância tendo em vista seu poder anticorrosivo similar ao cromato, considerado o melhor nesse quesito mas condenado por sua carcinogenicidade. Em comparação a outros inibidores utilizados pelo mercado, como os fosfatos e fosfonatos, os molibdatos também têm vantagens: estabilidade térmica maior e vulnerabilidade menor a oscilações de pH. Além disso, também não geram lodo, como os produtos à base de fosfato.

    Iniciativas como a da Logos Aqua e da Hábil Química devem continuar a render dividendos aos investidores (só a Hábil em 2001, em razão dos negócios com enzimas, aumentou em 50% suas vendas ). Mesmo desprovidas do poder de adivinhação, ao insistirem no programa de desenvolvimento e produção locais essas empresas continuarão a colher os frutos da proteção garantida pela desvalorização da moeda.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *