Tintas e Revestimentos

ABRAFATI 2011 – Com demanda garantida, setor busca tecnologias eficazes e sustentáveis

Rose de Moraes
17 de dezembro de 2011
    -(reset)+

    Química e Derivados, Julio Cesar B. Fortunato, Oswaldo Cruz Química, Abrafati 2011, pigmentos, dióxido de titânio

    Fortunato: extensor pode reduzir em 30% o consumo de titânio

    Em lançamento na Abrafati 2011, os pigmentos brancos da linha Fortwhite 8030 atuam como extensores de dióxido de titânio, substituindo-o parcialmente, com excelente opacidade. Apresentados em emulsão com 30% de sólidos, proporcionam às tintas arquitetônicas custo final bem mais vantajoso, de acordo com Julio Cesar B. Fortunato, diretor da Oswaldo Cruz Química.

    Comercializados há quase dois anos com sucesso “exorbitante”, nas palavras do diretor Fortunato, os terpolímeros nacionais representam as alternativas mais viáveis às resinas acrílicas estirenadas de alta qualidade, situando-se no mesmo nível de desempenho, comparativamente, nas aplicações em tintas imobiliárias, e oferecendo também isenção de odor, baixo VOC, alta lavabilidade e custo competitivo. Sob o nome comercial Fortcryl 6200, trata-se de um terpolímero acrílico em dispersão aquosa, cujo maior emprego ocorre como ligante na fabricação de tintas látex.

    Em matéria de ligantes, a empresa também destacou Fortcryl 6850, para a fabricação de esmaltes sintéticos em base água, bem como tintas e vernizes de alto brilho para cerâmicas e telhas com alta resistência à água. “Com essa resina em base água, conseguimos oferecer alta aderência aos substratos metálicos ferrosos e não ferrosos”, observou Fortunato.

    O portfólio da empresa conta também com dispersantes de alto poder, moagem de pigmentos e cargas, espessantes acrílicos associativos em dispersão aquosa, copolímeros acrílico-estirenados em dispersão aquosa, empregados como ligantes na fabricação não só de tintas látex, como também de texturizados, grafiatos e massa corrida, resinas alquídicas, curtas, médias, longas e fenoladas, e também em óleo de soja, para tintas decorativas e industriais.

    Química e Derivados, Marcelo Sigalla, Nitroquíumica, Vernizes, Tintas, Abrafati 2011

    Sigalla revela planos de expandir produção de nitrocelulose para UV

    Novidades em nitrocelulose– O mercado de tintas e vernizes curáveis por radiação UV também pode contar com desenvolvimentos nacionais em resinas de nitrocelulose. Lançadas pela Nitroquímica na Abrafati 2011, elas são isentas de VOC e produzidas com matérias-primas biorrenováveis, biodegradáveis e atóxicas. Trata-se das linhas Ecocell UV e Greencell. A primeira, com 50% de conteúdo renovável, é umectada com isopropanol (30%) e destinada a formulações de tintas de cura UV, aplicáveis em diferentes substratos, como madeiras, plásticos para embalagens e metais, sendo disponibilizada ao mercado em monômeros de tripropilenoglicol diacrilado e trimetilolpropano triacrilado.

    “Nossa intenção é construir uma nova unidade industrial somente para fabricar a linha Ecocell UV, mas, por enquanto, estamos produzindo em escala piloto dentro de nossa fábrica em São Miguel Paulista-SP”, afirmou Marcelo Sigalla, gerente de mercado internacional da NitroQuímica.

    Em duas versões (Ecocell UV 1101 e Ecocell UV 1102), a nova linha forma filmes com propriedades termofixas e resistentes a solventes, oferecendo qualidade em brilho, umectação e alastramento, além de ser considerada sustentável.

    Por sua vez, a linha Greencell possui 80% de conteúdo biorrenovável, é umectada com etanol (35%) e apresentada em diferentes graus de viscosidade. Ambas, porém, contam com o selo Napim, conferido pela National Association of Printing Ink Manufacturers, representante da indústria de tintas de impressão nos Estados Unidos.

    Base água em padrão solvente – O mercado de tintas industriais de performance sob as mais extremas condições é alvo dos investimentos em pesquisas e desenvolvimentos também da Dow, que lançou nessa Abrafati a linha de dispersões de resinas epóxi em base água denominada Oudra. Destinada a revestimentos de proteção, dutos, tanques, embarcações, pontes, contêineres etc., possui várias versões. OudraSperse WB 6001 é uma dispersão aquosa de resina epóxi sólida de baixo peso molecular, do tipo 1. Isenta de solventes, suas maiores vantagens em relação às convencionais líquidas residem na capacidade de aderir mais aos substratos e resistir mais à corrosão. “Sólida na temperatura ambiente, sua emulsão é recomendada para aplicações sobre aço carbono e sobre concreto, a fim de protegê-los contra a corrosão”, explicou Juliana Serafim Francisco, executiva de serviços técnicos e desenvolvimento da Dow.

    Outro desenvolvimento da família é a OudraSperse WB 3001, resina epóxi líquida emulsionada em água para aplicações sobre substratos metálicos, concretos e misturas de cimento, concreto e epóxi, entre outras.

    Química e Derivados, Juliana Serafim Francisco, Dow, Vernizes, Tintas, resinas, epóxi, Abrafati 2011

    Juliana: dispersões de epóxi em água melhoram adesão e proteção

    Com alta resistência química e térmica, a família Oudra também oferece a nova resina epóxi novolac. Semissólida em emulsão, “trata-se de resina capaz de produzir matrizes poliméricas altamente reticuladas, resistentes ao calor e a químicos, tal qual as resinas novolac em base solvente”, destacou Juliana.

    A temperatura vítrea do epóxi termocurável OudraTherm (HPC 6508), resina epóxi sólida especial para revestimentos em pó de epóxi termocurável, por sua vez, pode chegar a 150ºC; e, na versão OudraTherm (HPC 6510), a 170ºC.

    Para oferecer maior flexibilidade e resistência ao impacto, a Dow também desenvolveu a resina epóxi sólida OudraTough HPC 104. Modificada, mantém inalteradas a temperatura de transição vítrea e a viscosidade de fusão do revestimento.

    Em resinas epóxi, a empresa também lançou OudraCool HPC 6615, modificada por base de bisfenol A para cura sob baixa temperatura.

    A linha Oudra também abrange dez diferentes tipos de agentes de cura de epóxi em base água. Um dos destaques dessa linha é OudraCure HPC 90, agente de endurecimento e cura fenólico modificado, com o intuito de oferecer maior reatividade e adesão.



    Recomendamos também:








    0 Comentários


    Seja o primeiro a comentar!


    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *