ABC Cosmetologia: Ingredientes naturais na cosmetologia moderna

Química e Derivados,Sendo a cosmetologia a ciência que estuda a interação e o efeito dos cosméticos no ser humano, poderíamos retroceder às suas origens e constatar que sua história começa com as primeiras manifestações artísticas da humanidade. Entre elas, o adorno do próprio corpo constituía uma prática que impulsionava a criação de expressões de beleza, associadas a um padrão social.

Provas destas manifestações foram encontradas em gravuras, pinturas humanas e tumbas de antigas civilizações, como a egípcia, na qual o emprego de corantes e pigmentos naturais, pincéis, paletas e outros elementos eram amplamente difundidos, com o propósito de melhorar a aparência externa do corpo.

Avançando pelo tempo, essa prática se estendeu não só à decoração, como também aos cuidados e conservação da pele, mediante o uso de componentes de origem natural.

Assim, grande número de substâncias com propriedades cosméticas têm sido pesquisadas e desenvolvidas desde a antiguidade, e atingem modernamente elevado grau de tecnologia e sofisticação.

Hoje é possível realizar tratamentos cosméticos eficazes para a prevenção do envelhecimento cutâneo, com resultados altamente satisfatórios, utilizando os princípios ativos derivados das plantas em todas as suas dimensões, como raízes, folhas e frutos, dependendo da caracterização e suas propriedades fitoterápicas, obtidos por extrações específicas, provenientes de fontes renováveis.

Esse enfoque nos dá a diretriz da abordagem desse tema, destacando a relação entre o uso de modernos componentes, ativos de última geração, classificados no campo das substâncias de componentes bioativos, e a debatida questão da prevenção e conservação, estendendo-se até ao rejuvenescimento cutâneo.

Estudos realizados pela biologia demonstram que muitas substâncias de origem natural são dotadas de particulares atividades eutróficas e estimulantes à pele. Assim, a partir uma fórmula cosmética básica e satisfatória, podem-se atingir melhores níveis de eficácia e qualidade dos produtos cosméticos acabados, com a incorporação de tais ingredientes. A questão aqui se torna complexa, tendo em vista, os vários grupos de elementos que apresentam propriedades bioativas e possuem características microenergéticas. Todos atuam sinergicamente e sua atividade será tanto maior quanto melhor for o grau de penetração na pele.

Química e Derivados,

Podemos mencioná-las de forma abrangente de acordo com sua origem nas seguintes categorias:

• Proteínas
• Vitaminas
• Enzimas
• Extratos vegetais
• Oligoelementos
• Biopolimeros
• Aminoácidos

Convém destacar que a utilização desses componentes bioativos de origem natural nos cosméticos é praticada em todo o mundo para aplicações farmacêuticas e cosméticas, tanto como ingredientes ativos ou como emotivos.

Assim, não se trata exatamente de um novo conceito, pois em épocas históricas distantes se costumava utilizar o leite de animais (cabra, vaca e outros), que foi considerado imprescindível para a beleza facial e corporal durante várias gerações. Extratos orgânicos foram utilizados na busca de uma especial ação biológica, sem que houvesse muito conhecimento do mecanismo de ação sobre a pele, entretanto seus benefícios eram reconhecidos.

Modernamente, essas fórmulas caseiras, primitivas e um tanto heroicas, passaram praticamente para a história da cosmetologia e atualmente, graças ao avanço tecnológico, é possível isolar as substâncias dotadas de propriedades bioativas de modo eficiente, obedecendo às normas de metodologia especifica.

A evolução tecnológica dos processos de fabricação e o desempenho industrial contribuem favoravelmente para o trabalho dos técnicos no desenvolvimento de fórmulas eficazes, padronizadas quantitativa e qualitativamente, originando produtos altamente satisfatórios de qualidade, assegurando a eficácia e segurança dos produtos acabados.

O tratamento cosmético dentro da tendência moderna mundial admite que as causas do envelhecimento estejam relacionadas, além dos fatores intrínsecos decorrentes do tempo, com as alterações a nível celular e mais precisamente com a sua estrutura mais interna, o núcleo e suas codificações genéticas, conhecidas como a molécula do DNA e suas alterações.

Com as varias hipóteses de origens genéticas, condições ambientais, falhas do sistema imunológico entre outras, torna-se interessante, cada vez mais, relacionarmos esses fatores à ação benéfica dos componentes com princípios bioativos, por serem naturais ao meio do maior órgão do corpo: a pele.

Produtos naturais:

As plantas contêm diferentes estruturas moleculares, algumas são muito comuns no reino vegetal e outras muito específicas, resultando em efeitos sinergéticos para uso cosmético. Os fabricantes de produtos cosméticos cada vez mais demandam novas tecnologias para detectar ingredientes botânicos em seus produtos por razões de registro no Ministério da Saúde

Os extratos vegetais estão entre os ingredientes favoritos das modernas formulações cosméticas. A especificação de substâncias típicas das plantas começa no trabalho de pesquisa de literaturas existentes, nas quais são descritos os componentes de determinadas plantas e os métodos analíticos de identificação.

Métodos de cromatografia, tais como HPLC ou GC, são indicados para detectar os ativos típicos e específicos das plantas, através da leitura dos picos de identificação.

Extratos orgânicos:

Os produtos orgânicos têm sido muito valorizados por não conterem agentes tóxicos e por conservarem melhor suas vitaminas e nutrientes. Esta tendência está se tornando cada vez mais forte, principalmente nos seguimentos de alimentos, cosméticos, bebidas, entre outros. Os produtos podem ser considerados orgânicos apenas depois de um período mínimo de três anos de cultivo sem agrotóxicos. A fertilização e atividade biológica do solo dessas fazendas devem ser mantidas ou tratadas com sistemas orgânicos, químicos ou fertilizantes de origem animal, evitando o uso de pesticidas.

Química e Derivados,
Enilce Maurano Oetterer

Conclusão:

Os ingredientes ativos de origem natural têm sido cada vez mais utilizados em combinação com demais componentes em formulações cosméticas. Essa sinergia entre o tecnológico e o natural oferece ao consumidor produtos com qualidade comprovada, reconhecidos por suas propriedades cosméticas.

Atualmente a indústria cosmética utiliza os benefícios das ervas, das árvores e seus frutos em diversos tipos de aplicações, como xampus, cremes hidratantes, cremes e loções, entre outros, por meio de frações específicas de plantas obtidas através de tecnologias e processos de extração diferenciados de qualidade.

*Enilce Maurano Oetterer, diretora da Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC), é formada em Engenheira Química e especialista em Gestão de Negócios de Ingredientes Cosméticos e Cosmetologia Aplicada. Desenvolveu carreira em empresas nacionais e internacionais fabricantes e distribuidores de insumos para os segmentos de indústria de cosméticos. Atualmente, é sócia-diretora da Encosmética Consultoria Ltda. Contato: [email protected]

Texto: Engª. Enilce Maurano Oetterer*

Leia Mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.