Cosméticos

3 de setembro de 2015

ABC: Fragrâncias e as Substâncias Aromáticas

Mais artigos por »
Publicado por: Quimica e Derivados
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, ABC: Fragrâncias e as Substâncias Aromáticas

    Texto: Engª. Enilce Maurano Oetterer, Diretora da ABC, Proprietária da ENCOSMÉTICA Consultoria Ltda.

    De modo abrangente, define-se o perfume como uma emanação agradável ao olfato, que exala de certos corpos com propriedades odoríferas ou de substâncias aromáticas. Seu nome deriva do latim per fumun ou pro fumun, e significa “através da fumaça”.

    De característica subjetiva, o perfume atua nas sensações cognitivas psicofisiológicas do ser humano de modo determinadamente, descrito nos trabalhos do químico francês René-Maurice Gattefossé, que iniciou os primeiros estudos da Aromaterapia Moderna.

    Na dimensão da cosmética e da perfumaria, as fragrâncias são resultantes de misturas de diversas composições aromáticas, as quais têm a propriedade física de emanar odores olfativos. As fragrâncias, de acordo com a sua característica olfativa e seleção, fazem parte em sua maioria, da composição dos produtos de cuidado pessoal e dos perfumes em geral e contribuem em conjunto com demais componentes de uma fórmula, para melhores resultados de aceitação e qualificação do produto final.

    As substâncias odoríferas, que se caracterizam pelo seu odor, como as composições aromáticas, fragrâncias ou bouquets, inserem-se e exalam-se, nas várias formas e categorias de produtos cosméticos como cremes e loções, sabonetes, xampus, desodorantes, entre outros produtos e particularmente nos perfumes nas mais variadas concentrações, como os extratos, águas de colônia e demais produtos, como veremos a seguir.

    SUBSTANCIAS AROMÁTICAS

    Devido à sua complexidade e sob o ponto de vista mais prático, consideramos substâncias aromáticas os compostos que possuem aroma ou odor, que dependendo da origem podem ser:

    A) Naturais: Distinguem-se como as substâncias provenientes dos reinos animal e vegetal. As de origem animal exercem um efeito sinergético sobre o aroma, tornando os perfumes mais intensos e fortes e bastante característicos, atualmente substituídos por composições sintéticas. Ex: Almíscar- Musk, proveniente da glândula da cabra do Tibete, Himalaia e Abissínia.

    As de origem vegetal constituem os chamados óleos essenciais, mistura complexa de compostos orgânicos voláteis, de centenas de constituintes distintos, que se obtém das flores, folhas, raízes, frutos ou madeiras, através de processos de operações unitárias estabelecidos, como destilação, extração, filtração, raspagens, vaporização e secagem. Exemplo: madeira de sândalo da Índia, o vetiver em Java, a bergamota na Itália, rosa, jasmim, lírio, alfazema, citronela.

    Os óleos essenciais atuam no sistema imunológico das plantas e tem a função de protegê-las contra bactérias, fungos e infecções, oxigenando e nutrindo as células. São denominados essenciais, pois são vitais para a sobrevivência das plantas.

    B) Sintéticas: As substâncias sintéticas ocupam um lugar de destaque nas composições aromáticas devido ao seu custo acessível, possibilitando maiores combinações ao perfumista, na elaboração e desenvolvimento de uma fragrância. São resultantes de reações e processos químicos de síntese, oxidação dos álcoois graxos, fenóis, dando origem aos aldeídos.

    Temos na conformação das fragrâncias, a associação de NOTAS OLFATIVAS, que sugerem os efeitos aromáticos de suas procedências, a exemplo das notas do reino animal, como couro; e vegetal, como lavanda, rosa, madeira, frutal, herbácea; e notas sintéticas, as dos compostos aldeídicos.

    As nomenclaturas de notas olfativas não são rigorosamente estabelecidas e classificadas. Elas podem variar conforme a linguagem de identificação que predomina em uma determinada época, de acordo com a moda e os costumes, e as sugeridas pelos meios de comunicação e veículos publicitários.

    PROPRIEDADES DAS SUBSTANCIAS AROMÁTICAS:

    As propriedades das substâncias variam com os métodos de obtenção, do plantio, das partes do vegetal extraído, da época de colheita, entre outros fatores. Em destaque, algumas mais comuns, de maior utilidade de aplicação:

    – BIOLÓGICAS:

    • Antissépticas, analgésicas, estimulantes e anestésicas.

    – FÍSICO-QUÍMICAS:

    • Odoríferas: Possuem grande potencial de aromatização;

    • Vaporização: Evaporam com velocidades diferentes em condições normais de temperatura e pressão, alterando o teor de ativo de uma composição;

    • Solubilidade: Possuem características lipofílicas, portanto solúveis em óleos, gorduras, álcool, tensoativos e insolúveis em água;

    • Sensibilidade à fotossíntese: Os óleos essenciais reagem à luz, alterando a sua cor ou precipitando-se em presença constante da luz;

    • Sensibilidade: São suscetíveis às reações de oxidação e calor;

    • Volatilidade: São altamente voláteis em correntes de vapor.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página








      1. Artigo muito explicativo, perfeito!!!!



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *