Comércio e Distribuição de Produtos Químicos e Especialidades

Adesivos: Construção verde incentiva uso de tecnologias híbridas e isentas de solventes

Marcelo Furtado
28 de junho de 2013
    -(reset)+

    Química e Derivados, Adesivos, Henkel, Flextec FT 101 da Henkel: adesão e vedação em espelho

    Flextec FT 101 da Henkel: adesão e vedação em espelho

    A outra grande vertente de atuação dos adesivos para a construção verde, dentro da Henkel, é na linha de adesivos industriais. Nesse caso, explica Sergio Crude, adesivos anaeróbicos metacrílicos, livres de solventes e com baixa toxicidade, têm sido requisitados por vários fabricantes de equipamentos como elevadores, ares-condicionados e outros sistemas de infraestrutura predial. A vantagem aí é evidente: substituem a fixação mecânica, ou seja, milhares de parafusos, rebites e soldagens, o que facilita não só a fabricação como também torna os equipamentos mais leves e menos demandadores de energia.

    Crude percebe no seu cotidiano de trabalho o crescimento na demanda pelos sistemas verdes da Henkel. “Assino no mínimo três solicitações por semana de construtoras e arquitetos requisitando produtos que atendem as edificações com selos ambientais”, disse. Um contrato recente que ilustra bem o momento é o da construção do Estádio do Maracanã, que terá certificação LEED e fará a vedação e adesão de placas de concreto pré-moldadas com o Flextec FT 101. Os mesmos padrões seguirão as obras para a Olimpíada de 2016. Além disso, para se ter uma dimensão do crescimento da construção sustentável, todas as novas agências do Banco Santander, as novas fábricas da Coca-Cola, e vários empreendimentos de grandes construtoras, como a Odebrecht, concebem projetos para serem certificados por selos verdes (a brasileira Fundação Vanzolini também tem um selo similar ao LEED, o Aqua, já com 70 empreendimentos certificados).

    Para passar no check-list – A 3M, outra cofundadora do GBC, criou uma estrutura de produtos específicos para atender à demanda ambiental dos selos, em especial do próprio LEED, segundo explicou a engenheira de desenvolvimento de aplicação de fitas e adesivos, Bárbara Nunes. “Com o uso desses adesivos e fitas, as empresas em certificação ganham automaticamente créditos no LEED”, disse. O processo do GBC é uma espécie de check-list, pelo qual os auditores verificam se a empresa atende a uma série de determinações do programa em gestão ambiental (água, resíduos, energia, uso de materiais). A cada ponto atendido, a empresa ganha créditos para tentar atingir os graus hierárquicos do LEED (básico, prata, ouro e platina) e assim ser laureada conforme seu desempenho no projeto e na construção do empreendimento.

    Química e Derivados, Bárbara, 3M, linha para gerar créditos no selo ambiental LEED

    Bárbara: 3M tem linha para gerar créditos no selo ambiental LEED

    As linhas específicas da 3M incluem, para começar, selantes de poliuretano (PU) para vedação interna, com baixo VOC, dispostos no grade 540, com maior poder de adesão e flexibilidade, e no 525, propício para vedação e com mais elasticidade. Mas, assim como no caso da Henkel, a 3M conta com selantes híbridos, isentos de isocianato (base do PU considerada cancerígena e em proibição na Europa), e que possuem função dupla de colagem e vedação. Produzidos na fábrica da 3M na França, os híbridos são silanos modificados à base de poliéter.

    “Eles são resistentes aos raios UV e aceitam pintura. Além disso, agregam as melhores características do PU de adesão às de vedação do silicone”, explicou Bárbara. Segundo ela, os híbridos têm duas versões: o 755, disposto nas cores branca, preta e cinza; e o 730, mais translúcido do que o silicone e ideal para colagem entre placas de vidro, por exemplo. “É quase impossível perceber o adesivo”, disse. Os selantes híbridos, de acordo com Bárbara, geram créditos no LEED não só por serem livres de isocianato e solventes, mas também porque sua eficiência diminui a quantidade de material na obra e a alta resistência dá mais durabilidade à aplicação. “Além da resistência ao UV, eles têm adesão maior”, completou a engenheira.

    Além das linhas de selantes, a 3M coopera com a “adesão sustentável” por meio dos adesivos de contato Fastbond 30, para colagem de madeira-madeira. Trata-se de adesivo de contato base água de policloropreno, substituto de colas com solventes – o principal deles, o toluol, altamente tóxico. Além disso, o Fastbond 100, disperso em água e à base de neoprene, é específico para colagem de espumas flexíveis de poliuretano, tecidos de espuma de látex, couro, madeira, superfícies metálicas, plásticos e fibras de poliéster. Monocomponente, ele tem alta resistência à temperatura por causa da presença de neoprene em sua composição. Faz parte da linha também o Fastbond 49, outro adesivo base água e de altos sólidos, para colagem pressure sensitive de materiais leves como fibras de vidro para isolamento acústico, mantas e outros materiais que precisam de aderência em superfícies metálicas ou outros substratos.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *