ABTCP 2011 – Feira destaca economia de água e energia

O ABTCP 2011 – 44º Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel – foi o palco ideal para o anúncio da criação da Jaraguá Ipex. Um empreendimento com foco no ramo de papel, celulose, química, lubrificantes e alimentos que uniu a Jaraguá Equipamentos Industriais, cinquentenária fabricante de bens de capital mecânicos de grande porte, e a Ipex, empresa da área de tecnologia e engenharia de processo, fundada em 1995.

Christiano Lopes, superintendente do novo empreendimento, disse que a companhia não vai medir esforços para conquistar uma fatia significativa dos US$ 20 bilhões que o setor espera investir nos próximos anos. “Não temos um valor exato de quanto será o nosso faturamento, mas não temos limites, porque a nossa estrutura permite ofertar pacotes de grande porte. Nos unimos para isso”, afirmou o executivo.

O 44º congresso da ABTCP contou com a parceria da congênere alemã Zellcheming – Associação de Químicos e Engenheiros de Polpa Química e Papel – e reuniu cerca de 160 empresas expositoras do Brasil e do exterior no centro de exposições Transamérica, em São Paulo.

Entre os expositores, a ABB, especializada em tecnologia de automação industrial, apresentou um sistema de comunicação de dados que permite fazer o controle, a proteção e a operação de conjuntos elétricos, através de um Sistema Digital de Controle Distribuído (SDCD), usando rede Ethernet.

“Nós já fechamos três grandes contratos de fornecimento desse sistema com entregas previstas para os próximos dois anos”, comemora Fernando Oliveira, gerente geral da área de papel e celulose da ABB para a América do Sul.

Outra novidade da empresa é o MNS IS, um dispositivo que amplia os recursos de diagnóstico remoto on-line para a manutenção preventiva. Segundo Oliveira, isso dará maior agilidade no reparo de equipamentos com ganho de tempo e produtividade.

química e derivados, dispositivo, papel, celulose, abtcp, abb
Dispositivo amplia recursos de diagnósticos on-line

A Honeywell, que opera com sistemas integrados, apresentou o Experion MX, uma instalação informatizada de controle de qualidade na fabricação de papel, que permite eliminação de resíduos, correção de gramatura e mudança de cor. Um grupo de sensores mede on-line papel, cartão, papel tissue e especial, gerando um fluxo constante de dados durante todo o processo, da seção de formação de folha à enroladeira. “Com esse aparelho, a criação e a configuração de controle de nível de circuitos se tornam extremamente simples, assim como sua ampliação futura com a instalação de novos sensores, atuadores e recursos DCS (Sistema de Controle Distribuído)”, explicou Roberto Hafez, gerente de vendas da Honeywell.

A H. Bremer, fabricante de caldeiras e aquecedores térmicos, aproveitou o 44º ABTCP para lançar seu sistema de recuperação térmica, o EcoTerm. A Bremer garante uma economia de 10% de combustível com o novo produto, que é calculado e projetado de acordo com as condições de processo do cliente.

Em seu estande, o grupo Interativa, um dos maiores fabricantes de válvulas industriais do país, apresentou sua linha de válvulas borboleta e os seus serviços de acompanhamento técnico de start-up, automação, manutenção e treinamento. O grupo Interativa adotou o sistema integrado de gestão de qualidade ISO 9001, do qual é certificado desde 1998 pela DNV (Det Norske Veritas). A empresa possui também o selo canadense TSSA, o certificado da comunidade europeia e o CRCC da Petrobras.

química e derivados, papel, celulose, qualidade do papel, honeywell
Experion MX controla a qualidade do papel fabricado

Máquinas de papel – A Voith, tradicional fornecedora de máquinas para a indústria de P&C, reforçou na exposição a sua tecnologia Atmos para papéis tissue, desenvolvida por engenheiros brasileiros no centro de pesquisa da empresa, em São Paulo. A solução gera uma economia de energia até 60%, podendo lidar com 100% de fibras recicladas. A tecnologia é embasada em secagem que mescla alto vácuo, ar quente e úmido e prensagem de folhas tissue Premium.

Destaque da Voith no ABTCP 2011 foi a máquina piloto desaguadora de celulose, que trabalha com velocidades até 500 m/min. O equipamento, que entrará em operação em novembro de 2011, possui depuradores com tecnologia que utiliza menos energia, caixa de entrada tipo PulpJet e mesa plana com baixo consumo de vácuo, já que a parte do desaguamento é feita através da tensão das telas. Já a seção de prensas é formada por duas prensas de sapata Nipcoflex, que proporcionam maiores teores de material seco.

A secagem apresenta um novo conceito em que a folha é seca na vertical, reduzindo o tempo de limpeza e com ganho de espaço, pois o equipamento é mais curto que o convencional. Também será instalada uma cortadeira com facas sincronizadas, permitindo trabalhar com velocidades mais elevadas.

Se a economia de energia é um dos principais desafios do setor, os fornecedores de máquinas trabalham para vencê-lo. Partindo de uma sugestão da WEG, a Trombini Embalagens S.A. está substituindo os tradicionais motores de indução da sua nova máquina de papel da unidade de Friburgo-SC, a MP #4, pelos de rotor de ímãs permanentes, chamados de Wmagnet. “A utilização desse motor será uma referência no mercado em consumo de energia”, disse Sidnei Volpi, analista de vendas da WEG.

Na Europa, a WEG, em parceria com o grupo Portucel-Soporcel, de Portugal, desenvolveu uma máquina de 11,1 metros de largura que economiza até 30% de energia elétrica e produz 500 mil toneladas de papel por ano, o equivalente a 80 t por hora. A máquina possui 650 motores W21 de baixa tensão e 16 motores de 6 kv de média tensão, com capacitores entre 0,37 kW e 2.800 kW.

Fundada em 1989, a Contech trouxe para o evento o seu processo de tratamento a quente contínuo de feltros e telas secadoras. Patenteado pela companhia, o processo eleva em de 10% a 15% a vida de feltros e telas. A aplicação a quente, segundo Odair Pastor Ferreira, coordenador de pesquisa da Contech, faz com que a máquina aumente o teor seco na etapa de prensagem, gastando menos tempo na operação, economizando vapor e aumentando a velocidade de produção.

Água e efluentes – A Centroprojekt, especialista em tratamento de efluentes e resíduos, mostrou em seu estande as novidades no manejo de água, rejeitos industriais, controle de poluição atmosférica e rejeitos urbanos. Entre as soluções, destaca-se um sistema híbrido de tratamento de efluentes que utiliza membranas de ultrafiltração em tanques de aeração. Denominado MBR (Biorreator a Membrana), produz água de reúso com qualidade.

química e derivados, abtcp, papel, celulose, centroprojekt, mbr, bioreator
Bioreator a membrana gera água de reúso

Já a Veolia Water apresentou sua tecnologia Aquaflow, um processo para tratamento de efluentes MBP (Minimum Biosludge Production), com baixa produção de lodo e reduzido volume de aeração, e os sistemas para tratamento de efluentes desenvolvidos pela Anox (Suécia), com destaque para o MBBR (Mixing Bed Biofilm Reactor) e o BAS (Biofilm Activated Sludge), que proporcionam a mesma eficiência do processo de lodos ativados convencional, mas em pequena área e com reduzido custo de implantação.

Como a fabricação de papel e celulose requer o emprego de muitos recursos naturais, é cada vez maior a necessidade de usar as matérias-primas de forma equilibrada e eficiente, levando a atitudes como a redução do consumo de energia e, principalmente, o gerenciamento eficaz da água. Pensando nisso, muitas empresas passaram a vender, além de seus produtos, serviços que visam a otimizar o uso da água.

A Degrémont, presente na exposição, orgulha-se de sua expertise em água potável, dessalinização, reúso, esgotos e tratamento de lodos, e oferece aos seus clientes tecnologia e conhecimento acumulado para encontrar as melhores soluções, dentro das exigências da regulamentação ambiental vigente. A empresa administra e opera cerca de 50 plantas de tratamento de águas industriais, na Europa e nas Américas do Norte e do Sul.

A Perenne é outra empresa que prioriza o uso responsável dos recursos hídricos e recomenda o reúso da água, o gerenciamento dos efluentes e lodo gerados. A Perenne lançou o Programa Lado a Lado, que põe à disposição do cliente uma equipe de engenheiros para visitas periódicas ou acompanhamento por telemetria. A empresa oferece um software exclusivo para gerenciar as informações e produzir relatórios recomendando ajustes, manutenção de equipamento e mudanças de procedimentos.

A Kemira, empresa global de produtos químicos, também oferece gerenciamento de qualidade e quantidade da água, controle de depósitos, programas automatizados de abastecimento químico, de controle de lodo, de odores H2S-Guard e testes piloto em máquinas de papel.

Há 37 anos no Brasil, a Pöyry atua em assistência técnica de obras e instalações, diagnósticos e soluções para o setor de celulose e papel. A empresa já coordenou projetos de grandes unidades industriais dentro e fora do país. Em seu estande, fez apresentações de sua técnica de gerenciamento e mostrou casos de sucesso.

A finlandesa Metso anuncia que é a única capaz de fornecer uma fábrica completa de papel e celulose. Desde o pátio de madeira até o enfardamento da celulose, ou a produção de papel tissue e, também, toda a automação do processo, prestando assistência técnica durante toda a vida de seus equipamentos. No Brasil, ela possui quatro centros de serviços, localizados em Curitiba-PR, Sorocaba-SP, Aracruz-ES e Guaíba-RS.

Neste ano, a Metso ocupou uma área de 108 m², bem na entrada da exposição da ABTCP 2011. O objetivo da empresa é reforçar a sua imagem de principal fornecedora de tecnologia para o setor. Ela apresentou para os visitantes a tecnologia Metso DNA Machine Monitoring, a mais recente solução para monitorar e analisar com base na vibração as condições mecânicas das máquinas rotativas.

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.