Alimentos e Bebidas

Aditivos alimentícios – Ultraprocessados provocam disputa entre ministérios

Renata Pachione
21 de dezembro de 2020
    -(reset)+

    Vilões? – O guia também recebeu reações negativas quando associou o número de ingredientes e os nomes não convencionais presentes nos rótulos dos alimentos à nocividade dos produtos. Segundo os críticos, o mais importante é pensar no conteúdo de nutrientes. “A banana, por exemplo, tem fenilalanina, etil butanoato, ácido oxálico e gás etileno. Pela classificação, se tivesse um rótulo na casca da banana, haveria uma lista considerável de ingredientes, com nomes complexos e desconhecidos: então não devemos consumir?”, provoca Madi.

    A discussão atinge a cadeia de alimentos industrializados como um todo, considerando desde o fornecedor de matéria-prima e aditivos até o comerciante do ponto de venda direto ao consumidor. Mariana ressalta que a disseminação de informações confusas e sem respaldo científico tem sua parcela de responsabilidade na formação de opiniões equivocadas sobre o assunto, o que gera uma visão preconceituosa sobre determinados produtos alimentícios. “As definições da classificação Nova, que generaliza a indústria de alimentos e coloca os industrializados como alimentos que fazem mal à saúde, impactam negativamente o setor”, diz a engenheira.

    Química e Derivados - Aditivos alimentícios - Ultraprocessados provocam disputa entre ministérios ©QD Foto: Divulgação

    Os aditivos incorporados aos alimentos industrializados têm o papel de desempenhar funções específicas e de extrema importância nas formulações. Com a aplicação de aditivos e processos tecnológicos foi possível obter alimentos com prazos de validade estendidos e quimicamente estáveis, permitindo ao consumidor o acesso, por exemplo, a alimentos durante o período de entressafra, e em locais pouco prováveis de serem encontrados.

    Esses químicos também são empregados nos alimentos quando se nota a necessidade de uma função tecnológica a ser desempenhada na formulação, como a padronização do produto final e o impedimento de alterações químicas durante o período de estocagem. Os aditivos podem também manter, conferir ou modificar o sabor e a coloração dos alimentos. Segundo Mariana, a adição de aditivos, somada à aplicação de processos tecnológicos, permite a segurança alimentar, e não necessariamente define a saudabilidade de um alimento. “O fato de um produto não ter sido acrescido de aditivo não significa que ele é mais saudável do que aquele que o contém. De maneira semelhante, o fato de conter não implica que não seja seguro para o consumo”, afirma.

    Além disso, os aditivos também podem melhorar o valor nutricional dos alimentos, já que algumas perdas de nutrientes podem ocorrer durante o processamento. E nesse sentido, o portfólio da Nicrom contém diversas opções de produtos, que contribuem para a palatabilidade do alimento, sem perder o apelo saudável. Alguns exemplos ficam por conta dos corantes naturais, aromas, ácido ascórbico e edulcorantes de approach natural da linha.

    Aliás, um grande avanço no consumo dos processados/ultraprocessados se deu por causa da indústria de aromatizantes, que é considerada bastante desenvolvida. O sabor dos alimentos industrializados provém dos compostos aromáticos do alimento in natura somado àqueles formados durante o processamento. Então, o aroma entra intensificando essas notas aromáticas, não só conferindo sabor aos alimentos, mas também caracterizando o produto final e aumentando a sua aceitabilidade.

    Segundo a engenheira da Ni­crom, o consumidor deseja um produto saudável, nutritivo e saboroso ao mesmo tempo, e os aromas nesse sentido são capazes de satisfazer o paladar trazendo sabores únicos, e permitem que alimentos nutritivos, porém com sabores pouco agradáveis, sejam ingeridos. “Sem dúvida, as soluções proporcionadas pelos aromas possibilitaram a elaboração de alimentos industrializados mais alinhados ao desejo do consumidor, e contribuíram para o aumento do consumo dos processados”, diz Mariana.

    Química e Derivados - Aditivos alimentícios - Ultraprocessados provocam disputa entre ministérios ©QD Foto: Divulgação

    Mariana: aditivação contribui com a segurança dos alimentos

    Há 28 anos no mercado, a distribuidora de matérias-primas Nicrom atua no setor de alimentos com aditivos, e tem se empenhado cada vez mais em abastecer o mercado com uma ampla oferta de opções. Sua mais recente fornecedora de aromas alimentícios é a multinacional japonesa Takasago. “A parceria mostra o nosso interesse em trazer novidades e oportunidades ao segmento, tendo sempre como principal objetivo oferecer itens que atendam às necessidades da indústria e que também contem com as certificações exigidas pelo setor”, afirma Mariana. A saber: a Takasago é considerada uma das cinco maiores empresas do mundo na produção de aromas e fragrâncias.

    Química e Derivados - Aditivos alimentícios - Ultraprocessados provocam disputa entre ministérios ©QD Foto: Divulgação

    Natalia apresenta aditivos que reduzem uso de gordura

    A Basf também apresenta sua contribuição para a saudabilidade dos alimentos industrializados. A companhia fornece para a indústria uma grande variedade de vitaminas, ômega, fitoesterol, licopeno e carotenoides entre outros ingredientes funcionais, além de aditivos para panificação e confeitaria. “Esses ingredientes têm a função de enriquecer alimentos como margarina, biscoitos, iogurte, cereais, pães, sucos, entre tantas outras possibilidades”, afirma a gerente senior de Inovação, Regulatórios e Qualidade da Basf, Natalia Furakawa. Segundo ela, também são essenciais para o desenvolvimento de fórmulas infantis, que ajudam as mães que não podem amamentar, e de alimentos enterais, para pacientes que precisam receber a nutrição de modo especializado e customizado.

    Enfatizando ser possível fazer um produto industrializado sem ter perdas de saudabilidade, Natalia traz exemplos do portfólio da Basf, como os aditivos que reduzem a utilização de gordura para produtos de panificação e confeitaria. “O Lamequick e o Spongolit atendem necessidades de produção relacionadas a textura, facilidade na produção, melhores condições de processamento, estabilidade, garantindo a experiência sensorial dos consumidores”, diz a gerente.

    Outro exemplo fica por conta dos ingredientes termoestáveis. Segundo Natalia, eles garantem que os nutrientes dos alimentos industrializados se mantenham intactos até o final do processo. A companhia cita o ômega em pó, microencapsulado e desodorizado. “Ele viabiliza a introdução de ingredientes saudáveis na dieta das pessoas”, afirma Natalia. O produto tem a proposta de garantir a integridade do ativo durante a fabricação e não interfir no sabor do alimento a ser consumido, como um iogurte e pães, por exemplo.

    Segundo Madi, do Ital, a ciência e a tecnologia dos alimentos desenvolveu-se tanto que não há o que duvidar da indústria quanto à segurança dos produtos. “Nunca tivemos no Brasil alimentos industrializados tão seguros do ponto de vista de contaminação, seja microbiológica ou química. No entanto, o consumidor fica em dúvida devido a essas confusões de conceitos, indicando o que faz mal e fazendo correlações”, afirma Madi.

    Divergências à parte, de alguma maneira, há consenso em uma questão: é preciso bom senso ao se alimentar. Madi explica com um exemplo. “Um dos alimentos que mais gostamos no Brasil chama-se feijoada, que mal existe industrializada. A feijoada tem alto teor de gordura e sal, só que não vou comer feijoada todo dia e eu não posso comer um quilo de feijoada porque seria muito calórico. Então o que fazer? Adequar o consumo”, conclui.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *