ABRAFATI – Tintas assumem novas funções para mercados em recuperação

A Rhodia exibiu na feira as inovações da linha Rhodiasolv, com destaque para o Íris, um solvente sem VOC indicado para desplacantes de tintas, capaz de substituir os solventes agressivos usados na remoção de pinturas. A grande novidade da companhia foi o início da fabricação em Paulínia-SP do acetato de n-propila, indicado para formular tintas de impressão. Oriundo da cadeia alcoolquímica da companhia, o solvente tem bom desempenho ambiental e sustentabilidade, podendo ser usado nas embalagens de alimentos. Também foram apresentados os agentes coalescentes Sipomer, Abex e Rhodapex.

Alto desempenho em gráficas – A oferta de pigmentos orgânicos, incluindo os de alta performance, e inorgânicos, destinados às tintas de impressão e tintas industriais, também se tornou bem mais ampla a partir dessa Abrafati. Com distribuição da Bandeirante/Brazmo, já estão acessíveis ao mercado brasileiro várias linhas de pigmentos fabricados pela indiana Prasad.

Química e Derivados, Carlos Fernando Abreu, Diretor da Bandeirante/Brazmo, ABRAFATI
Carlos Fernando Abreu divulgou os pigmentos da indiana Prasad

“Já estamos introduzindo e homologando entre vários fabricantes as linhas de pigmentos orgânicos clássicos como os amarelos 12, 13 e 74, os laranjas 5 e 34, o vermelho 112, o azul 15, o verde 7, entre outros, incluindo os de mais alta performance, como os pigmentos de quinacridonas e os azocondensados, além de pigmentos inorgânicos, como os amarelos de cromo, os laranjas de molibdato e o azul ultramar”, informou o diretor Carlos Fernando Abreu.

Eduardo Signorelli, gerente de vendas para a América Latina da Sartomer, empresa do grupo Total, parceira da Bandeirantes, seu distribuidor, destacou ao público a linha de polióis de polibutadieno (Poly bd R 45HTLDO), voltados à fabricação de adesivos em base poliuretano, com propriedade de alta flexibilidade a baixas temperaturas (abaixo de zero), e também empregados na fabricação de impermeabilizantes asfálticos.

Quanto à oferta de resinas, a Sartomer também trouxe novidades relacionadas com as resinas de poliéster acrilado (CN 736) com propriedades de aderência a substratos plásticos, para a fabricação de tintas serigráficas e offset, curáveis por radiações UV. “Também estamos oferecendo ao mercado brasileiro a resina de poliéster acrilado (CN 132), com característica de baixa viscosidade e alta velocidade de cura, além de boa fl exão e bom brilho, para a fabricação de tintas para flexografi a, serigrafia e offset”, acrescentou Signorelli.

Da BYK, também sua representada, a Bandeirantes destacou os nano-óxidos de zinco e de cério, como absorvedores ideais de radiações UV, quando comparados com os compostos inorgânicos de dióxido de titânio, cério ou de óxido de zinco, que também absorvem as radiações UV, oferecendo proteção de longo prazo, mas que carregam desvantagem por serem constituídos de partículas sólidas de maior tamanho, podendo reduzir a transparência dos fi lmes de revestimento.

PA líquida nacional – Com os recursos oferecidos pela oleoquímica, é possível respeitar os preceitos da sustentabilidade e resolver o problema de geração de VOC nas indústrias de tintas, segundo acredita Rodrigo João Gabriel, diretor de desenvolvimento e de tecnologia da informação da Carbono Química.

Química e Derivados, Rodrigo João Gabriel, Diretor de desenvolvimento e de TI da Carbono Química, ABRAFATI
Rodrigo João Gabriel produzirá poliamidas líquidas

Até o final deste ano a empresa deverá disponibilizar ao mercado oferta própria de agentes endurecedores de resinas epóxi como poliamidas líquidas reativas, em complemento às linhas das empresas Atul (indiana), fornecedora de diluentes reativos, e também da empresa Nan-ya, de Taiwan, fornecedora das resinas epóxi, e da Huntsman, fornecedora das poliéter aminas e etilenoaminas, parceiras internacionais da Carbono.

“A ideia de fabricar poliamidas líquidas surgiu quatro anos atrás, mas só foi concretizada mais recentemente porque conseguimos dominar o conhecimento sobre as fontes de matériasprimas renováveis para a sua produção, a fi m de produzir com qualidade e custo competitivo”, explicou Gabriel. As fontes mais usuais das poliamidas líquidas são os ácidos graxos advindos da celulose, os tall oils. No caso da Carbono, contudo, a produção de poliamidas líquidas não estará dependente de fornecimentos da indústria papeleira porque a empresa equacionou o problema de sazonalidade na oferta, ao encontrar um parceiro tecnológico para a sua produção com base em um mix de fontes renováveis animais e vegetais.

Além desses produtos, a Carbono também divulgou os solventes da francesa Total, com destaque para a linha de terebintina Spridane, de alta solvência, capaz de melhorar o desempenho ambiental de formulações base solvente e base água.

Multifuncional em base celulose – Alinhada com os princípios de sustentabilidade, a Eastman antecipou e apresentou novidades na feira. Uma delas foi a nova família de ésteres de celulose em base água, em fase experimental de produção. Outro fruto de inovação está no aditivo (Solus 2300), em base celulose, desenvolvido para tintas com alta concentração de sólidos, basecoats para pinturas metálicas originais automotivas, e também com o propósito de oferecer baixo VOC.

Química e Derivados, Renan Marcel Urenhiuki, Coatings Eastman, ABRAFATI
Renan Marcel Urenhiuki: aditivo celulósico melhora

Segundo Renan Marcel Urenhiuki, da área de coatings, o novo aditivo promove múltiplas funções no sistema. “No momento da aplicação da tinta por pistola, que envolve altas taxas de cisalhamento, observa-se uma queda na viscosidade da tinta, o que favorece o seu alastramento e nivelamento sobre os substratos metálicos e plásticos. Porém, ao cessar o cisalhamento, ocorre um incremento na viscosidade da tinta, que impede o seu escorrimento, favorecendo o alinhamento do pigmento metálico, e melhorando o flop index da tinta, diminuindo o tempo de secagem em torno de 30%, e contribuindo para o aumento da produtividade”, explicou. Na opinião de Urenhiuki, os fabricantes de tintas praticamente encontram algumas opções para seguir no caminho da sustentabilidade, podendo migrar para tintas em base água, para tintas alto sólidos, ou, ainda, trabalhar com a associação das duas tecnologias.

Página anterior 1 2 3 4 5 6 7 8Próxima página

Um Comentário

  1. boa tarde, gostaria de saber quando será a ABRAFATI 2013, se possível adoraríamos participar das cotações dos projetos de stands deste evento..
    aguardo e obrigado
    Rogerio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios