Cosméticos

4 de novembro de 2015

ABC Cosméticos: O uso das substâncias bioativas na prevenção do envelhecimento da pele

Mais artigos por »
Publicado por: Quimica e Derivados
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, ABC Cosméticos: O uso das substâncias bioativas na prevenção do envelhecimento da pele
    O estudo das substâncias bioativas está associado à composição bioquímica das células, que faz prever a existência de uma complexa organização estrutural envolvendo a citologia, histologia, anatomia e suas alterações morfológicas.

    Texto: Engª. Enilce Maurano Oetterer

    Química e Derivados, ABC Cosméticos: O uso das substâncias bioativas na prevenção do envelhecimento da peleA cosmetologia a ciência que estuda a interação e o efeito dos cosméticos no ser humano. Poderíamos retroceder às origens e constatar que a sua história se inicia com as primeiras manifestações artísticas da humanidade. Entre elas, o adorno do próprio corpo constituía uma prática que impulsionava a criação de expressões de beleza, associadas a um padrão social.

    Provas dessas manifestações foram encontradas em gravuras, pinturas humanas e tumbas de antigas civilizações, como a egípcia, na qual era amplamente difundido o emprego de substâncias corantes e pigmentos naturais, pincéis, paletas e outros elementos, com o propósito de melhorar a aparência externa do corpo.

    Avançando-se no tempo, essa prática se estendeu não só à decoração, como também aos cuidados e conservação da pele.

    Inúmeras substâncias com propriedades cosméticas têm sido pesquisadas e desenvolvidas desde a antiguidade e atingem modernamente elevado grau de tecnologia e sofisticação. Hoje é possível realizar tratamentos cosméticos com resultados altamente satisfatórios, principalmente no que diz respeito à prevenção do envelhecimento cutâneo, graças ao avanço das ciências médicas, químicas, físicas e biológicas.

    Estudos realizados em biologia demonstram que muitas substâncias são dotadas de particular atividade eutrófica e estimulante à pele. Assim, a partir de uma fórmula cosmética básica e satisfatória, podem ser atingidos melhores níveis de eficácia e qualidade dos produtos cosméticos acabados, com a incorporação de tais ingredientes.

    Esse enfoque nos dá a diretriz para a abordagem do tema, destacando a relação entre o uso de componentes modernos, ativos de última geração, classificados no campo das substâncias de componentes bioativos, e a debatida questão da prevenção e conservação, estendendo-se até ao rejuvenescimento cutâneo.

    A química da pele

    A análise química da pele que constitui os seres vivos revela a presença constante de certas substâncias encontradas na epiderme, derme e hipoderme, que podem ser classificadas forma simplificada em dois grupos:

    • Substâncias inorgânicas: água, sais minerais insolúveis e solúveis dissolvidos na forma iônica, como cálcio, magnésio, ferro, fosfatos, potássio, sódio e cloro.

    • Substâncias orgânicas: carboidratos, lipídios, proteínas, ácidos nucleicos e vitaminas.

    Assim, na tentativa de desenvolver novas moléculas ativas cosméticas destinadas ao tratamento de antienvelhecimento cutâneo, uma das diretrizes de pesquisa é identificar substâncias que se aproximam ao máximo à química dos componentes das células da pele.

    A questão aqui se torna complexa, tendo em vista os vários grupos de elementos que apresentam propriedades bioativas e possuem características micro energéticas.

    Podemos classificá-las de forma ampla, segundo a sua origem, nas seguintes categorias:

    • Proteínas
    • Vitaminas
    • Enzimas
    • Extratos hormonais
    • Extratos de origem animal
    • Extratos vegetais
    • Oligoelementos
    • Bio-polímeros
    • Aminoácidos
    • Carboidratos

    Todas atuam sinergicamente e sua atividade será tanto maior quanto melhor for o grau de penetração na pele. Convém destacar que a utilização desses componentes bioativos nos cosméticos não é exatamente um novo conceito, uma vez que em épocas históricas distantes se costumava usar leite de origem animal, como o de cabra ou vaca, por exemplo, que foram considerados imprescindíveis para a beleza facial e corporal durante várias gerações.

    Extratos orgânicos obtidos dos órgãos de animais – como fígado, glândulas mamárias, placentas, ovários etc. – foram utilizados na busca de uma especial ação biológica, sem se ter muito conhecimento do mecanismo de ação sobre a pele, contudo, seus benefícios eram reconhecidos.

    Modernamente, essas fórmulas primitivas passaram praticamente para a história da cosmetologia e, atualmente, com os avanços tecnológicos, é possível isolar as substâncias dotadas de propriedades bioativas de modo eficiente, obedecendo às normas da metodologia específica, apoiadas na ciência.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página








      1. Erick Oliveira Machado

        Eu sou estudante de química e estou a procura de estágio, estou planejando um projeto justamente sobre a estética da pele, vocês poderiam me ajudar ?



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *