Tintas e Revestimentos

ABRAFATI – Tintas assumem novas funções para mercados em recuperação

Rose de Moraes
17 de outubro de 2009
    -(reset)+

    Qualidade farmacêutica – Os últimos investimentos da Bayer MaterialScience em pesquisa e desenvolvimento de novas matérias-primas para a fabricação de revestimentos e adesivos ultrapassaram os padrões habituais de qualidade existentes em vários setores industriais, alcançando grau farmacêutico de boas práticas de fabricação, segundo revelou Alberto Hassessian, gerente de coatings & adhesives para a América Latina da empresa.

    Alberto Hassessian, Gerente de coatings & adhesives da Bayer MaterialScience para a América Latina da empresa

    Alberto Hassessian reforçou a oferta de PU especial para o setor automotivo

    “E foi com base nesse padrão de produção que criamos a nova geração de matérias-primas para tintas industriais e automotivas, formada por sistemas aquosos ou sem solventes, apenas fazendo uso de resinas de baixíssima viscosidade, que estamos apresentando como novidades para todos os mercados da América Latina”, observou Hassessian. Para a indústria automotiva, as principais inovações foram direcionadas aos sistemas aquosos, baseados em dispersões de poliuretano.

    “As grandes montadoras europeias já utilizam tintas com base em sistemas aquosos bicomponentes de PU, gerados pela reação entre isocianatos da linha Bayhydur e polióis da linha Bayhydrol. No Brasil, por enquanto, três montadoras também intencionam aderir à nova solução, já tendo homologado a nova tecnologia e começaram a seguir os mesmos passos das europeias, comprovando que, em termos de resistência, as dispersões de PU não deixam nada a dever e são comparáveis aos sistemas em base solvente”, comentou o gerente.

    Outra inovação apresentada pela empresa contemplou a área de adesivos. Trata-se de dispersões de PU e de policloropreno, ambas em base aquosa, pertencentes à linha Dispercoll, desenvolvidas para atender o mercado calçadista para promover a substituição de sistemas em base solvente. As novidades já estão sendo utilizadas nos grandes polos de produção da Região Sul e em Franca-SP, trazendo benefícios à segurança e à higiene do trabalho e à preservação do meio ambiente.

    A divisão do grupo Bayer, porém, já oferece ao mercado mais de 400 matérias-primas em base aquosa, nas mais variadas versões para aplicações industriais, automotivas, em repintura automotiva, em madeiras e em plásticos, e pretende num próximo passo também expandir as aplicações de dispersões de policloropreno para a colagem de espumas em indústrias de colchões, móveis, estofamentos e tetos automotivos.

    Química e Derivados, Lewis E. Manring, Vice-presidente de tecnologia da Dupont Coatings & Color Technologies, ABRAFATI

    Lewis E. Manring divulgou o propanodiol obtido de fontes renováveis

    Propanodiol renovável – A Dupont Coatings & Color Technologies também está bastante avançada no desenvolvimento, produção e oferta de tecnologias mais sustentáveis para aplicações em tintas. Lewis E. Manring, vice-presidente de tecnologia da empresa, baseado em Wilmington, nos Estados Unidos, veio para a Abrafati para salientar algumas descobertas resultantes de vários anos de pesquisas.

    “No final dos anos de 1990, a DuPont descobriu que por fermentação poderia transformar a glucose do milho ou da cana-de-açúcar em glicerol, que, por sua vez, se transformaria em propanodiol, como já é fabricado desde 2006 na fábrica de Loudon, no Tennesse, capaz de produzir 40 mil t/ano, sendo uma alternativa ao propanodiol petroquímico”, recapitulou o vice-presidente da DuPont Coatings. Esse insumo de origem natural é indicado para tintas e vernizes para pintura de caminhões e também pode ser usado em outras aplicações, como a produção de fibras destinadas à fabricação de carpetes.

    “O importante é despertar a consciência dos profissionais e empresas para que enxerguem novas oportunidades no uso de tecnologias sustentáveis. Cabe aos fabricantes de matérias-primas liderar as mudanças envolvendo todos os elos da cadeia produtiva de tintas, entre outras, porque os cientistas já diagnosticaram a presença de 720 gigatoneladas de CO2 na atmosfera”, ressaltou Manring.

    Química verde – Com oferta de mais de 50% de matérias-primas provenientes de fontes renováveis, a Cognis também marcou presença nessa Abrafati, ao propagar o conceito de inovação “verde”. “A ideia é oferecer matérias-primas de alto desempenho associadas a fontes renováveis, contribuindo para que os fabricantes possam migrar da base solvente para a base água”, informou Kátia Braga, gerente de vendas da Cognis Brasil.

    “O primeiro caminho é migrar para a base água, mas adotar também uma nova composição de aditivos é tão importante quanto adotar a base aquosa, não havendo mudanças drásticas nesse processo, mas apenas tomadas de decisão, para alterar as formulações”, considerou Shailesh Shah, diretor de marketing global da Cognis Corporation.

    Química e Derivados, Shailesh Shah, diretor de marketing global da Cognis Corporation, ABRAFATI

    Shailesh Shah enfatizou os conceitos da química verde

    Segundo ele, a sustentabilidade, os produtos verdes e as tintas amigáveis são alvo de debates no mundo todo, mas a Cognis prescreve a necessidade de adoção de pelo menos sete pré-requisitos ou parâmetros para que um produto possa ser reconhecido genuinamente como fruto de soluções da química verde, abrangendo aspectos como testes de aplicação, proteção à saúde, segurança, degradabilidade, toxicidade, eficiência e rotulagem.

    Considerada pioneira no desenvolvimento de surfactantes isentos de alquilfenóis, a empresa vem se preocupando ao longo dos anos com a eficiência das várias matérias-primas. Entre elas estão os modificadores de reologia, isentos de VOC, de Apeo, e de odor; e os antiespumantes, isentos de óleos minerais, de VOC e com baixo odor, os quais têm por base polímeros, óleos vegetais, e outros derivados graxos, apresentando também ao mercado soluções em dispersantes isentas de alquilfenóis e coalescentes sem VOC e com baixo odor.



    Recomendamos também:








    Um Comentário


    1. boa tarde, gostaria de saber quando será a ABRAFATI 2013, se possível adoraríamos participar das cotações dos projetos de stands deste evento..
      aguardo e obrigado
      Rogerio



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *